Vinte anos depois da demolição do Casal Ventoso, moradores realojados não têm vontade de celebrar

REPORTAGEM
Sofia Cristino

Texto

VIDA NA CIDADE

Campo de Ourique

4 Outubro, 2018

Mais de cem estudantes universitários pintaram muros exteriores e espaços comuns dos lotes do Bairro do Loureiro, na tarde desta quarta-feira (3 de Outubro), numa iniciativa que assinalava os vinte anos do realojamento dos habitantes do antigo Casal Ventoso. Apesar da acção, promovida pela instituição de solidariedade social Projecto Alkantara, convidar à celebração, só dois moradores participaram na pintura das paredes. Os habitantes dizem sentir-se esquecidos e não estar a ser dada prioridade aos principais problemas do bairro social. Há elevadores que não funcionam há três anos, as caixas de correio estão partidas, as ruas estão muito sujas e a recolha do lixo nem sempre é feita. O responsável pelo programa Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária de Lisboa BIP-ZIP  acredita que a falta de adesão à iniciativa se deve à falta de uma relação de confiança entre moradores e pessoas externas ao bairro, mas acredita que os resultados vão aparecer.

“Estamos aqui numa cova, ninguém nos liga e, claro, as pessoas não têm vontade de pintar. Estou a participar porque estou desempregado”, diz cabisbaixo Mário Ferreira, 50 anos, morador no Bairro do Loureiro, antigo Casal Ventoso. No início da tarde desta quarta-feira (3 de Outubro), Mário era o único a participar numa acção solidária promovida pelo projecto “Casal Ventoso Sempre”, da instituição de solidariedade social Projecto Alkantara, no âmbito do programa Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária de Lisboa (BIP/ZIP) 2018/2019, da Câmara Municipal de Lisboa. Na iniciativa, 170 estudantes universitários limparam e pintaram muros exteriores e espaços comuns dos lotes do Bairro do Loureiro, sob o olhar desinteressado de alguns habitantes. A meio da tarde, surgia outro morador, antigo pintor na construção civil, mas não apareceram mais. “Há dois anos, pintei quase tudo sozinho. Acho que toda a gente devia pintar um bocadinho, nem que fosse só uma pincelada, ninguém tem gosto pelo bairro”, diz Franclin Assunção, 52 anos, que esteve presente na primeira acção de limpeza e pintura dos muros, em Novembro de 2017. “Perdeu-se o espírito de união que tínhamos, cada um vive no seu mundo”, acrescenta Mário. Comentário que se percebe ao observar a indiferença dos moradores ao que se passa à volta.

Ao longo da tarde, de vassoura e pincéis em punho, alunos da Associação de Estudantes do Instituto Superior de Agronomia, da Escola Superior de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa e da Federação Académica de Lisboa deram uma nova cor ao bairro, onde o tráfico e o consumo de drogas ainda são uma realidade presente no dia-a-dia dos moradores. A acção de limpeza assinala os vinte anos do realojamento dos habitantes do antigo Casal Ventoso e contou com a colaboração da empresa municipal Gebalis, que forneceu os materiais de pintura e as tintas, da Junta de Freguesia de Campo de Ourique e de parceiros do projecto “Casal Ventoso Sempre”, como a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e outras associações locais. Apesar da iniciativa convidar à celebração, duas décadas volvidas sobre o realojamento, os habitantes dizem sentir-se esquecidos pelos órgãos de poder local e optaram por não participar na acção, como forma de protesto.

dav

Ao contrário do pretendido, não houve comunhão entre moradores e estudantes

“Isto é um muro pintado apenas, não é nada. As caixas de correio estão partidas, os elevadores não funcionam. Às vezes, ficamos três semanas sem água, porque rebenta um cano e ninguém vem compor as canalizações. Não fizeram nada do que foi prometido, estamos pior do que estávamos lá em cima, no Casal Ventoso”, lamenta Cíntia Fernandes, 23 anos. É difícil perceber todas as queixas da moradora porque é interrompida por outros habitantes, também eles descontentes. “Isto não é o mar de rosas que andam a pintar. A mudança foi para pior, a recolha do lixo não é feita durante semanas, juntamo-nos para limpar as ruas, nunca são limpas. Não pertencemos a Campo de Ourique, somos excluídos”, queixa-se Magda Cruz, 38 anos. Tânia Baptista acompanha as queixas das vizinhas, acenando com a cabeça. E faz mais reparos. “Fecharam a piscina municipal e a escola está muito degradada. Quando arranjam os elevadores, substituem as peças por outras mais baratas e estragam-se rapidamente. Em vez de começarem pelo que é prioritário, pintam fachadas. Qual é a nossa vontade em participar?”, questiona.


 

Os moradores do antigo Casal Ventoso queixam-se ainda da falta de policiamento e da insegurança provocada pelo aparecimento de grupos ligados ao tráfico e consumo de drogas. “Ando sempre a limpar as ruas, mas vêm logo para aqui com seringas. À noite, ainda há muitos desacatos. É muito importante virem limpar, mas não é só hoje”, desabafa Irene Maria, 68 anos. Delmira Esteves, 82 anos, está há três anos sem elevador e já perdeu a esperança. “Só nos mudaram de lugar e para pior. No antigo Casal Ventoso, éramos mais unidos, estas construções também não permitem estarmos juntos, os prédios estão todos espalhados. Estamos completamente esquecidos”, desabafa. Cíntia Fernandes acusa ainda as entidades promotoras deste tipo de iniciativas de deixarem muitos projectos pelo caminho.  “Queríamos fazer um espaço de convívio e uma sala de estudo, mas nunca disponibilizaram a verba necessária”, critica.

 

 

A ideia da acção promovida pelo Alkantara é “aumentar o sentido de pertença das comunidades do local onde se vive” e recuperar o espírito de união perdido. “Alguns destes territórios estão pensados como guetos e é importante realizar estas iniciativas para que os territórios se abram ao resto da cidade. É fundamental as universidades virem aqui, para sentirem que vem outro tipo de gente ao bairro, com outras ideias”, diz José Ferreira, responsável pelo programa Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária de Lisboa (BIP/ZIP) para 2018/2019, da Câmara Municipal de Lisboa (CML). Ao início da tarde, alguns moradores espreitavam timidamente pelas janelas e outros passavam pelos estudantes, indiferentes ao que ali acontecia.

 

Ao final da tarde, foram aparecendo mais, mas não mostravam vontade em participar na iniciativa. “O ideal seria termos equipas mistas de moradores e estudantes, mas para lá caminhamos. Não é apenas com duas acções que o conseguimos fazer, tem de haver uma relação de confiança entre os moradores e os alunos”, explica José Ferreira. E há mais motivos para a fraca adesão à iniciativa que pretendia juntar moradores e estudantes. “Durante muitos anos, as pessoas achavam que a Câmara tinha o dever de limpar e acreditamos que com o BIP/ZIP esta ideia está a mudar, porque são eles a sugerir ideias e a executá-las”, adianta ainda.

 

 

Filipe Santos, do Projecto Alkantara, acredita que tem sido feito um bom trabalho no Bairro do Loureiro, dando como exemplo a pintura de nove lotes de prédios em 14, mas reconhece que ainda há muito por fazer. Diminuir o desemprego de longa duração e combater o abandono escolar são duas das prioridades do projecto “Casal Ventoso Sempre”, – que conta com um orçamento de 50 mil euros –  estando prevista a criação de uma Escola Popular Aberta (EPA) a todos (crianças, jovens e idosos), em conjunto com o projecto Fazer a Ponte – Programa Escolhas.

 

“É fundamental mudar a cara ao bairro e estamos disponíveis para avançar com as nossas ideias, se nos deixarem. Ainda há muitas entidades a não quererem investir neste tipo de projectos por preconceito. Estamos a fazer aquilo que a Câmara de Lisboa não tem capacidade para fazer, que é estar no terreno, cuidar da higiene dos idosos, ouvir as pessoas”, diz Filipe Santos. O responsável pelo Projecto Alkantara critica ainda a falta de apoio aos ex-moradores do Casal Ventoso. “Não houve um acompanhamento em áreas como a psicologia e o serviço social, faltou uma equipa multidisciplinar estruturada. Não há mudanças num ano”, afirma. Ao longo do ano, estão previstas ainda diversas iniciativas ligadas à arte urbana, entre as quais workshops dos artistas Vhils e Bordalo II, com crianças.

MAIS REPORTAGEM

COMENTÁRIOS

Comentários
  • Santos
    Responder

    O Bairro do Loureiro está a precisar de uma Guetto Summit, para passar de taxi a Uber.. Com tantos disruptores prestes a aterrar em Lisboa, pode ser que algum se engane e vá lá parar.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend