Referendo ditou substituição da calçada por piso liso na zona antiga de Campolide

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

URBANISMO

Campolide

6 Março, 2015


Os moradores da área mais antiga de Campolide decidiram, através de um referendo, realizado durante quarta e quinta-feira (4 e 5 de Março), a substituição do revestimento dos passeios em tradicional calçada de vidraço por “piso contínuo” ou liso. O resultado final da consulta popular organizada pela Junta de Freguesia de Campolide, conhecido na manhã desta sexta-feira, é o da escolha daquele material por parte de 61,5% dos 349 votantes que se apresentaram nas urnas. Uma participação a rondar os 15%, sem abstenções e apenas com um voto nulo. “Uma vitória da participação cívica e democrática”, considera André Couto (PS), o presidente da junta.

“O balanço que fazemos deste processo não poderia ser melhor. Percebemos que as pessoas sentem que esta é uma forma mais eficiente e eficaz de participação cívica e democrática. Do contacto que tivemos com a população, ficamos a perceber que ela vê isto como uma forma mais eficaz de resolver os seus problemas do que através de outros meios”, diz ao Corvo o presidente da junta, lembrando que esta não é a primeira vez que os residentes de Campolide são chamados a decidir directamente sobre assuntos da sua freguesia. Já em Julho de 2012, houve um referendo que ditou a construção de um jardim num baldio, em detrimento de um estacionamento.

Agora que a decisão foi tomada, a junta vai dar seguimento ao projecto, que, segundo André Couto, “já está muito adiantado” e arrancar com o obrigatório procedimento de contratação pública. “Seguramente, até ao final do ano, o projecto começará a ser implementado”, assegura o autarca, que sobre o material que passará a revestir os passeios em vez da calçada prefere esperar pela decisão dos especialistas. Lembrando que a área em questão é constituída por uma população muito envelhecida – a principal vítima de quedas em virtude das características da calçada -, André Couto explica que a substituição do pavimento em determinados lugares obedecerá a quatro parâmetros: índice de sinistralidade, inclinação, movimentação e desgaste.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • Bruno Sousa
    Responder

    (y)

  • João Berhan
    Responder

    Pela forma como foi feita a pergunta, nunca diria.

  • Carlos Garcia
    Responder

    Uma pergunta nada tendenciosa! E não têm os restantes munícipes de LIsboa uma palavra a dizer sobre isto?

  • Ana Azevedo
    Responder

    Vai ficar mais suja e escura. Mas…

    • Rui Maciel
      Responder

      “Vai ficar mais suja e escura”

      E dar um ar ainda mais depressivo ao Bairro..

      Estou a pensar seriamente em mudar-me!

  • Liliana Lavado
    Responder

    Darcília Matos

    • Maria das GraçasMarques Pastrelo
      Responder

      O que diferencia Portugal de outras capitais européias é exatamente a calçada, principalmente em Lisboa. Que graça teria um mero cimento? O turismo não é relevante para a economia do país? Pensem bem nisto! ( sou brasileira com cidadania portuguesa)

  • Manuel Rendeiro
    Responder

    Muito boa decisao. A calçada Portuguesa e muito bonita…mas e um dos maiores “fornecedores” dos Hospitais Ortopedicos. E os idosos que o digam, pois muitos ficam com sequelas gravissimas devido as quedas que dao, a conta da calçada Portuguesa. E a CML a boa maneira Portuguesa esta-se borrifando… Muito boa medida devia ser seguida em toda a cidade.

  • Ricardo Moreira
    Responder

    Se os outros munícipes lisboetas passarem pela zona, por que não opinarem sobre a questão? Agora se não passam…

  • Maria de Morais
    Responder

    referendo ilegal

  • jjl
    Responder

    350 / 13500 = 2,6% de participação…

  • Margarida Pimentel
    Responder

    Chiça, 1pergunta destas não “passava” no TC…

  • Carlos Carvalho
    Responder

    a calçada é um piso que pode ser muito perigoso

  • Paulo Ramos
    Responder

    Com essa pergunta completamente tendenciosa

  • Pedro Vale Dos Santos
    Responder

    Finalmente, será que estamos a acordar para a completa falta de praticabilidade da calçada portuguesa? Esperemos que sim.

  • Manuela Ribeiro
    Responder

    Que raio de perguntas são estas? Quem terão sido as luminárias? E quantos votaram? Acho muito bem…. arranquem tudo. Ponham cimento em toda a cidade. Arranquem as árvores e tapem os jardins. Façam de todas as praças o mesmo que fizeram ao terreiro do paço. Viva o cimento…. Assim no Verão ficam todos dentro de casa para não assarem. Afinal a cidade pode sobreviver muito bem sem turismo! Aquele que vem ver a calçada portuguesa feita de cimento…. O povo tem mesmo aquilo que merece

  • Sheila Radburn Nunes
    Responder

    A calçada só é perigosa quando não há manutenção. É, por isso fácil de se condenar. Para tornar a calçada impopular por razōes de segurança é simples: basta não ter calceteiros que garantam a manutenção dos pavimentos.

  • Rita Pinheiro
    Responder

    Cada vez mais parecidos com todos os outros europeus! Muito triste! O problema não é o tipo de calçada que além do mais é permeável à água e que transforma as cidades em locais mais sustentáveis mas sim a falta de manutenção dela! Mais uma vez é a saída mais simples, cortar o mal pela raiz!

  • Bruno Pereira
    Responder

    A incompetência disfarçada de pseudo-reforço democrático.

  • pmmsanches
    Responder

    O grande problema da calçada portuguesa é só um:

  • José
    Responder

    Qual é a cidade, que quer forrar todo o piso com pedritas tão pequenas?
    Dificil manutenção, e dificil limpeza e muito perigo.

    Já é tempo de mudar, no centro de Lisboa, calçada artistica, tudo bem, mas muita manutenção(não ás pedras da calçada solta).

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend