Viver a chegada da Primavera em Monsanto

PORTFÓLIO


Paula Ferreira

Fotografias

AMBIENTE

Ajuda
Alcântara
Belém
São Domingos de Benfica

1 Abril, 2019

Uma dúzia de percursos pedestres, dos quais dois têm ligação directa à cidade, podem bem servir como chave para a descoberta ou a redescoberta de um dos mais preciosos tesouros de Lisboa. Agora que a Primavera chegou, e com as suas temperaturas amenas, todos os motivos são bons para aproveitar o tempo livre no Parque Florestal de Monsanto, onde são muitos e diversos os motivos de interesse. O maior dos quais será, na verdade, a sensação de apaziguamento e de comunhão com a natureza num contexto territorial eminentemente urbano.

Resultante sobretudo do impulso dado por Duarte Pacheco (ministro da Obras Públicas em 1932 e presidente da Câmara Municipal de Lisboa em 1938), este território com cerca de 900 hectares, integrado num ecossistema temperado (características mediterrânicas e atlânticas), apresenta uma grande variedade de flora e fauna. Algo verdadeiramente admirável, se se tiver em conta que nos 30 do século passado, aquando da decisão de criar o parque, este era um território com vegetação pouco expressiva.

Com cerca de 230 metros de altitude, e estendendo-se desde a ribeira de Alcântara até ao rio Tejo, a Serra de Monsanto caracterizava-se como um local algo inóspito e ventoso, no momento em que o Estado decidiu colocar em marcha os planos de arborização dos quais havia referência desde 1868. No início do século XX, esta elevação geológica era um local de pastoreio e de grande actividade de moagem, havendo referência à existência de 82 moinhos por essa altura. Ao mesmo tempo, existiam muitas pedreiras, de onde se havia extraído calcário e basalto que alimentara a grande dinâmica de construção de edifícios na capital portuguesa, durante os anos do Fontismo.

Tirando algumas quintas em Benfica e a Tapada da Ajuda, o arvoredo era pouco expressivo. Cenário que mudou primeiro, nos anos 40, com a plantação sobretudo de árvores de sombra, onde pontificavam os Cedros do Bussaco (Cupressus lusitanica), o Pinheiro Manso (Pinus pinea) e o Pinheiro de Alepo (Pinus halepensis), e depois, na década seguinte, com a introdução de espécies com relevância ecológica, como os Sobreiros (Quercus suber), as Azinheiras (Quercus rotundifolia) e Carvalhos Cerquinhos (Quercus faginea). Alterações que propiciaram um aumento da biodiversidade. Nas espécies vegetais, também ali se contam trepadeiras como a madressilva e a salsaparrilha. Entre os animais, contam-se os esquilos, a águia de asa-redonda, a raposa ou o mocho galego.

MAIS PORTFÓLIOS

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend