Ver Lisboa do alto da Torre Galp

PORTFÓLIO


Paula Ferreira

Fotografia

VIDA NA CIDADE

Parque das Nações

3 Outubro, 2016

“(…) Recorda a primeira vez que olhou para lá dos vidros das janelas do andar alto para onde foi morar, ainda adolescente, na zona oriental da cidade. À sua frente estendia-se o Deserto Vermelho – a chaminé maldita e a labareda gigante, o sistema de vasos comunicantes da fábrica sem paredes, os segmentos a tracejado da iluminação fluorescente, o rio ao fundo e o som dos foguetes das festas na outra banda. Desperta, pressente o presente fugaz. O cenário muda constantemente ao ritmo do pânico do progresso. Em breve, terá de pagar para ver as estrelas do alto da chaminé maldita derradeiramente transformada no mirante da Nova Cidade. (…)”

Este é um excerto de um texto autobiográfico que a fotógrafa Paula Ferreira começou a escrever em 1997, no decorrer das obras da Expo 98. A antiga torre da fábrica tem origem em 1939, com o início da produção da refinaria de Cabo Ruivo, e situa-se na actual freguesia do Parque das Nações. Durante o tempo da exposição universal, deram-lhe o nome de Porta do Mar, entrada Sul.

Passadas quase duas décadas, Paula Ferreira teve oportunidade de subir ao último patamar daquela que é agora conhecida como Torre Galp, num miradouro a 75 metros de altura do chão, e apreciar uma vista panorâmica sem pagar. A visita ao alto da estrutura aconteceu no passado sábado (1 de outubro) e foi organizada pela associação A Cidade Imaginada Parque das Nações (ACIPN). O Corvo mostra aqui o que se poder ver desde lá de cima.

MAIS PORTFÓLIOS

COMENTÁRIOS

  • Daniele Coltrinari
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Ver Lisboa do alto da Torre Galp – https://t.co/r0SFEuj7Ts

  • Responder

    Obrigado à Paula Ferreira e ao O Corvo por terem aceitado o nosso convite.

  • Carlos Maciel
    Responder

    Ver Lisboa do alto da Torre Galp https://t.co/uRuqo07b1t

  • Lurdes Patrício
    Responder

    Congratulando-me com o interesse de todos, e do Presidente da Junta de Freguesia, lembro a minha actual sugestão para ser criado o Centro Interpretativo da Torre Sul do Parque das Nações.

    • José Teles Baltazar
      Responder

      Essa do interesse do Presidente de Junta, deve ser para rir. Nenhum membro do executivo local demonstrou interesse em aceitar o convite endereçado para subir ao Miradouro. E garanto que nenhum deles conhece a Torre acima do 2º andar onde uma vez se “atreveram” a subir.

  • Ana Maria Cardoso
    Responder

    E quando a abrem ao público , é uma ideia que tenho há mto tempo, com elevador panorâmico em vidro?!

  • Responder

    Antes de 1995 deitava fumo e fogo.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend