Rua Morais Soares e Avenida General Roçadas vão ser “amigas do peão”

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

Carla Rosado

Fotografia

MOBILIDADE

Penha de França

29 Março, 2016




Constituirá uma revolução no espaço público e, por causa disso, também na forma como os peões serão tratados. A Rua Morais Soares e a Avenida General Roçadas, na freguesia da Penha de França, serão sujeitas a uma profunda reformulação, orçada em dois milhões de euros e que lhes conferirá o estatuto de “Ruas Amigas do Peão”. As obras, cuja responsabilidade está a cargo do Pelouro dos Direitos Sociais da Câmara Municipal de Lisboa (CML), deverão iniciar-se em ambos os arruamentos no segundo semestre deste ano, garantiu ao Corvo a presidente da Junta de Freguesia da Penha de França, Sofia Oliveira Dias (PS).

Para a Rua Morais Soares, artéria de grande actividade comercial mas com passeios muito estreitos, a junta de freguesia apresentou um conjunto de recomendações à equipa projectista, que fará a apresentação da sua proposta de intervenção até ao final de Maio. E elas passam por: não haver perda de lugares de estacionamento e melhorar a zona de cargas/descargas; a criação de áreas de circulação eficientes nas zonas de paragem dos transportes colectivos; a criação de condições para a instalação de esplanadas; criação de zonas de estadia/descanso ao longo do percurso e ainda a remoção de obstáculos e elementos obsoletos.

Já para a Avenida General Roçadas, cujo projecto de intervenção será entregue até ao final de Abril, a autarquia liderada por Sofia Oliveira Dias propôs a “introdução de medidas de acalmia de tráfego para por cobro aos múltiplos atropelamentos”. Além disso, indicou também a necessidade de criação de condições para a instalação de esplanadas; o disciplinar do estacionamento e criação de mais lugares; a melhoria da circulação pedonal e do interface nos pontos de paragem de transportes colectivos e também o impedir o estacionamento em segunda fila.

Os projectos de execução de ambas as intervenções estão a cargo do mesmo ateliê, cujos responsáveis muito recentemente estiveram no local a fazer o estudo prévio das diversas situações a corrigir. “Optou-se por uma intervenção global e não por intervenções pontuais”, explica a presidente da junta, garantindo que, “adicionalmente, pretende-se tornar a Quinta do Lavrado um quarteirão totalmente acessível, bem como a envolvente do Museu do Azulejo, na Rua da Madre de Deus”. O conjunto destas intervenções tornará assim mais fácil e segura a circulação dos peões no espaço público.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • Miguel Fonseca
    Responder

    Isso, só no dia em que exterminarem o “Cantinho do Táxi”, na praça Paiva Couceiro.
    Os taxistas mais bebedolas de Lisboa inteira, é lá que param!

    • Reinaldo Queiroz
      Responder

      Ahahaha é mesmo. Estudei no Largo do Leão e os cabrões dos Taxistas todos bêbados ao serviço do proximo

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Rua Morais Soares e Avenida General Roçadas vão ser “amigas do peão” https://t.co/YXl7pBC5Ph #lisboa

  • Luis Miguel N. Filipe
    Responder

    Bem precisam!! Estou muito curioso para ver qual a solução apresentada para a Morais Soares!

  • Joana Bénard
    Responder

    Uma boa notícia!

  • Júlio Luta
    Responder

    Estou muito curioso em relação ao que irá ser proposto. Isto porque me parece que foi pedido demais. Se não querem perder qualquer lugar de estacionamento, para ganhar tudo o resto só perdendo até duas faixas de trânsito automóvel, uma em cada sentido. Que apesar de ser algo que teoricamente eu gostaria, na prática parece-me muito complicado. Sempre que um autocarro parasse, e muitas vezes param dois e três ao mesmo tempo nas paragens, o trânsito bloquearia automaticamente numa artéria importante e sem alternativas próximas. (se as condições fossem diferentes com menos carreiras e menos autocarros a parar ao mesmo tempo seria simples colocando o espaço para parar entre a faixa de trânsito e o passeio – nos lugares de estacionamentos) E isto sem pensar nos problemas de quando os carros precisarem de virar à direita. Penso que será muito difícil criar uma solução para isto tudo sem pensar numa forma mais alargada com medidas para desviar parte do tráfego automóvel, que é partida é igualmente muito difícil devido à falta de alternativas próximas. E depois de alargarem o passeio vão querer criar mais esplanadas, ora quem conhece a rua pode ver que, nos sítios onde o passeio é já mais largo e devido a isso os cafés colocam já as suas esplanadas, não há mais espaço para o peão.

    • SP
      Responder

      Deviam era de estar atentos aos estacionamentos em 2ª fila, que todos os dias acontecem, ao pé da Escola primária do Largo do Leão, ao pé da Escola do Sagrado Coração de Maria e ao longo de toda a Morais Soares.

      No Largo do Leão cortaram as arvores e agora deixaram tudo ao abandono.

