Demorou, mas está concluída. A parte que faltava para fechar a intervenção pensada por Siza Vieira no plano de recuperação e reabilitação da zona afectada pelo incêndio do Chiado de 25 de Agosto de 1988 é inaugurada na manhã desta quarta-feira, feriado de 10 de Junho. A abertura dos muito aguardados Terraços do Carmo, que assegurarão a ligação entre a Rua Garrett e as ruínas do Carmo, através do denominado “Pátio B”, será feita por Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), pouco antes de proceder também à inauguração do Elevador de Santa Luzia – o qual garantirá a ligação entre o miolo urbano de Alfama e o miradouro de Santa Luzia.

 

Os Terraços do Carmo são agora abertos depois de terem passado por um complexo processo construtivo, que incluiu paragens nos trabalhos, iniciados em Julho de 2013, e o redesenho do projecto da autoria de Siza Vieira. Quando a obra foi lançada, previa-se que a mesma estivesse terminada no início de 2014. Mas os atrasos foram-se acumulando, sobretudo e numa primeira fase, em consequência dos achados arqueológicos entretanto ali realizados. O que ia sendo desenterrado, num trabalho que já havia sido iniciado em 2008 pelo Centro de Arqueologia de Lisboa (CAL), dependente da autarquia, começava a suscitar um interesse crescente dos arqueólogos – como O Corvo então noticiou. A relevância foi tal que obrigou a equipa de Siza a alterar o que havia projectado.

 

E se, no início do ano passado, se apontava o verão seguinte como altura para terminar os trabalhos dos Terraços do Carmo, a verdade é que eles pouco avançaram até então. A razão apontada eram os problemas financeiros do empreiteiro, a empresa Construções Europa Ar-Lindo. Em Setembro de 2014, e com a chegada das primeiras chuvadas, as coisas complicaram-se ainda mais. Os terrenos envolventes ao Convento do Carmo, onde se localiza a nova zona de espaço público, viram a sua estabilidade comprometida. Ao ponto de levar a CML a aprovar uma empreitada urgente para a “execução de trabalhos estritamente necessários e urgentes de estabilização, contenção, reforço, infra-estruturas e impermeabilização, das zonas A e B dos Terraços do Carmo e sua área envolvente”.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Terraços do Carmo: uma nova ligação entre a Rua Garrett e as ruínas do Carmo http://t.co/DU8kO6WOIh

  • Paulo Ferrero
    Responder

    Pena aquele corrimão em frente ao pórtico principal das ruínas do Carmo, que era completamente evitável e que é de um mau gosto a todos os títulos lamentável. Aliás, a intervenção nesse local era melhor a que lá estava antes… já repararam no orifício de escoamento de águas? LOL

  • José
    Responder

    Gostaria de saber, quem é que vai regar e cortar a relva, nestas duas pequenas zonas???

    Ou será que foi colocada, só para fotografia, e depois deixa-se morrer???
    MUITO IMPORTANTE.

  • José
    Responder

    A UTILIZAÇÃO DE CALÇADA, FOI UMA PESSIMA ESCOLHA E TAMBEM MUITO PERIGOSA.
    Calçada a esta altura, não sei, não??????

  • Manuela Santos
    Responder

    Terraços do Carmo: uma nova ligação entre a Rua Garrett e as ruínas do Carmo http://t.co/EomVP6wKiU

  • Hylza Lima
    Responder

    Como eu não ví ……….

  • delmira goncalves
    Responder

    Ainda nao vi nao posso comentar,mas pelo menos quem tem transporte ate Rossio e trabalha na zona do largo carmo tem vida facilitada

  • Rui Barradas Pereira
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Terraços do Carmo: uma nova ligação entre a Rua Garrett e as ruínas do Carmo – http://t.co/yXiGD13hQp

  • bebiana goncalves
    Responder

    Terraços do Carmo: uma nova ligação entre a Rua Garrett e as ruínas do Carmo http://t.co/XpgjOqa8mW

  • Pedr0
    Responder

    Parabéns! Quando se faz uma coisa bem feita devemos aplaudir!

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com