Neste fim-de-semana, como acontece todos os anos, milhares de pessoas rumarão aos cemitérios. O Dia de Todos-os-Santos é assinalado a 1 de Novembro (domingo) e o Dia de Finados a 2 de Novembro (segunda-feira). Em Lisboa, o Cemitério dos Prazeres é um lugar de especial importância, tanto pela sua dimensão como pela sua história e simbolismos diversos. Construído em 1833, na sequência de um surto de cólera, é um dos mais destacados expoentes do romantismo, cuja marca se evidencia através da arquitectura de muitos dos jazigos individuais e familiares.

 

Local prenhe de significado, pelas múltiplas leituras sociais, históricas e estéticas que permite, tem vindo a ganhar relevância nos roteiros turísticos. Situado numa das extremidades do percurso do mais famoso eléctrico de Lisboa, o 28, este ano, em Junho, o Cemitério dos Prazeres recebeu o Certificado de Excelência do sítio de viagens TripAdvisor, o mais conhecido dos que colectam avaliações de viajantes em todo o mundo. Um notável reconhecimento para o mais visitados dos cemitério da capital, administrado pela câmara municipal desde 1840.

 

As fotografias de Paula Ferreira que aqui se reproduzem foram tiradas numa tarde abafada de um domingo cinzento de Outono, duas semanas antes do Dia de Todos-os-Santos. Em fundo, sente-se o ruído perturbador do tráfego na A5 e nos acessos da Ponte 25 de Abril.

 

Fotografias: Paula Ferreira

 

 

P1000496

 

P1000483

 

P1000494

 

P1000545

 

P1000480

 

P1000579

 

P1000481

 

P1000495

 

P1000509

 

P1000558

 

P1000498

 

P1000526

 

P1000567

 

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Uma visita ao Cemitério dos Prazeres https://t.co/MZ7lhdQfqD

  • Jorge Tavares
    Responder

    Pela primeira vez, temos um candidato à presidência da república cuja prioridade está na reforma do sistema político.
    Henrique Neto foi subscritor do “manifesto pela democratização do regime”, em fins de 2013.
    Henrique Neto também foi dos poucos que denunciou os diversos actos de governação estranhos de Sócrates e do seu governo, numa altura em que quase ninguém o fazia.

    O texto ainda pode ser encontrado na internet.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com