Nem só copos e música, nem só setas e cerveja. Sábado, 11 de Maio, no Intendente, houve dança e fanfarra nas ruas dos Anjos e Benformoso e a criativadade entrou pelos bares adentro, com desenho erótico e pintura. Foi o Dia.I, que acabou já na madrugada de Domingo. Quem lá esteve gostou e pede mais.

 

Em frente ao Ferro Velho e ao New Times, dois bares na Rua dos Anjos, a animação foi grande durante a tarde e ao ritmo das congas e dos batuques mais de duas dezenas de pessoas dançaram o sabar, num workshop de dança africana.

 

Já antes, na Rua do Benformoso, em frente ao Bar Palma, as danças Bollywood tinham posto muita gente a dançar alegremente no workshop que Moin e Marta Silva orientaram.

 

Mais intimista era o ambiente portas adentro do Securas Bar, onde a concentração foi requisitada aos participantes no workshop de desenho erótico promovido por Nuno Saraiva, que ali levou Go Go Lolita – a modelo pin-up de olhos faiscantes que ao longo de uma hora posou para estudantes do Ar.Co e outros aventureiros da arte da ilustração.

 

Go Go Lolita é o seu nome artístico nos projectos em que participa. “Desde 2007, participo no Cais Sodré Cabaret, um projecto de festa, de burlesco e vaudeville e também no La Belle Bombshell, um workshop de pin-up studio e burlesco, que tem residência no Maxime”, contou a modelo ao Corvo.

 

dia i. intendente. 11.05.2013

A pin-up de olhos faiscantes Go Go Lolita foi o centro dos olhares no Securas Bar

 

Parece ter pouco mais de 16 anos, mas tem 25. E além desta actividade, que a envolve na reencarnação de uma pin-up dos anos 50, olhos faiscantes, lacinho no cabelo e um ar falso-cândido, Go Go Lolita dedica-se também à história das artes.

 

“Vivo quotidianamente isto. Além disso, sou historiadora de artes. Faço investigação ligada a exposições temporárias e trabalho com museus”, disse, pouco antes de iniciara sessão no Securas.

 

Chegou à Rua dos Anjos7 envergando uma camisinha aos quadrados, calções curtos e sapatilhas, mas cedo trocou essa roupa por um traje mais sexy, de rendas e transparências negras, que usou para a primeira pose com que desafiou os candidatos a ilustradores .

 

Blocos de desenho, lápis, lapiseiras e carvões saíram das mochilas dos participantes que durante 15 minutos a tentaram captar na primeira pose, sentada de lado, mão na cintura fina, perna traçada a deixar ver um imaginário cinto de liga rendado, tatuado perto da coxa.

 

Ao som do groove, sentados ao balcão do bar, ou em bancos baixos junto à parede do bar, os desenhadores apenas levantavam os olhos para mirar Go Go Lolita em palco e, em traços largos, desenhar este personagem que assim se lhes apresentava, antes de entrarem no detalhe do recorte. Porque é do recorte que vive uma pin-up e os desenhos que saíram do workshop realizado no Securas Bar.

 

Ora de pé, corpo reclinado em desafio, ora sentada sobre os joelhos, Go Go Lolita proporcionou nesta sessão diferentes imagens e a posição seguinte já foi com outro traje, bikini cai cai, com um tigre de peluche enroscado entre as pernas, ou erguido feito troféu, a envolver-lhe o pescoço.

 

Para estar neste workshop-concurso, que deu direito a prémio, os participantes desembolsaram não só papel e lápis, 15 euros era o custo anunciado. Mas a entrada nos bares era livre.

 

Lá fora, a animação prosseguiu junto ao Anjos Bar e aos outros oito que abriram portas ao Dia I, com DJs convidados e muita música pela noite fora. Fanfarra, jazz, blues e funky haveriam ainda de soar nas ruas dos Anjos e do Benformoso, com o desfile prometido pelos “Tocando e Andando”.

 

Sábado foi um dia diferente no Intendente, onde muita gente respondeu ao apelo e ao mote que os organizadores criaram: “Não Invente, Venha ao Intendente” . Uma experiência a repetir, na opinião de muitos dos que lá estiveram.

 

dia i. intendente. 11.05.2013

 

Texto: Fernanda Ribeiro     Fotografia: Carla Rosado

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com