No calendário está escrito que o equinócio da Primavera de 2016 ocorre às 4h30 de 20 de Março (domingo). Os dias vão ficando maiores e o frio esvanecendo. O mundo natural desabrocha. E os humanos acompanham-lhe o ritmo. Um dos locais de Lisboa onde podemos entregar-nos a essa simbiose é o Jardim Botânico Tropical, situado em Belém, perto do Mosteiro dos Jerónimos.

 

Surgiu como Jardim Museu Agrícola Tropical, através de decreto régio de 1906, integrado nos jardins do Palácio dos Condes de Farrôbo, como “dependência pedagógica” do Instituto Superior de Agronomia. Posteriormente passou a ser designado como Jardim Museu Colonial ou Jardim do Ultramar. Em 1914, dá-se a transferência para os terrenos da cerca do Palácio de Belém.

 

Por ocasião da Exposição do Mundo Português (1940), foi alvo de uma grande remodelação. Foram então construídos cenários de carácter efémero (o tempo da exposição) evocativos das vivências de etnias culturais que constituíam o Império Português de então – no presente, os visitantes são surpreendidos por alguns vestígios desses símbolos. Em 2008, o Jardim passou a chamar-se Jardim Botânico Tropical.

 

Apesar do interesse que suscita, actualmente a estufa grande está fechada ao público por falta de condições de segurança. A Estufa do Café ou dos cafeeiros é a única que pode ser visitada.

 

Fotografias: Paula Ferreira

 

11 828

 

6 790

 

3 895

 

7 838

 

8 766

 

 

9 779

 

 

5 656

 

18 702

 

20 854

 

1 883

 

2 888

 

10 800

 

13 759

 

14 736

 

15 848

 

4 642

 

17 871

 

16 858

 

 

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Sentir o início da Primavera com um passeio no Jardim Botânico Tropical https://t.co/0AtTlbJCQD #lisboa

  • Helena Galamba
    Responder

    Visitei o Jardim há duas semanas. Uma perfeita desilusão. Como é possível chegar a tal estado de degradação?

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com