Os olhares de espanto e as expressões boquiabertas de quem via passar o eléctrico junto ao Miradouro de São Pedro de Alcântara eram mais que justificados. Afinal, a última vez que tal sucedera fora já há duas décadas, quando a Carris desactivou, com carácter provisório, e devido a uma obra, a linha 24 – que assegurava a ligação entre o Cais do Sodré e Campolide. O temporário foi assumindo características perenes e os carris deixaram de ser usados desde essa altura.

 

Agora, a troco de seis euros, e com um bilhete que pode ser usado durante 24 horas, é possível fazer o circuito Chiado Tram Tour, que liga em sistema de carrossel o Largo Camões ao Príncipe Real. O mesmo género de serviço que, há cerca de um ano, faz o Castle Tram Tour, a partir da Praça da Figueira, o qual ganhou agora paragens no Martim Moniz e no Largo da Graça. Com o início da nova operação comercial hoje aberta pela Carristur, passam a estar cobertos pelo serviço eléctrico pontos tão emblemático como a Igreja da Misericórdia, o Jardim do Príncipe Real, o Largo de São Roque e o Miradouro de São Pedro de Alcântara.

 

A inauguração da ligação, explorada pela empresa do grupo Carris vocacionada para o serviço turístico, ocorreu na manhã desta quinta-feira (28 de Maio) e serviu também para os jornalistas ficarem a saber que o renascimento do eléctrico 24 – há muito reclamado, tanto por entusiatas deste meio de transporte como por diversos grupos de activistas urbanos – não estará para tão cedo nos planos da transportadora pública. A não ser que seja para exploração turística. Logo, com outro nome e com preços não compatíveis com o serviço público.

 

Isso mesmo foi assumido por Rui Loureiro, presidente do conselho de administração da Carris. Ou dá lucro ou então esqueçam essa ideia, deu a entender. “Se houver procura, poderemos pensar em retomar a utilização dessas linhas”, disse, quando questionado sobre a possibilidade de se voltar a ver eléctricos a passarem pelas ruas do Alecrim e da Escola Politécnica, Largo do Rato, Amoreiras e Campolide. A forma como essa procura deverá ser aferida esteve, porém, longe de ser clarificada pelo dirigente da empresa pública.

 

Pressionado pela comunicação social, o administrador da transportadora admitiu que “há uma tendência, que não é de agora, de passar os eléctricos todos para o serviço turístico”. “O turismo baseado nos eléctricos é algo que veio para ficar”, sustentou, antes de relevar a necessidade de fazer com que a exploração comercial da empresa seja rentável. “Não é mais possível criar mais carreiras que não tenham viabilidade económica”, disse, sublinhando o facto de a taxa de ocupação média da frota ser de apenas 28%.

 

tram2

 

 

As palavras do presidente da Carris surgiram após António Proença, presidente da Carristur, ter assumido que a empresa “gostaria muito” de estender este género de ligações a locais como o Largo do Rato, Campolide e Amoreiras. Ou seja, existe a ambição de ali levar os turistas. O que deverá acontecer, dentro de algum tempo, no Largo do Carmo, assumiu o administrador – “lá iremos” -, sem precisar quando.

 

A pensar nisso, as recentes obras de reabilitação do espaço público no Largo da Trindade realizadas pela Câmara Municpal de Lisboa tiveram o cuidado de manter as linhas do eléctrico. No caso do novo Chiado Tram Tour, a Carris teve de proceder a trabalhos de reabilitação de alguns troços e de correcção da catenária, adiantou o presidente da companhia.

 

O Chiado Tram Tour funciona todos os dias, entre as 11h e as 16h, com saídas a cada vinte minutos, precisamente o tempo que dura cada viagem. É possível apanhá-lo ou dele sair em qualquer uma das suas cinco paragens: Largo Camões, Rua da Misericórdia, Largo de São Roque, São Pedro de Alcântara e Príncipe Real. Na ligação entre estes pontos, foi possível observar na viagem inaugural, os automóveis mal estacionados continuam a revelar-se importantes obstáculos à livre circulação dos eléctricos, tal como sucede noutras linhas.

 

Na quarta-feira, e depois de se saber do início da operação do Chiado Tram Tour, foi lançado um comunicado pela Plataforma Eléctrico 24 – de que fazem parte mais de uma dezena de entidades, entre as quais a Quercus, o Fórum Cidadania LX ou a Liga dos Amigos do Jardim Botânico – intitulado “E o resto do E-24?”. Nele se desejava que o início da carreira turística “seja o primeiro passo para a reactivação da Linha 24 em toda sua extensão (Cais do Sodré-Carmo-Campolide)”.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Leonor Gomes
    Responder

    Sim senhora …. se der lucro há transporte – não dá lucro andas a pé – isto pq quem paga os sapatos és tu!!!! vais continuar a aceitar ?????

  • João Eduardo Ferreira
    Responder

    Mas eu sou um turista!

  • Maria Papoila
    Responder

    petição: «Pela reactivação do Eléctrico 24, em Lisboa.» no endereço http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT76734

  • João Paulo Ramos
    Responder

    Deveriam ser reativadas todas as linhas já! E não é para turista não.

  • Pedro Osório Graça
    Responder

    As razões invocadas para o adiamento da reabilitação do eléctrico 24 são completamente ridículas. Querem convencer-nos, portanto, que a rede de eléctricos é segregacionista: existe uma que contempla unicamente para turistas e outra que se destina apenas aos locais. Uma parte considerável dos turistas procura o “autêntico”, abominando tudo o que se pareça com atracções de parque temático. Tentar “atirar areia para os olhos” dos cidadãos, quando a realidade quotidiana comprova o contrário, em todas as linhas de eléctrico (12, 15, 18, 25 e 28), é insultuoso. A reabilitação da linha 24 seria, sem sombra de dúvida, “lucrativa”. Parece que esse é, infelizmente, o único argumento válido nos tempos do “empreendedorismo” patusco em que vivemos.

  • Rui Barradas Pereira
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Vinte anos depois, eléctrico regressa ao Príncipe Real, mas só para turista ver – http://t.co/cMNbFBLW7a

  • Transeunte
    Responder

    Não se demora 20 minutos a pé do Camões ao Príncipe Real. Devemos então concluir que vai andar a velocidade de passeio, a empatar o 758, que ainda vai servindo os indígenas?

  • Pedro Cação
    Responder

    Cheguei uma vez a viajar nessa carreira do Rato às Amoreiras.Seria tão bom se a Carris chegasse a um acordo com a Câmara em reactivar a carreira que também é histórica.Eu gostaria de fazer a viagem toda como nunca fiz.

  • Pedro Cação
    Responder

    O preço da viagem turística(do Camões ao Princípe Real)é de 6€.Mas seria tão bom se fosse mais barata.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com