Residentes da Sé e do Castelo pedem medidas concretas para que eléctrico 28 não seja apenas um “entretenimento turístico”

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

MOBILIDADE

Santa Maria Maior

31 Julho, 2018

Nada têm contra os turistas, garantem, mas pedem acções urgentes para que o eléctrico 28 não seja por eles tomado quase em exclusivo. Tem de haver lugar para todos, residentes e visitantes da cidade, mas em condições, para que a icónica linha continue a ser vista como um transporte público e não apenas como um “entretenimento turístico”. Um grupo de residentes da zonas da Sé, Castelo e Rua da Madalena lançou, por isso, uma petição apelando tanto à Carris, como à câmara e à assembleia municipal de Lisboa, para que tomem medidas “para um eléctrico 28 mais digno e mais fiável, servindo melhor residentes e visitantes”.

Entre elas conta-se o aumento do número das unidades em circulação, a entrada ao serviço de mini-autocarros que, de forma alternada, possam complementar a oferta dos eléctricos ou ainda o fim da possibilidade de se comprar bilhete a bordo, para que se evitem as grandes demoras causadas pelos utentes de circunstância. Tudo em nome de um serviço mais eficaz. “As condições em que o 28 está a funcionar são, bastantes vezes, muito pouco edificantes. Há pessoas que o utilizam, todos os dias, para ir trabalhar ou levar os filhos à escola e se deparam com um stress diário, porque nunca sabem com o que contar”, diz a o Corvo uma das promotoras da recolha de assinaturas, Inês Horta Pinto, para quem são evidentes as carências da oferta de transporte público naquela zona da capital.

A moradora da Rua da Madalena assegura que “é rara a vez em que não há atrasos” naquela linha, porque algum carro está a bloquear a passagem do eléctrico ou, então, nem nele se consegue entrar, devido à sobrelotação com que chega à paragem. É certo que existe o autocarro 737 – que assegura a ligação entre o Castelo e a Praça da Figueira – , mas o mesmo assume-se como uma oferta curta para a demanda dos moradores e trabalhadores daquela área. Fartos da incapacidade da Carris em dar resposta às suas queixas, os residentes redigiram um texto no qual expõem os seus problemas com o 28 e, em Março passado, enviaram-no não só à transportadora mas também à câmara e à assembleia. A Carris não terá respondido, o mesmo sucedendo com o vereador da Mobilidade, Miguel Gaspar. A Assembleia Municipal de Lisboa tê-los-á, então, aconselhado a promover uma petição recolhendo o mínimo de 250 assinaturas, para levar à discussão em plenário.


img_3643

Utilizar o 28 como mero transporte público é cada vez mais difícil

Ela aí está. “O elétrico 28 percorre um eixo para o qual não existem alternativas de transporte público. Não é apenas uma atração turística: é um meio de transporte fundamental para inúmeras pessoas que residem, trabalham e/ou frequentam o ensino ao longo desse extenso eixo”, diz o texto do abaixo-assinado. Nele se assume o que “é um privilégio poder subir e descer as colinas da cidade neste meio de transporte encantador”, para, logo de seguida, se salientar o contraste com as reais condições de utilização do mesmo, tanto por parte dos moradores como dos visitantes. “No entanto, essa experiência revela-se, na prática, desconfortável, pouco fiável, demorada e insegura, quebrando o encanto e tornando a dependência desta linha num problema diário”, critica-se, antes de serem enumerados os motivos para tal quadro.

 

Entre eles, dizem os autores da petição, conta-se, antes de mais, “o enorme afluxo de turistas, que procuram esta linha em detrimento das linhas turísticas, por ser mais barata e por ser percepcionada e divulgada como mais ‘autêntica’ do que as outras”. E essa realidade tem reflexos noutros aspectos que, em conjunto, transformam a experiência de utilização daquela linha em algo penoso. São referidos não apenas o facto de a grande maioria dos turistas comprarem bilhetes a bordo – “‘entupindo’ o acesso, dificultando a entrada dos demais passageiros e tornando cada paragem muito demorada, devido aos pagamentos, perguntas e trocos” -, mas também as “as filas intermináveis que se formam nas paragens iniciais, fazendo com que o eléctrico inicie o trajecto já apinhado de passageiros”. Por último, e com o dedo mais apontado aos residentes, são denunciados os carros parados ou estacionados sobre os carris ao longo do percurso.

 

A acumulação desses factores tem como consequência, queixam-se os moradores , um quadro de problemas que torna a utilização do 28 uma dor de cabeça: total infiabilidade de horários e de tempos de espera; “condições de viagem que chegam a ser degradantes” – com “passageiros apertadíssimos; idosos sem alternativa de deslocação que viajam em condições de desconforto; crianças pequenas que não conseguem lugar sentado; alcançar a porta de saída é tarefa olímpica; sair é um alívio” -; profusão de carteiristas; e ainda “stress notório causado aos motoristas”.

 

Por tudo isto, são reclamadas medidas para “melhorar radicalmente a qualidade do transporte”. Entre elas conta-se o aumento do número de unidades do 28 em circulação e a abolição da possibilidade de compra de bilhetes a bordo, passando-se a oferecer, em compensação, a venda avulsa em algumas das paragens. É também pedida a adopção de “incentivos que permitam encaminhar os turistas para os eléctricos de circuito turístico”, com a redução do preço dos títulos para estes serviços especializados e até a sua integração em pacotes com outras atracções.

 

Mas a lista de pedidos vai mais longe. Não só é solicitada a “implementação de um sistema de actuação rápida para as situações de carros estacionados que impeçam a passagem do eléctrico, em parceria com as polícias e a EMEL”, como se propõe a introdução de mini-autocarros que façam a o mesmo circuito que o 28, sobretudo nas horas de maior procura por residentes. “Deste modo, os residentes disporão desta opção, que lhes garante que chegam a tempo ao trabalho/escola, podendo os turistas, ou quem não esteja com pressa, optar por aguardar a chegada do eléctrico”, defende o texto da petição.

 

Para assinar petição: peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT90166

 

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • Mário Fernandes Pereira Araújo
    Responder

    Repor as carreiras 10 e 11 de elétricos, que nunca deveriam ter sido suprimidas, seria uma medida que resolveria e muito os problemas da mobilidade na zona. A infraestrutura está lá toda. Só falta lá colocar os elétricos.

  • João de Azevedo
    Responder

    A solução é fácil: reintroduza-se as linhas de circulação 10 e 11(ou pelo menos uma delas), de modo a absorver a pressão turística e ponha-se o 28 somente entre os Prazeres e a Praça da Figueira, remodelando esta, de modo a que seja um terminal com dignidade. Ou talvez um reforço 28A, entre o Camões e a Graça, quando o 24 for ao Cais do Sodré.

  • António Sérgio Rosa de Carvalho
    Responder

    Residentes da Sé e do Castelo pedem medidas concretas para que eléctrico 28 não seja apenas um “entretenimento turístico”
    “Entregar” os eléctricos aos Turistas e criar paralelamente uma rede de mini-autocarros para os Lisboetas ? Não! Em Veneza também não criaram mini-vaporettos … Aumentaram sim o bilhete do vaporetto para 7,50 para os Turistas e garantiram o bilhete de 1,50 para os venezianos. Também instalaram um sistema de cancelas para controlar o acesso dos turistas a certos locais.
    Vejam o que aconteceu com a carreira 24. Foi rápidamente tranformada exclusivamente numa nova atracção turística!
    Trata-se de conjugar soluções entre mini-autocarros e eléctricos sem abdicar dos direitos básicos dos habitantes locais. O direito básico de acesso aos transportes públicos. Cidades como Barcelona, Amsterdão e Veneza nào têm medo de afirmar explícitamente de que o Turismo NÃO é SEMPRE Bemvindo!
    OVOODOCORVO
    https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=1775137132539908&id=465825430137758

  • Paulo Só
    Responder

    Dizem que não há elétricos para aumentar a frequência da linha 28. Então por que razão se restaurou a linha 24? Então por que razão há elétricos verdes e vermelhos para os turistas, se não há elétricos para o serviço de transporte, que é a missão da Carris? Ou a Carris é uma empresa de turismo? O problema é que CML perdeu o rumo. Esse caso Robles é sintomático. As pessoas que estão no poder perdem a noção do serviço. Como é possível que a CML quando há uma obra posta em causa pelos moradores da vizinhança numa zona protegida só responda quando a obra fica pronta? Quando é que CML se convence que a sua função não é incrementar o turismo, nem os negócios, mas servir os moradores de Lisboa? A Câmara foi cooptada pela Associação de Turismo de Lisboa e pelo Porto de Lisboa, associações empresariais. Os dirigentes da CML não andam de transportes públicos, vivem no mundo da fantasia, não são servidores públicos. O meu voto não terão mais.

  • nnjuio
    Responder

    Escusado dizer que as pessoas têm toda a razão. Transporte público é transporte público.

    Lisboetas primeiro, touristas depois.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend