É oficial, a proibição de utilização dos populares selfie sticks começou agora também a ser aplicada em espaços museológicos portugueses. Quem, nos próximos dias 25, 26 e 27 de Setembro, tiver a sorte de conseguir lugar nas filas para visitar as sempre muito requisitadas Galerias Romanas, localizadas sob a Rua da Prata, terá de deixar cá fora os famosos “paus de selfie”. Os bastões metálicos extensíveis, utilizados para acoplar smartphones e máquinas fotográficas e assim permitir aos seus utilizadores tirarem fotografias a si mesmos, estão na lista de coisas que não podem ali entrar, elencadas pelo Museu de Lisboa, entidade municipal responsável pelo acesso às galerias.

 

O Museu de Lisboa torna assim público o seu veto a este gadget – considerado uma das melhores invenções de 2014 pela revista norte-americana Time, mas também já parte da lista dos ódios de estimação de um grande número de pessoas -, juntando-se assim a um crescente número de instituições congéneres um pouco por todo o mundo. Ao longo deste ano, muitos museus e monumentos em vários quadrantes, sobretudo na Europa e nas Américas, têm-se sucedido no anúncio da proibição do uso ou entrada nas suas instalações com esta peça. A preocupação com a segurança, quer dos espaços visitados quer dos seus utentes, assim o tem determinado.

 

Galerias Ufizi, em Florença, MoMa e Metropolitan Museum, em Nova Iorque, Coliseu de Roma, Museu Thyssen-Bornemisza, em Madrid, National Gallery, em Londres, ou a Cidade Proibida, na Pequim, são os mais conhecidos de uma lista a aumentar. Também os vários parques de diversões da Disney em vários continentes, bem como diversos festivais de música nos Estados Unidos da América (Lollapalooza e Coachella) adoptaram tal proibição. Uma prática igualmente seguida por cá, durante as últimas edições dos festivais Nos Alive e Super Bock Super Rock, ambos realizados em Julho passado – tal proibição foi, de resto, a primeira a ser tornada pública no nosso país.

 

IMG_2986

 

“O Museu de Lisboa reserva-se o direito de admissão, caso surjam situações que possam pôr em causa a segurança dos visitantes ou dos seus colaboradores”, avisa o Museu de Lisboa numa nota em que dá conta da abertura – iniciada na passada segunda-feira (14 de Setembro) – das obrigatórias inscrições prévias (possíveis através do telefone 21 817 25 05 e do email museudelisboa@cm-lisboa.pt) para a realização das visitas às Galerias Romanas. Nestas visitas, que acontecem duas vezes por ano e são sempre muito procuradas, há um limite máximo de dez pessoas por cada grupo.

 

Texto: Samuel Alemão

 

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com