  • Ana Sargento
    Responder

    Marisa Escaleira

  • Helena Galamba
    Responder

    Cada vez é mais complicado andar na Morais Soares. Muita gente, passeios estreitos, muitos encontrões.

    • rosa
      Responder

      passeios estreitos para permitir que 2 ou 3 carros possam estacionar, enquanto centenas de pessoas andam aos encontrões todos os dias…

      • Daniel
        Responder

        O grande problema dos passeios da Morais Soares nem é o serem estreitos, é muitas vezes irem duas pessoas lado a lado a verem o dia passar, e quem não queira ter de esperar que essas pessoas acabem de ver o dia passar têm de ser indelicados ou passar na estrada. E já não seria a primeira vez que venho em sentido contrário a um casal que vem a ver o dia a passar, lado a lado como é óbvio!, e tenho de saltar para a estrada para passar pois civismo é coisa que não abunda.

  • Pedro
    Responder
  • Man Next Door
    Responder

    Rua Morais Soares e Avenida General Roçadas vão ser “amigas do peão” https://t.co/RBNw3rdd1p

  • Sérgio Mangas
    Responder

    Parabéns à CML pela cara nova que está a dar à cidade!

  • Vanda Santos
    Responder

    Para melhor muda-se sempre, já dizia a minha avó!
    Tenho pena que não se tenham lembrado duma zona mais envelhecida da freguesia, entendo que não tenha tanto interesse, até porque o pouco comércio que existia acabou por fechar! Mas devo lembrar que a Quinta das Comendadeiras está ao abandono, as ruas que dão acesso à Escola Patrício Prazeres, o chão está a abater e não é de agora já fiz uma participação num site de nome “A minha Rua” à um ano atrás e até hoje ninguém fez nada! É pena, até porque se um dia acontecer algum acidente, todos vamos ficar muito tristes! Não me quero alongar muito, mas não posso deixar de falar na zona lateral à escola, continua a ser utilizada como deposito de lixo, e as ratazanas convivem lado a lado com alunos, professores e moradores!
    Há coisas que todos vêem, mas que a poucos importa, e isso sim eu tenho pena!!!

  • Ricardo Conceição
    Responder

    Mais útil seria acabar com o estacionamento em 2ª fila (em especial na Morais Soares).

  • seven
    Responder

    Sem alternativas de estacionamento, o estacionamento continuará caótico e o espaço ocupado com carros. Porque não um parque subterrâneo na Paiva Couceiro?

  • carlos fernandes
    Responder

    Dois milhões de euros.ah ah ah… só gostava de saber quem é que vai meter alguns milhares ao bolso… se for do tipo depois de estar tudo feito é que se lembram ah pah falta passar os tubos do gas…. vai toca a fazer um buraco e dps faz se um remendo… ou então é o que eu mais gosto é quando se fazem as marcações das passadeiras e etc por cima dos buracos… ah ah ah demais…. trabalhos de MERDA etc etc etc…

  • Paulo Soares
    Responder

    Não entendo o âmbito deste projecto. Isto não deveria estar inserido no projecto uma praça em cada bairro? http://www.cm-lisboa.pt/viver/urbanismo/espaco-publico/uma-praca-em-cada-bairro/praca-do-chile

  • rosa felix
    Responder

    A Sra Presidente Sofia Dias devia perceber que não tem problema nenhum em remover lugares de estacionamento automóvel, pelo contrário! O peão agradece.
    Não faz sentido a intervenção na Rua Morais Soares sem remover os 8 lugares de estacionamento entre a Rua Cavaleiro de Oliveira e a Rua Francisco Sanches, e os estacionamentos entre a Herois de Quionga e a Cç Poço dos Mouros. Os peões aí precisam de ser urgentemente alargados. São centenas e centenas de pessoas que descem e sobem a Morais Soares por esse passeio (talvez até por ter sombra no Verão), e andam constantemente aos encontrões. Já para não falar da dificuldade que é fazer essa rua a pé com um carrinho de bebé…
    Transformar uma das 2 vias em corredor bus também faria todo o sentido. O 742, por exemplo, demora sempre mais de 10 minutos a descer a Morais Soares entre a Paiva Couceiro e o Chile, o que é inadmissível! São 5 carreiras de autocarro que ali passam, e estão constantemente a perder tempo por causa automóveis estacionados em segunda fila e semáforos mal programados. Resolvia-se 2 problemas de uma só vez: eliminar estacionamento em segunda fila e diminuir o tempo de circulação das carreiras de autocarro.
    É uma pena uma Rua com tanto movimento como esta ser constantemente esquecida. E agora que é lembrada, é uma pena que o plano não seja mais ambicioso…

  • Filipe Barbosa
    Responder

    Só espero que não se lembrem de fazer nestas duas arterias a mesma m-r-a que fizeram na Av. Coronel Eduardo Galhardo
    Pelo que li da noticia parece que é o mais provavel

    • Daniel
      Responder

      A Eduardo Galhardo não tinha (e continua a não ter) trânsito qualquer de relevo, no entanto aquela zona tinha bastante falta de lugares de estacionamento. Suspeito que as únicas pessoas a quem tal alteração incomodou foi a moradores com garagens (mais concretamente as que ficam do lado da PSP) pois a entrada e saída das garagens tornou-se um pouco mais complicada, agora não podem entrar ou sair como se as duas faixas que haviam fossem todas deles. E digo isto como morador (a morada pode ser Francisco Pedro Curado, mas a garagem fica para a Eduardo Galhardo).

      Posto isto, não me parece que seja o caso pois ao contrário da Eduardo Galhardo há trânsito na Morais Soares e na General Roçadas.

  • Pedro
    Responder

    curioso para saber como querem melhorar as condicoes sem mexerem no espaço para popós.

    mas tendo em conta que todos os dias as faixas da direita estao bloqueadas com carros em 2a fila, o mais facil seria admitir que essa faixa não é util para a circulação(nem mesmo para faixa Bus ja que tambem estaria sempre com carros mal parados) e remove-la, passando para apenas 1 faixa em cada sentido + estacionamento, duplicando o tamanho dos passeios.

    • Paulo Soares
      Responder

      E se existisse um acidente, Como fariam? E quando um autocarro parasse? Para a mim a solução seria, alargar passeios, tirar toda a sinalização do passeio, criar impedimento para não estacionarem em cima do passeio ou segunda fila, programar de outra forma os semáforos , manter as duas faixas mas mais estreitas para os passeios poderem alargar, criar paragens de autocarro que não bloqueiem a passagem, e criar várias zonas de paragem temporária… Se quiséssemos ser futuristas, zonas com sensor, que contariam o tempo de estacionamento, e caso o tempo máximo previsto fosse excedido, tirava uma foto ao carro e passava multa, à semelhança dos radares.

  • Madalena
    Responder

    Isto é tudo muito bonito mas e para quando um elevador na Calçada Poço dos Mouros? Ou mesmo umas escadas rolantes, como as que existem em Portugalete, perto de Bilbao?

  • Ricardo Martins
    Responder

    A parte dos passeios muitos estreitos na Rua Morais Soares é piada ou o homem não conhece a Rua? Aí vêm mais obras completamente desnecessárias em Lisboa, provavelmente com cortes de circulação de autocarros e tudo a que há direito. Será que ainda vão fechar a estação de metro de Arroios como tenho ouvido, com base na mentira da incapacidade de ter mais carruagens que tinha antes do corte patético para 3 carruagens? A Rua Morais Soares só precisa de uma coisa: civismo dos automobilistas que estacionam ou param o carro em segunda fila perto de paragens de autocarro, obrigando pessoas com dificuldades a subir e descer no meio da rua para que alguns idiotas vão ao cafézinho porque não podem estacionar e andar uns metros…E já agora a policia fazer o seu trabalho e não o permitir. Já agora, serão obras como o arranjo da estrada na Calçada de Poço dos Mouros em que depois de finalmente porem o alcatrão voltaram a abrir para mudar os canos, em vez de fazerem tudo de uma vez?

  • Joao
    Responder

    Bom… o meu primeiro impulso é dizer fantástico!!! Venham lá essas boas ideias para alegrar esses dois locais que no dia-a-dia é o caos!!! Estacionamento não se vê….pessoas aos magotes… e pouco policiamento!!! Querem avançar para este projeto sem despesismo? Ok, avancemos a favor dos moradores, mas por favor não se esqueçam de algo que já se pensou há anos atrás e foi logo esquecido não pelo conteúdo mas pela forma – A CRIAÇÂO DE UM PARQUE DE ESTACIONAMENTO SUBTERRANEO (ajudava mesmo, acreditem!!! Um Abraço do tamanho da Frequesia

  • jose baptista
    Responder

    precisava era de por fim ao estacionamento em 2 fila nos 2 sentidos !
    é uma vergonha ! em cima das paragens de autocarro, das esquinas, das passadeiras, tudo vale !
    no sentido descendente os senhores do talho 29, deixam 2/3/4 carros em qualquer lugar – em cima do passeio, em cima da paragem de autocarro, e por aí abaixo é de 20 em 20 metros !
    no sentido ascendente a vergonha ainda é maior – dá para estacionar em tudo o que é espaço ! muitas vezes os autocarros param em 3 fila para receber os passageiros !
    diariamente os “senhores” para irem comprar frango à primavera o carro fica 5/10 minutos em 2 fila !
    para irem para os cafés, até se dão ao “luxo” de desligarem o carro, e pronto!
    não há quem ponha cobro a isto !

    • Ricardo Martins
      Responder

      Acima de tudo falta de civismo, depois é a policia que não quer fazer o seu trabalho…Já vi numa operação stop de madrugada alguém estacionar em cima do passeio, perguntar ao policia se podia e o policia dizer que sim.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend