Marcha de Campolide
Autor: Judah Benoliel
Data: 1950
Marcha da Graça
Autor: Judah Benoliel
Data: 1950
Marcha da Bica
Autor: António Castelo Branco
Data: 1952
Marcha de Santa Catarina
Autor: Judah Benoliel
Data: 1955-06
Marcha do Bairro Alto
Autor: Armando Maia Serôdio
Data: 1958
Marcha de Marvila
Autor: Armando Maia Serôdio
Data: 1963
Marcha de Carnide
Autor: Armando Maia Serôdio
Data: 1968
Marcha da Ajuda
Autor: Armando Maia Serôdio
Data: 1970
Marcha de Campo de Ourique
Autor: F. Gonçalves
Data: 1982
Apresentação das Marchas Populares no Pavilhão Atlântico
Autor: Abílio Leitão
Data: 2000-06-08

Veja como eram as marchas populares de Lisboa de outros tempos

PORTFÓLIO


Kátia Catulo

Texto

VIDA NA CIDADE

Cidade de Lisboa

12 Junho, 2018

Há quem diga que as Marchas Populares de Lisboa estão entre as tradições mais antigas da cidade. É verdade, mas só em parte. Com um percurso que, este ano, completa 86 anos, atravessaram altos e baixos e longos períodos de interrupção. Muito antes, havia pequenos desfiles dispersos, com bairristas cantando e marchando pelas ruas de Lisboa. Mas, marchas mesmo a sério, só em 1932, quando José Leitão de Barros, conhecido jornalista e cineasta, desafiou alguns ranchos a desfilarem no Capitólio como forma de dinamizar o Parque Mayer.

Alto do Pina, Bairro Alto e Campo de Ourique foram os pioneiros. Tanto êxito teve, que parecia até que a ideia ia pegar, mas entre 1935 e 1950, há um grande interregno, muito por causa da II Guerra Mundial. O entusiasmo volta na década de 1950, mas a festa é mais uma vez interrompida entre 1963 e 1970, chegando mesmo a extinguir-se, após a Revolução de Abril por as marchas estarem conotadas com o Estado Novo. Regressam finalmente à Avenida em 1980, mantendo-se firme, alegre e colorida até hoje. Neste dia em que as Marchas Populares saem outra vez a rua, percorra alguns dos seus momentos mais marcantes numa viagem pelas fotos do Arquivo Municipal de Lisboa.

MAIS PORTFÓLIOS

COMENTÁRIOS

Comentários
  • Julia Coutinho
    Responder

    Eu não sei quais foram as fontes para escreverem este artigo mas está errado, e um dos erros é nas balizas que referem como tendo estado interrompidas as marchas. Em 1967 assisti eu ao desfile das marchas populares na avenida da Liberdade!

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend