Turistificação do centro histórico de Lisboa poderá ficar “insustentável”, avisa estudo

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

VIDA NA CIDADE

Misericórdia

Santa Maria Maior

São Vicente

É um alerta, baseado num diagnóstico das profundas alterações relacionadas com a intensificação da actividade turística e do investimento imobiliário, vividas sobretudo nos últimos cinco anos, no centro histórico de Lisboa. E vem acompanhado de muitas recomendações. Apesar de todos os benefícios relacionados com ambas as actividades, patentes na revitalização de uma área da capital há muito padecendo de perda demográfica e de profunda degradação dos imóveis, “o principal cenário tendencial mostra ser, no caso de uma relativa ausência de intervenção política, um cenário consideravelmente insustentável”. Quem o diz é o estudo encomendado, em conjunto, pelas juntas de freguesia da Misericórdia, Santa Maria Maior e São Vicente – todas elas com executivos liderados pelo PS -, cujas conclusões foram divulgadas na tarde deste sábado (20 de janeiro). É preciso agir, e rapidamente, sugere o trabalho de diagnóstico, intitulado “Novas Dinâmicas Urbanas no Centro Histórico de Lisboa”.

O estudo, elaborado por uma equipa de especialistas ao serviço da consultora Quaternaire Portugal, e coordenada por Artur Costa, faz um levantamento das radicais mudanças sentidas, nos últimos anos, no coração da cidade, reconhece-lhes os inegáveis méritos regeneradores, e até admite que as actuais dinâmicas vieram para durar. Mas lança avisos para o perigo da sobrespecialização no turismo, cujo crescimento meteórico, apesar de ser uma fonte de riqueza e dinamização económica do centro histórico, diz a pesquisa, tenderá a colocar numa posição de particular fragilidade os residentes de longa data. Associada às conhecidas alterações na legislação do arrendamento, tal dinâmica continuará, cada vez mais, a empurrar para fora do centro os tradicionais moradores daquelas zonas e as suas famílias, por regra de estratos sociais desfavorecidos. E, claro, a sua substituição por classes afluentes. Ou seja, são sintomas do que se costuma diagnosticar como gentrificação.

Mas tal não tem de ser uma inevitabilidade, avisam os autores do estudo, propondo uma maior intervenção pública, em primeiro lugar, sem esquecer o papel de todos os restantes agentes, num segundo plano. Algo descrito como “Uma Visão de Compromisso para uma Estratégia de Sustentabilidade” e explicado desta forma: “Será necessário, mesmo urgente, que as instituições políticas, bem como a sociedade em geral – os cidadãos, as instituições colectivas e os agentes do “mercado”, sejam os proprietários de imóveis ou empresas, investidores e empreendedores de todas as dimensões – procurem pontos de maior equilíbrio nas suas acções. Para tal, é necessário que assumam uma visão, conjuntamente debatida e comprometida para o futuro”. O que é que isto significa, ao certo? Os responsáveis pelo diagnóstico propõem 17 medidas, incluídas em seis “linhas de intervenção”, norteadas pela defesa de uma maior intervenção do Estado enquanto regulador do que vêem como uma disfuncionalidade do mercado.

ocorvo_22_janeiro_2018_01

O referido pacote de acções, proposto pelos investigadores, abarca medidas tão abrangentes como as seguintes: “monitorizar as dinâmicas urbanas” (incluída na primeira das linhas de intervenção, denominada “Planeamento e monitorização”); “Promover a vizinhança entre residentes antigos e novos e a cultura e valores locais junto dos visitantes” (linha de intervenção “Promoção de uma cidade diversa e multifuncional”); “melhorar a oferta de transporte colectivo” ou “reforçar os serviços de gestão urbana” (linha de intervenção “Reforço e qualificação dos serviços públicos”); elaborar operações de reabilitação urbana específicas para determinadas áreas do Centro Histórico de Lisboa e “reforçar a protecção do arrendamento de inquilinos em situação de fragilidade” (linha de intervenção “Revisão da política municipal de habitação e reabilitação urbana”); a criação de um Fundo Municipal de Reabilitação Urbana (linha de intervenção “Reforço financeiro das autoridades locais para responder às novas exigências”) ou o conferir aos municípios a capacidade de intervenção no registo de unidades de Alojamento Local (integrada no capítulo dedicado à “revisão do enquadramento jurídico do alojamento local”).

Todas estas prescrições são antecedidas por um claro diagnóstico: as mudanças ocorridas, nos últimos anos, no centro histórico de Lisboa têm, em grande medida, sido positivas para o seu rejuvenescimento, mas existem elevados riscos. “As dinâmicas em curso, se não reguladas e melhor controladas, gerarão as condições para uma futura inversão de ciclo, entrando-se numa nova fase recessiva em termos urbanos”, alertam, receosos das eventuais consequências negativas. Ou seja, a “perda, eventualmente irreversível, dos elementos que (hoje e sempre) valorizam o centro histórico: a sua identidade cultural, o seu tecido social, as suas especificidades construtivas e o seu padrão urbano e funcional”. No fundo, alertam, são essas as características que justificam a atractividade turística de Lisboa.

Admitindo como “improvável” a ocorrência de uma inversão no que qualificam como “dinâmicas disruptivas” – sobretudo através da “chegada de fluxos financeiros e residentes estrangeiros e com maior poder de compra” e a massificação do turismo -, os consultores responsáveis pelo estudo enumeram quatro riscos principais: descaracterização e perda de identidade; perda de valor a ela associada; agravamento de fenómenos de exclusão social (idosos, imigrantes, famílias de menores recursos económicos) e espacial (alguns bairros ou sectores urbanos); e ainda a perda de qualidade de vida dos residentes, resultante do ruído, da insegurança dentro dos edifícios ou da degradação do espaço público, mas também da sobrecarga dos sistemas e dos serviços e no ambiente e funcionalidade urbanos.

ocorvo_22_janeiro_2018_02

Tais sintomas poderão evidenciar-se, acaso se mantenha a actual e fulgurante trajectória, avisam os autores da investigação patrocinada pelas juntas da Misericiórdia, de Santa Maria Maior e de São Vicente. O que não tem de ser encarado como uma inevitabilidade, avisa-se. “Tal, porém, não significa aceitar que sejam as ‘forças do mercado’ e as linhas políticas anteriores a definir o futuro deste: é necessário que este cenário possa ser reconduzido para perspectivas social e economicamente mais sustentáveis”, avisam os autores do trabalho. Caberá agora aos decisores políticos reflectirem sobre tais considerações.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • António S.R. de Carvalho
    Responder

    Os efeitos da Turistificação de Lisboa
    Cada vez mais gente e menos lisboetas. Câmara entrega a gestão da habitação ao aluguer online de alojamento para férias

    ANTÓNIO SÉRGIO ROSA DE CARVALHO
    23 de Novembro de 2016, 9:45
    https://www.publico.pt/2016/11/23/local/opiniao/os-efeitos-da-turistificacao-de-lisboa-1752237

    Fernando Medina não acompanha a Imprensa internacional. Se o fizesse, ter-se-ia apercebido de uma avalanche de notícias na Imprensa local de Nova Iorque e de várias cidades Europeias sobre os efeitos perversos conjugados e interactivos da Turistificação desenfreada, da Globalização desmedida e da Gentrificaçào galopante na vida quotidiana dos habitantes locais nestas cidades.

    Um clamor profundo, uma agitação permanente de insatisfação e um desejo urgente e imperativo de mudança, de regulamentos, de fiscalização e de liderança por parte dos habitantes, ameaça traduzir-se em consequências políticas, e faz acordar os autarcas.

    Temos ouvido sobre as situações em Barcelona e Berlim e das condições impostas à AIRBNB que vão desde a proibição total na capital alemã até à imposição de um rigoroso regulamento na cidade da Catalunha.

    Numa longa luta do Municipal com a Airbnb [aluguer de alojamento para férias], Nova Iorque quer agora proibir o aluguer de alojamentos através da AIRBNB por um período inferior a 30 dias. Medida destinada a proteger a cidade dos efeitos perversos das estadias curtas / low cost do turismo barato, massificado, predador e desinteressante. Densidade intensa de ocupação do espaço físico sem interesse económico e mais valias financeiras, a não ser, para os estabelecimentos também eles “predadores” do comércio tradicional, ou seja, “comes e bebes” e “quinquilharia” pseudoturística em dezenas de lojas asiáticas e afins.

    A 6 de Outubro, o “Guardian” publicou um conjunto de três artigos sobre a interligação destes temas, tendo um deles sido dedicado à relação de Amsterdão com a AIRBNB.

    Embora Amsterdão tenha imposto um regulamento claro à Airbnb, ocupação máxima de 60 dias por ano e o máximo de quatro pessoas por edifício, os efeitos sociais de descaracterização dos bairros têm sido devastadores. O investimento especulativo junto à forte subida do preço da habitação (também no aluguer a “expats” do mundo empresarial ) está a expulsar progressivamente os habitantes locais, transformando os bairros em plataformas rotativas e contínuas de “idas e vindas” de forasteiros híper individualizados e indiferentes aos locais, e a transformar os antigos bairros em locais alienados onde ninguém se conhece e onde reina o anonimato.

  • Antonio Manuel A. Beleza
    Responder

    Tudo tem aspectos positivos e negativos,mas eu adoro ver a minha Lisboa tao cosmopolitizada…e os nossos vendedores e o pequeno comercio q estava a falir tb.Agora tiveram um balao de oxigenio.

Deixe um comentário.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend