O amarelo vivo e a forma ovalada nas extremidades dão-lhe uma aparência alegre, em claro contraste com o cinzentismo ao redor. Num canto do jardim situado junto à igreja de Arroios, mesmo em frente à esquadra da PSP, onde antes se concentravam caixotes do lixo e ecopontos, existe desde a passada quinta-feira (17 de Outubro) um conjunto de 12 cacifos para os sem-abrigo da zona poderem guardar os seus pertences. O projecto inédito, que a Associação Conversa Amiga (ACA) leva a cabo com a colaboração da Câmara Municipal de Lisboa e a empresa Cabena, que os fabricou, pretende melhorar as condições de vida desta população, oferecendo uma maior dignidade a uma existência necessariamente precária. Trata-se de uma experiência-piloto de um ano, mas os responsáveis da ACA querem vê-la alargada, em breve, ao resto da cidade.

 

Os cacifos permitem que os sem-abrigo acondicionem de forma segura os seus haveres e ainda lhes garantem uma caixa postal, onde poderão receber toda a correspodência. Não é um tecto, mas já é qualquer coisa. “Achamos que as pessoas devem ter o mínimo de dignidade. Não as vai tirar de uma situação já de si má, mas vai ajudá-las bastante”, explica Duarte Paiva, 32 anos, coordenador do projecto e presidente da direcção da ACA, que idealizou os cacifos após ter constatado que quem vive na rua não tinha qualquer local onde guardar os seus bens – deixando-os à mercê da meteorologia, do risco de roubo ou de uma qualquer acção mais abrangente dos serviços municipais de limpeza. Tal condição impossibilita também que muitos deles se possam deslocar com maior liberdade, dada a preocupação em manter os seus parcos objectos.

 

Muitos sem-abrigo explicaram a Duarte Paiva, que é arquitecto de formação, como encontravam uma maneira de lidar com o problema recorrendo aos cacifos de alguns supermercados. Mas as limitações colocadas pela necessidade de ter moedas para os usar e pelos próprios horários dos espaços comerciais tornam-na numa solução precária. Daí que a Duarte lhe tenha ocorrido conceber cacifos para uso exclusivo destes cidadãos sem habitação – e que ele e os membros da ACA acompanham, desde a sua fundação, em 2006. Não podiam ser uns cacifos quaisquer, teriam que poder responder a certas necessidades. Fazendo uso das suas capacidades profissionais, o responsável associativo desenhou os cacifos matálicos, apresentou o projecto à CML e procurou empresas que os fabricassem.

 

Além de serem resistentes e amplos, possibilitando aos sem-abrigo lá guardarem os pertences sem preocupações, até porque existe uma esquadra de polícia em frente, servem também como caixas de correio individuais dos usuários. O que, além de serem uma mais-valia para cada um deles, permitem à ACA ter um instrumento de ajuda no acompanhamento destas pessoas. “Assim, se quisermos falar com eles, saberemos onde os poderemos encontrar e contactá-los”, explica Duarte. A essas vantagens individuais, suficientes para um aumento da dignidade e da auto-estima dos sem-abrigo – e assim poderem iniciar o desejável caminho de abandono da vida nas ruas -, os cacifos trazem consigo a possibilidade de ajudar a autarquia a manter a via pública mais arrumada.

 

A experiência com a dúzia de arrumos individuais de Arroios deverá durar um ano, mas Duarte tem esperança que, “dentro de seis meses”, os expectáveis resultados positivos sejam tão evidentes que o sistema possa ser estendido a outras áreas da cidade. Até porque são reclamados por muita gente – “há cerca de três semanas, os sem-abrigo que estavam na Gare do Oriente ficaram sem nada, depois de uma operação de limpeza”, diz. Para terem direito a um cacifo, os indivíduos têm de cumprir quatro requisitos: serem sem-abrigo; estarem numa zona de abrangência de mil metros à volta do cacifo; serem acompanhados por equipas de rua da ACA; e aceitar os deveres de manutenção e limpeza das caixas e da envolvente.

 

Texto e fotografia: Samuel Alemão

  • Paula Andorinha
    Responder

    Só é pena que ninguém faça nada pela dignidade de quem trabalha e vive nesta freguesia, que está imunda

  • Tiago Freire
    Responder

    uma bela iniciativa

  • Vespinha
    Responder

    Não havendo abrigo a sério para lhes dar, é uma bela ideia.

  • Cecília Santos
    Responder

    Será que é de cacifos ‘amplos e arejados’ que um sem abrigo necessita ou não ser+a pr acaso uma casa condigna onde possa guardar o que lhe pertençe , descansar, fazer a sua alimentação e estar no meio da comunidade para a pouco e pouco ir restabelecendo e tranquilizar a sua vida. Na realidade o que é que UM CACIFO proporciona a um sem abrigo? Abrigo para os seus pertences? Que piada…de mau gosto!

    • Vasco Santos
      Responder

      Cara Cecília, claramente não conhece a realidade destas pessoas, e certamente vive numa realidade paralela. Em primeiro lugar não há qualquer forma de de oferecer uma casa a cada sem-abrigo. E por último, muitos dos sem-abrigo moram na rua por opção sua, seja ela qual for, e recusam o convite para viver num abrigo ou numa comunidade.

    • Márcia
      Responder

      para responder ao seu comentario e de antemão saiba que respeito a sua opiniao tenho-lhe a dizer que se deveria informar melhor sobre a realidade dos sem-abrigo… dizer que os esforços das pessoas que tentam melhorar como podem a sua existencia e sobrevivencia é uma piada de mau gosto é no minimo irrealista e na minha opiniao injusto…. fica a pergunta retórica… faz voçê melhor?

  • Miguel José
    Responder

    Sra.D. Cecilia,

    Dar casa pura e simplemente não é a solução. Dar-lhe cana para pescar e fácil acesso a casa parece-me mais digno. Para que como todos nós tenham algo para conquistar e não simplemente “apenas receber”. Não entenda mal o sentido desta afirmação. Obrigado.

  • Paulo J. Pinto
    Responder

    Vocês não conhecem a Igreja de Arroios, mas tenho lá os meus filhotes quer na catequese, quer nos Escuteiros. Há por lá uma pequena multidão de sem abrigo que vem á sopa (refeição) dada pela paróquia. São muito ordeiros e pacatos. Lá pedem esmola na porta da igreja, mas não incomodam nem importunam ninguém. São apenas mendigos, e não sub-humanos que provocam pancadaria, roubem os bens alheios, etc.
    Acho que vai ser bom, para estas pessoas terem algo seu, como um pequeno cacifo, porque acho que isso lhes vai dar alento para mudarem de vida. Como é muito raro alguém fazer alguma coisa com os nossos euros que mereça a nossa aprovação, aqui fica o meu aplauso

  • carla trindade
    Responder

    Primeiro acho engraçado haver pessoas que acham estas medidas inferiores e que elas por terem trabalho e casa e descontos devem ter prioridade nas mudanças de uma região.
    Segundo isto não dá dignidade. É quase como a gozar com as pessoas. Então não há casa para eles mas há casa para os pertences? Então com tanta habitação vazia vão-me dizer que não há casas para os sem abrigo?

  • Carlos Scarllaty
    Responder

    Muito digno e muito interessante projecto, (muito importante, para o pouco que ‘eles’ possuem, mas que é DELES), e já é muito bom! – Mas é preciso fazer mais…, e por toda a cidade.

  • Deltina Ramos
    Responder

    Pois é mais importante guardarem as coisas do que terem casa. Ideia brilhante já agora faziam-nos um bocadinho maiores e dava para dormirem.

  • Antonio
    Responder

    Falta de ideia se metessem isso horizontalmente dava para eles dormirem com a morada aqui dorme o mendigo 353 com uma caixa de correio por cima. Dão mais valor ao que os mendigos tem do que a pessoa

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com