A construção da ligação entre o Chiado e o Largo do Carmo desenterrou uma série de ossadas e artefactos acumulados ao longo de sete séculos. As escavações deixaram ainda a descoberto, pela primeira vez desde a sua construção, as fundações do Convento do Carmo. Imaculadas e com as marcas originais dos canteiros medievais que as trabalharam.

 

Texto e entrevista: Samuel Alemão       Vídeo: Sandra Isabel Oliveira

 

As escavações arqueológicas junto ao Convento do Carmo, relacionadas com a última parte do projecto de Siza Vieira para o Chiado, denominada de Pátio B, têm-se revelado uma caixa de surpresas. Iniciada em Julho do ano passado, a última fase dos trabalhos arqueológicos – começados em 2008, pelo Centro de Arqueologia de Lisboa (CAL), ligado à câmara municipal – destapou coisas nunca vistas desde a Idade Média. É o caso das fundações do templo, cuja construção data de 1389. Trata-se, sem dúvida, de um tesouro no coração da cidade. De tal forma que, como O Corvo noticiou há cerca de um mês, o projecto do arquitecto portuense para esta nova ligação entre o Chiado e o Largo do Carmo, também designada como Terraços do Carmo, teve de ser reajustado.

Para além de desenterrar diversos corpos e uma parte da cabeceira da igreja que esteve debaixo da terra desde a sua edificação – deixando à vista toda uma faixa de pedra de uma alvura impressionante e na qual são visíveis, quase imaculadas, as originais marcas dos canteiros que a trabalharam -, a escavação trouxe ao de cima uma série de outros achados. De antes e de depois do terramoto de 1755. Referentes a um arco temporal compreendido entre os séculos XIV e XX, foram ali encontrados moedas, cerâmicas, vidros, metais, faunas e artefactos em madeira, entre outros. Todos eles estão agora a ser avaliados e catalogados nos laboratórios do CAL – que desenvolve o trabalho de campo em parceria com a empresa Neoépica.

Mas o que deverá surpreender os visitantes da futura passagem pedonal e parte do espaço público, quando for esta inaugurada – ainda não existe data, depois do atraso provocado pela chuva dos últimos meses -, será algo que, paradoxalmente, sempre esteve a descoberto. A vertente setenterional da cabeceira desta igreja gótica, apreciada a partir dos terrenos onde antes existiam uns desqualificados anexos ao quartel da Guarda Nacional Republicana, num patamar sobranceiro à Rua do Carmo, ganha uma majestada nunca antes vista. Quando ali se está, espanta nunca antes nos termos apercebido da real monumentalidade do convento. Sensação reforçada pelo desenterramento da base – cuja qualidade impressionou tanto os arqueólogos como a equipa de Siza Vieira. Revelar-se-á uma nova e bela faceta de Lisboa.

Mas outras coisas serão motivo de curiosidade. Na vertente sul da igreja, junto ao passadiço metálico que hoje garante a ligação entre o Largo do Carmo e o topo do Elevador de Santa Justa, foi posta a descoberto a ruína de uma capela. O que veio atrapalhar um pouco o plano inicial de Siza Vieira de rebaixar à cota da rua o pavimento em redor das ruínas com o objectivo, precisamente, de substituir o referido acesso artificial. A descoberta veio, por isso, motivar as alterações agora em preparação. Mudança de planos que acaba por aumentar a expectativa sobre aquele que será o aspecto final de um lugar com imensa importância histórica.

O Corvo ouviu no local as explicações dos arqueólogos Raquel Santos, da empresa Neoépica, e António Marques, do CAL, sobre o que tem sido descoberto em redor do Convento do Carmo. E mostra pela primeira vez algumas das coisas que estiveram séculos sob a terra.

* Se não conseguir visualizar o vídeo nas melhores condições, veja-o aqui.

 

Comentários
  • Rosa Ramos
    Responder

    Muito interessante

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com