Uma subida meteórica. Apenas em Janeiro de 2016, os radares de controlo de velocidade geridos pela Câmara Municipal de Lisboa detectaram 19.100 infracções resultantes em autos de contra-ordenação. Ao longo de 2015, só haviam sido registadas 281 contra-ordenações. Tal significa que, apenas no primeiro mês deste ano, os dispositivos instalados pela autarquia em alguns dos principais eixos rodoviários da capital registaram um aumento de 6.797% no número de violações à restrição de circular a mais de 50 ou 80 quilómetros por hora, relativamente a todo o ano anterior.

 

Este dado inusitado consta da resenha da atividade de fiscalização rodoviária da Polícia Municipal (PM), que integra o mais recente relatório da Informação Escrita do Presidente da Câmara – referente ao trimestre compreendido entre 1 de Novembro de 2015 e 31 de Janeiro e que será apresentada por Fernando Medina ante os deputados da Assembleia Municipal de Lisboa, nesta terça-feira (23 de Fevereiro). O Corvo tentou confirmar junto dos serviços da câmara municipal a exactidão do valor constante nesta parte do relatório – que é assinada pelo superintendente Paulo Caldas, comandante da PM -, bem como as razões de tal incremento. Mas não obteve resposta em tempo útil.

 

No mesmo documento em que é feita uma enumeração exaustiva da atividade do município nas mais diversas áreas, e mais concretamente no quadro onde se encontra o resumo da “atividade de fiscalização rodoviária” pela polícia tutelada pelo município, pode apreciar-se um contraste gritante no item “autos de contraordenação- radares”. As 19.100 situações de excesso de velocidade registadas pelo sistema em Janeiro passado suplantam de forma evidente não apenas as 281 verificadas no ano passado, mas também as 407 registadas pela PM em 2014.

 

Durante os últimos anos, a falta de manutenção e correspondente inoperacionalidade dos radares detidos pela autarquia foi alvo de muita polémica em reuniões de câmara e assembleias municipais. Ainda a 27 de Janeiro último, em reunião de executivo, Manuel Salgado, vereador das Obras Municipais, admitia que dos 17 radares da câmara apenas cinco estariam em funcionamento e igual número estaria “em manutenção” – sendo que a operacionalidade destes últimos teria sido posta em causa por “atos de vandalismo”.

 

Mas, na mesma reunião, Salgado informava que os problemas existentes no sistema – que consistia em um ou mais radares instalados nas avenidas da Índia, Brasília, Infante D. Henrique, Marechal António Spínola, da República (Entrecampos) e das Descobertas, na Radial de Benfica, no Campo Grande, na Segunda Circular e nos túneis do Marquês de Pombal e João XXI – teriam sido resolvidos, “há cerca de um mês e meio”, no que se referiria à efetiva aplicação de multas a quem circular em excesso de velocidade. Esta poderá ser uma das explicações para uma tão acentuada e inusual subida nos valores de contra-ordenações.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Quase parados em 2015, radares de Lisboa passam 19.100 multas em Janeiro https://t.co/shsQwhw5jU #lisboa

  • Rod
    Responder

    Os 12 milhões para as obras da 2ª Cirular, mais os milhões para substituir a calçada à portuguesa, etc etc, têm de vir de algum lado.

  • Luís Paixão Martins
    Responder

    Alô lisboetas, os radares voltaram a funcionar. https://t.co/VeAaHkylHZ

  • Ricardo Pereira
    Responder

    Quase parados em 2015, radares de Lisboa passam 19.100 multas em Janeiro | O Corvo | sítio de Lisboa https://t.co/iKiurc3B60

  • Joaquim Xavier Lopes
    Responder

    Seria bom se o edil camarário punisse, através da Policia Municipal, todos os abusos de estacionamento ao invés de gastar dinheiro a colocar pilaretes para impedir as faltas de civismo.

  • Martins Belizario
    Responder

    CUMPRAM AS REGRAS DE TRÂNSITO

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com