Onde a Avenida Rio de Janeiro desemboca na dos Estados Unidos da América, as demoradas obras de repavimentação, ainda em curso, criaram uma situação no mínimo ridícula, perigosa para os peões e reveladora de pouca coordenação entre serviços municipais. O passeio foi alargado, cobrindo um desvio para os lados da Av. de Roma, mas o semáforo que regia esse troço de estrada foi deixado no mesmo sítio, havendo apenas o pudor de lhe tapar as luzes com uma placa preta. A obra que deixa ali este sinal terceiromundista faz parte do pacote de pavimentação de 150 ruas de Lisboa em que a Câmara Municipal de Lisboa vai aplicar 25 milhões de euros até 2017.

 

Texto: Francisco Neves

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Semáforo esquecido no passeio https://t.co/bmNMwX9n9r #lisboa

  • Paulo Ferrero
    Responder

    yeap.

  • Bernardo Andre Aguiar
    Responder

    requalificar lisboa ……………………………………esta a vista ………………ah ah ah ah

  • Chibazqui
    Responder

    Quando se sentirem tristes, sós e esquecidos do mundo, lembrem-se disto: https://t.co/pdwXrJEJRF

  • Paulo Ramos
    Responder

    Trabalha-se tão bem na CML

  • pedro adão e silva
    Responder

    RT @chibazqui: Quando se sentirem tristes, sós e esquecidos do mundo, lembrem-se disto: https://t.co/pdwXrJEJRF

  • Humeschandra Kaku
    Responder

    Semáforo esquecido no passeio https://t.co/SQTUnwh5e1

  • Gonçalo Correia
    Responder

    RT @chibazqui: Quando se sentirem tristes, sós e esquecidos do mundo, lembrem-se disto: https://t.co/pdwXrJEJRF

  • Nuno Raimundo
    Responder

    De repente fiquei na dúvida se estava na página d’O Corvo ou no blogue da Cidadania LX. “Sinal terceiromundista”? Não compreendo o epíteto. Pode ter a certeza, Francisco Neves, que em nenhum país do terceiro mundo se tira espaço ao automóvel para dar ao peão. Caramba, pelo menos aguarde-se até à conclusão das obras antes de se começar a criticar…

  • Val Cesar
    Responder

    infelizmente existem indivíduos que são pagos para fazer este tipo de ” trabalhos ” e se a isto chamam requalificar Lisboa!!! estamos muito mal.

  • Samuel Freire
    Responder

    O semafóro é caricato, mas o pior é que onde deviam estar plantadas árvores, neste passeio alargado e no separador central construído, nem uma sequer…. uma avenida larga como esta é, devia ter um eixo de árvores ao centro que lhe conferissem tudo aquilo que não tem: escala, conforto e beleza.

  • Manuela Goucha Soares
    Responder

    Não foi o semáforo. A obra durou meses… e ainda hoje não entendi a razão porque tiveram uma máquina insuportavelmente ruidosa a escavar para passar do estacionamento em linha para a espinha: NÂO há mais lugares de estacionamento. E ter mudado a forma de virar da Av. Rio de Janeiro para a Av EUA no sentido de quem vai para Entrecampos só vai dar mais engarrafamentos…. Um mistério o porquê da obra que deixou o semáforo a meio do passeio!

  • José
    Responder

    Não existe brio profissional.
    Algum trabalhador, devia ter informado alguém com competência.
    SÓ PENSAM EM TRABALHAR 35 HORAS SEMANAIS.
    Mais alguma hora de trabalho,são HORAS SUPLEMENTARES.
    A Camara de Lisboa, tem cantoneiros a ganhar horas afazer SABADOS, sem nunca varrer ou recolher lixo.

  • Armando Viegas Lopes Lopes
    Responder

    O pessoal que trata a sinalizacao de Lisboa, sao uns incompetentes de bradar aos ceus. Por exemplo : ao cimo da Calcada da Ajuda, junto ao celebre n. 261 onde os eletricos viram a esquerda para o cemiterio da Ajuda, nao existe ou tiraram sinalizacao de peoes, ja que existe uma passadeira em cima da curva, e quem vem de cima da rua dos marcos, nao se consegue aperceber, que existe passadeira, e nao houve ainda acidente fatal, por sorte dos envelhecidos moradores. A camara deveria tomar nota, e o mais urgente possivel. Ou sera preciso haver fatalidades para se tomar atitudes?

  • Joana Santos
    Responder

    Hugo Sousa

  • Hugo Sousa
    Responder

    Esta obra dificultou o transito de veículos em vez de facilitar visto que quem vem da 31 de Janeiro e queria virar à direita antes tinha uma via para o efeito e agora, como só há 2 vias, o transito complica porque mistura quem vira para baixo e para cima. A obra foi desenhada sem ter em atenção a vida nesta artéria penalizando os seus utilizadores e, em particular, moradores.

  • Filipe
    Responder

    E a Auto-estrada que puseram na Av. EUA??? Enquanto a Av. Rio de Janeiro tem as passadeiras elevadas, a descer as EUA para ambos os lados ( direção Gago Coutinho e Entrecampos), é uma autoestrada. É raro quem ande abaixo dos 50/60 km/h.

  • Ivan Nunes
    Responder

    RT @chibazqui: Quando se sentirem tristes, sós e esquecidos do mundo, lembrem-se disto: https://t.co/pdwXrJEJRF

  • Manuela Goucha Soares
    Responder

    Com esta obra que parece ter sido planificada por uma inteligência de outra dimensão, as Paragens de autocarro da Rio de Janeiro sumiram…… o autocarro vai parar no meio da estrada/avenida.

  • Luís Paixão Martins
    Responder

    O Corvo tem muito impacto e o semáforo já foi retirado. O trânsito esse ficou pior com a obra, mas não faz mal. https://t.co/U0HvfSHi0C

  • Luís Paixão Martins
    Responder

    O Corvo tem muito impacto e o semáforo já foi retirado. O trânsito esse ficou pior com a obra, mas não faz mal. https://t.co/7Cn47bYXIL

  • Bernardo Ribeiro
    Responder

    RT @lpmpessoal: O Corvo tem muito impacto e o semáforo já foi retirado. O trânsito esse ficou pior com a obra, mas não faz mal. https://t.…

  • César Ferreira
    Responder

    Na Av.Arantes Oliveira que dá entrada à Rotunda das Olaias,foram instalados tão desejados Semáforos à 2 meses!!! Boa,o pior é que nunca funcionaram…Quem são os incompetentes???

  • Pedro Farinha
    Responder

    E repavimentação vai haver? É que a “requalificação” associada à repavimentação não resolveu o problema do estacionamento, nem os pilaretes colocados de forma ingénua impedem o estacionamento no passeio, no entanto as obras maltrataram o pavimento que está significativamente pior. Parece-me que ficámos pior, no sentido em que “a obra” está feita e os problemas subsistem.

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com