Não eram mais que meia-dúzia, mas representavam um sentimento de amor pelas árvores bem mais lato. Um pequeno grupo de activistas urbanos ligados à Plataforma pelas Árvores e à Quercus e de moradores da Rua da Madalena realizou, ao final da tarde desta terça-feira (28 de Julho), um protesto contra o que consideram ser o estado de penúria hídrica das árvores situadas junto ao Largo Adelino Amaro da Costa – mais conhecido por Largo do Caldas -, regando-as com recurso a baldes, regadores e garrafões. A acção de jardinagem de guerrilha, inspirada em intervenções semelhantes feitas um pouco por todo o mundo, contou com a participação da artista plástica Fernanda Fragateiro e do estilista Dino Alves. Mas a Junta de Freguesia de Santa Maria Maior garante que havia regado na véspera as árvores em causa.

 

IMG_3957

 

Pouco depois das 19h, começaram a ser regadas as jovens árvores daquela zona recentemente sujeita a uma obra de reabilitação do espaço público. Três exemplares existentes na Rua do Regedor e outros três plantados num canteiro delimitado por um banco público, no Largo do Caldas, beberam qualquer coisa como meia-dezena de litros cada um. “Não há o mínimo de manutenção destas árvores, que estão aqui a passar uma seca terrível”, afirmou Inês Barreiros, membro da Plataforma pelas Árvores e também do grupo Fórum Cidadania LX, para quem esta acção constituiu uma forma de alertar para a “incapacidade das juntas de freguesia para tratarem convenientemente do arvoredo, por não terem os meios ou o conhecimento”. Inês disse que enviou um email à junta – cujo edifício-sede fica naquela rua -, fazendo referência ao problema enfrentado por estas árvores, mas não terá obtido resposta.

 

IMG_3972

 

Mais sorte terá tido Fernanda Fragateiro, que disse ter recebido a promessa da junta de que iria regar as árvores em causa. “Há uma clara falta de respeito pelo espaço público e que é demonstrativa de uma certa postura. Não se percebe porque deixaram as árvores chegarem a este ponto”, acusa a artista plástica. Libério Sobreira, do núcleo regional de Lisboa da Quercus, salientou o facto de “as árvores serem especialmente sensíveis ao tratamento que se lhes dá nos primeiros anos de vida”, nomeadamente à falta de água. As referidas árvores apresentam um aspecto ressequido, mas o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho, garantiu ao Corvo que as mesmas haviam sido regadas na véspera. E explicou que “apenas agora a junta pôde fazê-lo e tomar conta daquele espaço, porque as obras estiveram a decorrer e apenas neste momento o empreiteiro entregou a obra”.

 

Texto: Samuel Alemão

 

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa