Reabilitação de edifícios em Lisboa estará a pôr em risco segurança em caso de sismo

ACTUALIDADE
Sofia Cristino

Texto

URBANISMO

Cidade de Lisboa

9 Abril, 2018

A probabilidade de ocorrer um sismo em Lisboa é grande. Mas, segundo especialistas, muito pouco tem sido feito para proteger a população em caso de catástrofe. Nos diversos edifícios alvo de requalificaçã, não estará a ser tido em conta o reforço sísmico, acusam alguns. “Estão-se a fazer obras, no centro da cidade, que são armadilhas mortais para as pessoas. A nova reabilitação são novos modelos de caixões muito bem ornamentados, para nos levarem para outro mundo”, considera Mário Lopes, especialista em prevenção sísmica, na primeira sessão do debate temático organizado Assembleia Municipal de Lisboa (AML), ocorrida quinta-feira, 5 de Abril. O investigador diz que a gaiola pombalina tem sido destruída “a torto e a direito”, o que considera ser “um crime cultural”. “Lisboa é a primeira cidade do mundo construída para resistir a sismos e somos nós próprios que a estamos a destruir. O Governo põe sempre os mercados imobiliários acima da segurança das pessoas”, acusa. Vasco Appleton, especialista em estruturas, critica a forma como as requalificações estão a ser feitas. “Muitas são apenas lavagens de cara”, diz. A vereadora da Habitação garante que os reforços sísmicos estão a ser tidos em conta nas intervenções feitas no património municipal.

Em Lisboa, a segunda cidade europeia que corre maior risco de ocorrência de um terramoto, estarão a ser feitas obras de reabilitação urbana sem nenhum reforço sísmico. Além disso, os cidadãos não se encontrarão preparados para reagir a esta catástrofe natural, estando a ser feito “muito pouco” para contrariar tal realidade. Estas foram as ideias mais vincadas na primeira sessão do debate temático sobre prevenção e minimização do risco sísmico na capital, ocorrida na última quinta-feira, 5 de Abril, na Assembleia Municipal de Lisboa (AML). A próxima sessão ocorrerá nesta quinta-feira, 12 de Abril. No final do debate, será publicado um relatório com as conclusões.

O primeiro regulamento nacional que obriga ao cálculo sísmico das construções é de 1958. Apesar de terem sido feitas, entretanto, algumas alterações à legislação, não se tem verificado se esta está a ser cumprida, afirma Mário Lopes, professor do Instituto Superior Técnico (IST) e especialista em prevenção sísmica há mais de 30 anos.

 

“Quando reabilitamos um edifício, a lei diz que não é preciso respeitar a legislação posterior à construção original. Todos os edifícios construídos antes de 1958, não têm, por isso, nenhum grau de exigência sísmica. Estão-se a fazer obras, no centro da cidade, que são armadilhas mortais para as pessoas. A nova reabilitação são novos modelos de caixões muito bem ornamentados, para nos levarem para outro mundo”, considera.

O também vice-presidente do Instituto de Engenharia de Estruturas, Território e Construção do IST diz que um dos piores exemplos de práticas de requalificações urbanas, neste momento, é o da “destruição da gaiola pombalina”, um sistema de construção anti-sísmica utilizado na Baixa de Lisboa após o terramoto de 1755. “Em Lisboa, destrói-se a gaiola pombalina a torto e a direito e isto é um crime cultural. Além disso, continua a ser feito com a cumplicidade do Governo, da Câmara de Lisboa e das entidades com responsabilidade na matéria”, acusa.

 

Mário Lopes diz que este problema não pode ser tratado à posteriori, mas que tem de ser resolvido com políticas preventivas, como a construção de infraestruturas que resistam a sismos. No mesmo debate, o professor José Luís Zêzere, do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, também defendeu a necessidade de implementar a obrigatoriedade do reforço antissísmico nos processos de reabilitação urbana, “É criminoso não o fazer”, diz mesmo.

Vasco Appleton, engenheiro civil, especialista em estruturas e reabilitação de edifícios, partilha a mesma opinião. Segundo o professor universitário, a reabilitação urbana deveria implicar uma intervenção de reforço antissísmico, o que deveria ser “óbvio”, principalmente para os engenheiros de estruturas.

 

“Há um número muito elevado de oportunidades perdidas. Há edifícios bons que não estão a ser alvo de intervenção de reforço sísmico, porque o dono de obra não é sensível ao assunto e, também, porque há projectistas que não têm capacidade técnica para fazerem projectos demasiado exigentes”, considera.

ocorvo09042018sismos2

A construção em "gaiola", utilizada na Baixa Pombalina, estará em risco, alertam especialistas.

O director da Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa, João Pardal Monteiro, corrobora a importância destas intervenções serem realizadas por técnicos especializados. “Existe uma grande falta de qualificação das pessoas que fazem estas estruturas e as intervenções na cidade têm de ser feitas por especialistas. Percebendo-se o estado em que está o edifício, devia-se agir para o melhorar e reduzir as perdas potenciais, mas isto não está a acontecer”, observa. “As intervenções na cidade, para que isto não se torne um baralho de cartas pronto a cair ao primeiro sismo, têm de ser feitas com técnicos especializados”, acrescenta.

 

Com o aumento da atractividade turística de Lisboa, o número de pessoas a viverem e a circularem na cidade cresceu consideravelmente nos últimos seis anos. Um factor que também deveria, ainda segundo Appleton, ser considerado na avaliação de futuros critérios de precaução.

“Há meia dúzia de anos, a Baixa estava muito mais vazia e, se houvesse um sismo, perdia-se património, mas a maior parte dos edifícios caíam vazios. Actualmente, se caírem, caem cheios de gente, há muitos hotéis e apartamentos turísticos. Temos uma Baixa Pombalina profundamente intervencionada e ocupada, mas com muitas intervenções que são lavagens de cara, à base de pintura e azulejos. Se houver um sismo estas estruturas não vão aguentar”, assegura.

 

Appleton propõe, por isso, à Câmara Municipal de Lisboa (CML) que esta passe a exigir a verificação do desempenho estrutural sísmico em projectos de reabilitação para os edifícios anteriores a 1983, assim como um diagnóstico estrutural prévio em todos os projectos.

 

A falta de consciência das pessoas da dimensão da “grandeza desta questão” foi outra das considerações que especialistas e arquitectos vincaram mais nesta sessão. “Na cabeça das pessoas, o problema não existe, falta muita informação”, alerta Mário Lopes.

ocorvo09042018sismos3

Eduardo Carvalho, da Ordem dos Engenheiros, diz que estamos a perder uma oportunidade de diminuir o risco sísmico, mas tem uma inquietação maior. “O que me preocupa mais é o cidadão normal não ter capacidade de avaliar o potencial de destruição enorme de um sismo, Tem de haver uma decisão política de proteção dos cidadãos e o ideal era que não precisássemos da protecção civil por causa dos sismos”, considera.

 

A Associação de Protecção e Socorro diz que é necessário sensibilizar e treinar a população que, considera, até tem sido desincentivada” a ser mais preventiva do que reactiva. “Todos temos responsabilidades, cidadãos, autarcas e governantes, e há muitos anos que estamos a ignorar um conjunto de recomendações de especialistas e diversos técnicos. É necessário fazer o que nunca foi feito”, diz João Saraiva, da Associação de Protecção e Socorro.

“Temos de sensibilizar a população, porque até os cidadãos são desincentivados a prevenirem-se, para não se revelarem as incapacidades dos serviços públicos. Não basta apenas apontar o dedo e exigir às estruturas municipais e governamentais que façam mais, temos de exigir de cada um de nós. Se nos envolvermos e a autarquia criar apoios necessários para o efeito, aí sim, justificar-se-ia uma taxa de protecção de civil, já não seria inconstitucional”, considera Saraiva, propondo, ainda, que se incentive o voluntariado da Protecção Civil através da realização de campanhas ao nível das freguesias. “Isto nunca foi feito, mas qualquer pessoa o pode fazer”, sugere.

Carlos Maia Morgado, presidente da Protecção Civil de Lisboa, sugere que todos os cidadãos tenham em sua casa um kit de emergência, que diz ser “essencial para, pelo menos, durante três dias após a ocorrência de um sismo”.


 

Em 2001, foi entregue ao Governo, à Câmara Municipal de Lisboa (CML) e a outras entidades políticas um documento elaborado pela Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica a alertar para a importância de introduzir a componente da resistência sísmica nas obras de reabilitação. Mas, segundo o investigador Mário Lopes, nada foi feito. “Uma das razões pelas quais não se faz nada em Portugal relativamente a esta matéria é o facto de o cidadão comum achar que o problema não existe porque não vê ninguém com responsabilidades minimamente preocupado com o assunto. O Governo põe sempre os mercados imobiliários acima da segurança das pessoas”, acusa.

Mário Lopes lembrou que, se se repetisse um sismo igual ao de 1755, haveria 17 a 27 mil mortos, mais de 50 mil feridos e mais de 100 mil desalojados. Os dados, já referenciados noutras ocasiões, resultam da tese de doutoramento de Maria Luísa Sousa Sotto-Mayor, especialista do LNEC, e foram publicados em Junho de 2006, com base em dados dos censos de 2001. “O nosso património construído faz parte da nossa cultura, da nossa herança e da nossa identidade. Lisboa é a primeira cidade do mundo construída para resistir a sismos, é um marco da história da engenharia sísmica e da história da humanidade e somos nós próprios que a estamos a destruir”, frisou.

 

No encerramento do debate, a vereadora da Habitação da Câmara Municipal de Lisboa, Paula Marques, disse que o município tem estado a actualizar a carta de solos, a desenvolver um índice de residência sísmica e um manual de boas práticas na reabilitação. Paula Marques garantiu, ainda, que de cada vez que existe uma intervenção de carácter estrutural, no património disperso da câmara, tem sido feito um reforço sísmico. “Reforçamos as medidas de análise, intensificamos a avaliação do risco sísmico nas nossas intervenções e o reforço sísmico, sempre que essa análise o determine”, concluiu.

MAIS
ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • Anónimo
    Responder

    No meu prédio, dos anos 70, queremos fazer obras de manutenção e conservação da fachada. Mas a CML não nos dá licença porque diz que estamos numa Zona Especial de Proteção, e temos marquises. só se tirarmos as marquises podemos fazer as obrigatórias obras de conservação.
    Entretanto que se lixem as pessoas que vão a passar cá em baixo. Se levarem com um bocado da fachada a respossabilidade é nossa que não fizemos obras.
    A CML no seu melhor. Primeiro a estética (suposta estética, melhor dizendo), e depois a segurança.

    • João Bessa
      Responder

      Fácil, retirem as marquises pá

  • Happy Go Days
    Responder

    Pois desventraram os prédios e reconstroem com materiais que não são flexíveis, o tal corredor entre as janelas da fachada do prédio é um dos maiores erros, coitados dos republicados são pobres de espirito e de dinheiro.

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend