A saúde pública, o conforto e, sobretudo, a imagem de uma classe por um cartão de plástico. Os taxistas de Lisboa deverão contar, em breve, com um documento que lhes dará acesso gratuito a uma rede de instalações sanitárias públicas espalhadas pela cidade. A iniciativa, que está a ser preparada em conjunto pela Câmara Municipal de Lisboa e as duas entidades mais representativas do sector, a Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) e Federação Portuguesa do Táxi (FPT), deverá ser anunciada em breve. Será a forma encontrada para acabar com a recorrente cena de taxistas a urinarem na via pública. E, por conseguinte, eliminar também os maus cheiros e a insalubridade daí resultantes.

 

Prevê-se que o cartão, cujo uso deverá ser também estendido aos motoristas de autocarros da Carris e de outras transportadoras rodoviárias de passageiros que servem a cidade, seja dotado com uma banda magnética, como os do multibanco, permitindo aos seus usuários abrir as portas das instalações sanitárias já existentes em diversos locais. Além dessas, algumas novas poderão ser colocadas em vários pontos pelas empresas de mobiliário urbano que equipam a cidade. No essencial, e para que os condutores profissionais possam utilizar de forma universal as casas de banho públicas, a operação vai obrigar à substituição dos actuais sistemas de abertura das portas dos equipamentos já existentes por outros dotados com um leitor de cartões magnéticos.

 

Cada táxi terá direito a um cartão, que será utilizado pelo condutor que estiver de serviço. O taxista que conduzir a mesma viatura, no turno seguinte, receberá o cartão do seu colega que a utilizou antes de si. Ou seja, a utilização do cartão será pessoal, mas transmissível. A emissão do documento inicial é gratuita. Depois, será só passar o cartão e entrar nos lavabos públicos. Acaba-se assim com a necessidade de colocar moedas. Ou de pedir aos donos dos cafés e dos restaurantes para dar um jeitinho e deixarem fazer as necessidades fisiológicas nas casas de banho dos seus estabelecimentos. Terminam também as justificações para, em casos de extrema necessidade, os taxistas se aliviarem na via pública – se é que elas, por alguma perspectiva, são aceitáveis.

 

Uma prática que, admite Américo de Azevedo, delegado distrital de Lisboa da Federação Portuguesa do Táxi, “também estava a contribuir para uma certa má imagem do sector”. Mas o responsável associativo, que tem em mãos este processo, considera que não se podem imputar apenas aos taxistas as responsabilidades pelo cenário pouco edificante de eles utilizarem as paredes e recantos para urinar. “A estrutura tem que estar montada para que isto não aconteça”, afirma. “Os donos dos cafés, muitas vezes, não deixam os motoristas utilizarem as instalações sanitárias, sem fazerem consumo”, argumenta.

 

Uma situação que muitos taxistas até percebem. “Você já viu, se fosse dono de um café, o que seria ter de abrir a sua casa de banho de forma gratuita a toda a gente que ali aparecesse, sem consumir?”, questiona José Silva, 45 anos, a conduzir táxis há 11. Ele diz ao Corvo que, sempre que necessário, vai a um desses estabelecimentos ou aos lavabos públicos mais próximos. Como os do Hospital Dona Estefânia, onde, este fim-de-semana, estava à espera de clientes, à entrada. Este é um local em que existem sempre táxis e onde o cheiro a urina é também uma constante nas imediações. Muito por culpa dos profissionais do volante, por diversas vezes vistos no acto. “Faço sempre em casas de banho. Dos outros não sei, falo apenas por mim. Mas também lhe digo que essa má-fama tem muito de questionável, sobretudo desde que, no outro dia, vi um polícia a urinar contra uma parede”, diz.

 

Mas José Silva acha muito bem que se instalem novas casas de banho e se franqueie o acesso dos taxistas às existentes, claro. O mesmo pensa o colega José Lança, 65 anos de idade e “muitos” de praça. “É mais que necessário”, considera, mas avisa que “é preciso colocá-las junto das praças de táxi”. Este taxista diz, contudo, que esta medida “será fundamental para os que têm uma atitude cívica normal. Para os outros, aqueles que fazem em qualquer lado, tantos lhes faz. Vão continuar a fazer onde lhes apetece”.

 

Texto : Samuel Alemão

 

  • Maria de Morais
    Responder

    como se eles nao pudessem ir a um café, urinam na rua porque sao malcriados

  • Sónia Laima
    Responder

    Custa a acreditar que os donos dos cafés impeçam os taxistas de usar os lavabos. Mas mesmo que assim fosse a falta de civismo que é urinar na rua não tem justificação. A menos que os taxistas sofram de incontinência não se consegue ir a um sítio vai-se a outro. Coisa de Terceiro Mundo.

  • Aqui mora gente
    Responder

    No Centro Histórico são milhares de pessoas que durante toda a noite, desde 5a feira até Domingo, bebem e urinam nas ruas e nas portas dos prédios!

  • Paula
    Responder

    Parece-me mais uma oportunidade de negocio, já que vão ter que encomendar a alguém os ditos cartões … Enfim, falta de civismo dá direito a cartão e gera negócio. De facto, o que é preciso é ter ideias.

  • Maria
    Responder

    O que se devia fazer era educar esses senhores. Vi num programa na sic, um senhor condutor do eléctrico 28 afirmar que os turistas que visitam Lisboa, só se queixam dos carteiristas e dos taxistas….Porque será?

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com