Queixas de moradores impõem fecho à meia-noite na “doca seca” de Telheiras

REPORTAGEM
Samuel Alemão

Texto

David Clifford

Foto abertura

URBANISMO

Lumiar

4 Setembro, 2017

Apesar de regressada de férias há pouco tempo, Arminda Almeida não encontra muitas razões para estar tranquila. As preocupações que levou consigo mantêm-se e não se adivinham que se venham a dissipar, muito pelo contrário. “Nota-se uma quebra mesmo muito grande na facturação, desde que começámos a fechar mais cedo. E julgo que não fomos só nós, toda a zona se está a ressentir imenso com o novo horário”, desabafa a gerente do Dream’s Café, situado na Rua Professor João Barreira, conhecida como a zona das esplanadas de Telheiras.

Local popular, mas tranquilo, durante o dia, transborda de gente à noite. Tanto que há mesmo quem a apelide das “docas secas”, tal a fama que foi ganhando entre noctívagos. Um estatuto que, temem os donos dos estabelecimentos de restauração e cafés, se poderá estar a perder, com a recente imposição pela Câmara de Municipal de Lisboa (CML) do fecho à meia-noite. As queixas sobre o ruído e o mau ambiente motivaram a decisão dos serviços da autarquia, tomada a pedido Junta de Freguesia do Lumiar e de um grupo de moradores.

No edital em que se dá conta da alteração, explica-se que ela surge “na sequência de diversas queixas de moradores da referida artéria sobre o ruído produzido pelo funcionamento dos estabelecimentos comerciais de restauração e de bebidas (…) e, consequentemente, da violação do seu direito à tranquilidade e ao descanso”. O mesmo documento elenca múltiplas denúncias desde, pelo menos, 2012, razão pela qual o conjunto de comércios foi alvo de uma medida restritiva de horário por seis meses, durante o ano passado. Nessa altura, foi fixado pela CML o limite de funcionamento até às 24horas, entre domingo e quinta-feira e até às 2h, às sextas, sábados e vésperas de feriados.


Mas esse “cartão amarelo” mostrado pela autarquia não terá sortido os desejados efeitos. Tanto que, em janeiro deste ano, surgia a reclamação de que o local se tornara “o centro da movida do Lumiar”, com o relato de ajuntamentos de centenas de jovens, “que fumam, jogam, bebem, drogam-se, grafitam, zaragateiam, discutem ruidosamente (…) até às quatro, cinco da manhã”.

A descrição estará longe de ser consensual entre os empregados e os gerentes dos cafés e dos restaurantes daqueles dois quarteirões, bem como entre os residentes. Mas colhe muitos subscitores. “O problema é que vêm para aqui pessoas de outros bairros causar confusão, muitas delas não se sabem comportar. Os residentes desta zona são tranquilos, mas a animação destas esplanadas atrai muita gente que não presta”, afirma Evandro, um dos responsáveis pelo Tailors, um café-bar especializado em bebidas e, por isso, cuja actividade ocorre sobretudo durante a noite.

O período entre as 23h3o e as 1h é descrito como “crucial” na facturação da casa, pelo que o responsável vê com muita preocupação a imposição de encerramento à meia-noite, que qualifica como “bastante prejudicial”. “Acho isto um absurdo, porque já está a fazer uma grande diferença na facturação. Ainda por cima, as rendas aqui não são baratas”, queixa-se.

Queixas de moradores impõem fecho à meia-noite na “doca seca” de Telheiras

O sentimento é partilhado por Sueli Brasileiro, apenas há cinco meses a explorar o restaurante Nosso Sítio, quem tem na tapioca uma das especialidades gastronómicas, mas não deixa de confiar na venda de bebidas como forma de assegurar receita. O estabelecimento abria as portas até às 2h, às sextas e aos sábados, mas isso deixou agora de ser possível. “É uma diferença muito grande. Estamos a ter muito menos movimento e isso sente-se ao final do mês. Além disso, com esta restrição nesta área, as pessoas acabam por ir para outro sítio”, diz Sueli, ainda a considerar se vale a pena continuar ali.

A empresária diz que o problema maior “é o da malta que, já depois de todos os espaços fecharem, continuam na rua a conversar, a beber e a fazer barulho”. E aí é que surgirão os problemas, considera. Um diagnóstico partilhado, aliás, pela quase totalidade dos comerciantes ouvidos por O Corvo. Como é o caso de Patrícia Oliveira, há 14 anos a explorar o café Kaffa, para quem a raiz do problema são as pessoas que “chegam de outros sítios, consomem álcool, que muitas vez já trazem, e ficam ali sentados nos muros”.

A empresária admite a existência de um certo mau-ambiente, mas imputa-o a ajuntamentos que ocorrem depois do fecho dos estabelecimentos. “Não conseguimos controlar isto, está fora do nosso alcance”, admite. E apesar de não se sentir prejudicada pela imposição horária agora aplicada, porque sempre trabalhou só até às 24h, admite os efeitos nocivos para toda aquela área. Uma eventual solução para o problema, sugere, passaria por um policiamento mais activo.

O mesmo defende Arminda Almeida, a gerente do Dream’s, para quem o papel da polícia, seja a municipal ou PSP, deveria ser muito mais interventivo junto dos que “causam problemas” e não dos donos dos cafés. A muito sentida quebra nas vendas, diz, resulta dessa atitude, que resultará do que considera ser a “embirração” de alguns queixosos. “A polícia municipal estava cá constantemente, sempre a cair-nos em cima. Mas a verdade é que fechávamos o café e as pessoas continuavam na rua, a conversar e a beber. Muitas trazem as bebidas da bomba de gasolina e, na manhã do dia seguinte, sou eu quem tem de apanhar o lixo que aí fica”, lamenta-se.

Arminda, que está, desde fevereiro do ano passado, à frente dos destinos de uma das mais populares casas da “doca seca de Telheiras” – “antes desta medida, isto estava sempre cheio”, diz –, contesta as alusões ao seu estabelecimento como uma das fontes de problemas. É, aliás, o que mais vezes aparece referido como alvo de denúncias à câmara, no edital justificativo do fecho obrigatório à meia-noite. A empresária nega, como é escrito edital, que alguma vez ali se tenham verificado cenas de “clientes em cima dos carros ou a grafitar”. Admite, porém, que haja quem traga sistemas sonoros com um volume elevado. “Mas esses não vêm para aqui, que não permitimos”, diz.

Outro dos cafés-bar alvo de queixas será o Manga Pimenta, numa das extremidades do quarteirão. Mas um dos funcionários disse a O Corvo desconhecer a intimação municipal, embora esteja ciente da existência de queixas por parte de alguns residentes. “Nunca tivemos uma notificação individual. Tudo isto me parece um exagero, uma estupidez. Não faz sentido nenhum”, avalia.

MAIS REPORTAGENS

COMENTÁRIOS

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend