Uma visita à Estufa Fria de Lisboa, um oásis urbano num Outono quente

PORTFÓLIO


Paula Ferreira

Fotografias

AMBIENTE

Avenidas Novas

8 Outubro, 2018

O regresso à rotina, depois do período de férias estivais, é uma inevitabilidade ditada pelo calendário. Mas o tempo meteorológico tem, nos últimos anos, dilatado a sensação de gozo do veraneio, com as temperaturas altas para a época a sugerirem que a estação termina já bem dentro do Outono. Trabalhar e estudar em tal ambiente, mais convidativo à evasão do bulício citadino, nem sempre se revelará tarefa fácil. A solução para melhor aguentar o desfasamento do ciclo das estações poderá passar por fazer uma pausa e visitar a Estufa Fria de Lisboa, oásis urbano situado no coração da capital e do qual tantas vezes nos esquecemos. Inaugurada em 1933, sob projecto do arquitecto Raúl Carapinha, num terreno onde existira uma pedreira de extracção de basalto, e situada ao lado do Parque Eduardo VII, ainda antes deste ganhar em 1942 a configuração que lhe conhecemos, oferece o recato necessário para respirar fundo, antes de voltar a enfrentar o frenesim em redor.

A Estufa Fria de Lisboa deve o nome ao facto de a maior das suas divisões, a “Estufa Fria”, com uma área de 8.100 metros quadrados, não dispor de sistema de aquecimento, estando as espécies vegetais lá existentes protegidas das variações térmicas e da intensidade da luz por um ripado de madeira. Sob ele singram espécies autóctones de lugares tão díspares como a China, a Austrália, Antilhas, Coreia, Brasil, México ou Perú. Debaixo do mesmo tecto localizam-se ainda outras duas áreas: a “Estufa Quente”, com 3.000 metros quadrados, onde se podem encontrar espécimes tropicais tão populares, como o Cafeeiro , a Mangueira ou a Bananeira . A “Estufa Doce”, a mais pequena, com 400 metros quadrados, é dedicada às cactáceas, isto é, às plantas de folhas grossas e consistência gelatinosa, como os cactos. Um bom motivo para voltar a entrar neste jardim único em Lisboa pode ser visitar a exposição “À descoberta de uma nova espécie para a ciência”, dedicada a uma espécie de musgo encontrada por cientistas portugueses em 2005 e patente até 20 de Outubro.

Estufa Fria de Lisboa
Horário de Verão: 10-19h
Horário de Inverno (a partir do últim fim-de-semana de Outubro): 9h-17h
Última entrada: 30 minutos antes do fecho
Entrada Simples: 3,10 € (Vários descontos e isenções)
Domingos e feriados, até às 14h: Gratuito

MAIS PORTFÓLIOS

COMENTÁRIOS

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend