Os tuk tuk, veículos motorizados de transporte de turistas que em pouco tempo encheram as ruas de Lisboa, deverão ver a sua circulação restrita ao centro histórico da cidade, nas zonas “com acesso condicionado e no eixo ribeirinho compreendido entre Belém e Santa Apolónia, salvo quando a sua especificidade temática justifique a circulação noutras áreas de interesse turístico”. Esta é uma das recomendações à Câmara Municipal de Lisboa feitas pela comissão da Assembleia Municipal de Lisboa (AML) que analisou o problema do aparente caos desta actividade na capital.

 

O “relatório/parecer sobre os tuk tuk em Lisboa”, redigido pela 2ª comissão permanente da AML – encarregue de assuntos de Economia, Turismo, Inovação e Internacionalização -, será discutido em plenário nesta terça-feira (23 de Fevereiro) e faz uma apreciação muito negativa do impacto da circulação desregrada dos veículos, que competem entre si para angariar clientela. Depois de auscultar diversas pessoas, a comissão conclui que existe “um problema grave na cidade, para o qual urge encontrar uma solução”. “Existe um mal-estar provocado junto dos moradores e dos outros operadores de transportes ao qual se deve dar especial atenção”, constata o parecer.

 

O documento refere que “o número de veículos tuk tuk cresceu rapidamente, nomeadamente os poluentes e ruidosos, que são a maioria, dado o preço de aquisição ser bastante mais reduzido do que os ecológicos”. “Esta situação tem gerado bastante prejuízo por parte dos moradores, nomeadamente dos bairros históricos, já fustigados com problemas de ruído, que assim se vêm ainda mais privados do direito ao descanso”, nota o relatório redigido por Carla Madeira (PS), presidente da Junta de Freguesia da Misericórdia, território onde se incluem Bairro Alto, Cais Sodré, Príncipe Real, Bica, Largo Camões ou Santa Catarina.

 

Por causa disto, a comissão da AML avança com um conjunto de nove medidas que deseja ver implementadas pela câmara. Para além da referida delimitação geográfica das áreas da cidade onde os tuk tuk podem operar, pede, antes mais, que se proceda à regulamentação desta actividade e também que se “identifique o número existente de veículos e definir o número desejável de veículos em circulação”. O parecer pede ainda um aumento da fiscalização da actividade e, sobretudo, da segurança dos passageiros.

 

Outras medidas consideradas essenciais no parecer são a criação de locais de estacionamento e paragens bem definidos; a criação de “condições mais favoráveis para os veículos não poluentes e não emissores de ruído”; a implementação de uma “moratória para que todos os veículos em circulação sejam eléctricos num futuro” ou que “o horário da actividade respeite o descanso dos lisboetas e esteja adequado a uma actividade turística que se pretende que seja essencialmente diurna, salvo os casos em que o impacto tanto ambiental como sonoro destes veículos possa ser minimizado”.

 

Texto: Samuel Alemão

  • JoJo
    Responder

    Não deixa de ser curioso
    Haver 2 pesos e 2 medidas:
    Os veículos c 15 anos não podem cicular no centro por causa da poluição, podendo muita gente em trabalho estar impedida de visitar os seus clientes!
    Os Tuk Tuk a gasolina q são extremamente poluidores (gases de escape e ruído) só devem mesmo Circular é no centro e incomodar quem cá vive e trabalha!

    Grande A. Costa e Executivo, parece q correm c os carros c + de 15 anos (tecnologia dos anos 90 e pasme-se até já deste século/milenium) apenas para deixar obsoletos tuk tuk (parados tecnologicamente no tempo dos anos 60 ou 70) a incomodar… E muito…
    Excepto este romanticismo Terceiro Mundista que apaixona a CMLisboa, a AMLisboa e os visitantes dos países mais ricos… Linda imagem postal.

  • Márcio
    Responder

    RT @tuga_news: [O Corvo] Tuk Tuk só deverão circular nas zonas históricas entre Belém e Santa Apolónia http://t.co/EjLJehDO86

  • Ana Maria Cardoso
    Responder

    Na zona da Graça e Castelo, com ruas estreitas, deviam proibir é os Táxis, que na maioria são poluentes e grandes para a largura das ruas!

    • Sofia Coelho
      Responder

      Ao menos os taxis também servem os moradores, ao contrário dos tuk tuk que só servem os turistas.

      • Ana
        Responder

        Como condutora de Tuk posso afirmar que servimos qualquer pessoa que queira usufruir dos nossos serviços!

  • Wolfgang
    Responder

    Caríssimo JoJo, estará concerteza mal informado no que concerne às regras que regulam os Tuk Tuk relativamente às emissões de escape. Antes de dizer bacoradas convinha informar-se, nada mais triste que um petulante ignorante! De qualquer forma porque os Tuk Tuk são openmind, sem ressentimentos, convidámo-lo a usufruir de um passeio de Tuk Tuk

  • Bruno H Silva
    Responder

    Não gosto dos Tuk Tuk em Lisboa. Não são da cidade. Não se enquadram nela. não têm nada a ver com ela. São uma… http://t.co/nJYSTvgIis

  • António Rodrigues
    Responder

    Tuk Tuk só deverão circular nas zonas históricas entre Belém e Santa Apolónia http://t.co/mcJwLi8YxR

  • sandra
    Responder

    Os tuk tuk funcionam de uma maneira obviamente desregrada e quem mora e convive com esta incomodativa realidade está obviamente farto!
    É vê-los aos montes em frente à Sé e estacionados ao pontapé por todo o lado, não há paciência!
    E sim, são mega poluentes e deviam ser proíbidos, tal como são os carros não residentes anteriores a 2000, porque o que é para uns é para todos e ninguém tem que levar com o parque de diversões dos turistas.

  • Luis Costa
    Responder

    Realmente não se entende nada. Ora vejamos, neste momento não há consumo nacional, são os turistas que nos visitam quem está a aguentar o comercio em Lisboa o que é que pretendem? acabar com os meios de animação da cidade? correr com os turistas? acabar com o comercio de rua, com os restaurantes e Hotéis? Deixem-se de disparates e tratem bem os turistas que são neste momento que está a salvar o barco de ir ao fundo, vejam o que cresceu o País e também Lisboa no que se refere ao turismo em Hotéis, Hostels. apartamentos para turistas etc, e o que isto representa também em outros consumos, em todas as outras actividades. Por favor não matem a galinha dos ovos de ouro pois se não houver animação nem condições para receber os turistas mais cedo do que se possa pensar a galinha vai mesmo morrer e depois será tarde de mais para chorar sobre o leite derramado. Agora que finalmente Lisboa está ao nível de Paris, Londres, Madrid, etc no que se refere ao numero de turistas numa capital europeia, não queiram voltar atrás e matar esta conquista. Já bastam as taxas sobre as dormidas em Lisboa não abusem.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com