Dentro de algum tempo, será possível consultar na internet qual o vidrão ou ecoponto mais próximo da nossa casa que ainda não está cheio. Isto porque a Câmara Municipal de Lisboa (CML) tem vindo, nos últimos meses, a instalar sensores em vidrões da capital para controlar quando estes enchem. Os novos dispositivos estão a ser colocados em centena e meia de locais, no âmbito de uma operação de criação de uma nova geração de ecopontos, ou eco-ilhas, em que os contentores se encontram enterrados no solo. A utilização dos aparelhos de leitura permitirá, na primeira fase, que os serviços de limpeza consigam controlar e gerir melhor os equipamentos, designados de “contentores inteligentes”, procedendo assim ao seu mais rápido esvaziamento.

 

Depois disso, será também possível aos cidadãos verificarem na net quão cheios estão os contentores mais próximos de casa e os quais aqueles que ainda têm capacidade. Uma prática que se deverá alargar a um conjunto de ecopontos estimado em 300, por Duarte Cordeiro, vice-presidente da autarquia e vereador com os pelouros da Higiene Urbana e da Economia e Inovação, quando, em junho passado, concedeu uma entrevista ao Corvo. De acordo com o Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa 2015-2020, através do tratamento e análise da informação recolhida pelos referidos sensores, “será possível dar acesso a taxas de enchimento e estimativas de quantidades recolhidas por pessoa e, desta forma, estimular melhores práticas de separação e entrega em locais alternativos”.

 

O contrato entre a Câmara de Lisboa e a operadora de comunicações MEO, no valor de pouco mais de 25 mil euros, para o fornecimento de “150 sensores nível enchimento para vidrões, incluindo montagem e reposicionamento” havia já sido assinado em 21 de julho passado, mas apenas foi disponibilizado no portal da contratação pública na última sexta-feira, 23 de dezembro.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Dirk Scott
    Responder

    Can they just get ones which stay closed and don’t spill bottles all down the street.

  • Man Next Door
    Responder

    Vidrões de Lisboa com sensores vão avisar quando estão cheios através da internet https://t.co/sIAv7NKCje

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com