Quando estacionar um automóvel é mais importante que um Monumento Nacional

DICAS


Samuel Alemão

Texto

MOBILIDADE

Misericórdia

O topo do Ascensor da Bica era, a meio da tarde desta terça-feira (12 de setembro), palco de uma inusitada cena, motivo de espanto para os passantes, sobretudo os muitos turistas que dali tiram fotografias a uma vista magnífica, com o aliciante de se observar o Tejo na linha do horizonte. Um automóvel particular estacionado no fim da linha, junto ao Largo do Calhariz, impedia o elevador, que, desde 1892, sobe e desce a Rua da Bica de Duarte Belo, de completar os últimos metros do seu percurso. Mas se tal não parecia incomodar o trabalho do guarda-freio, com os passageiros a entrarem e saírem do ascensor, a bizarria de tal quadro não deixava de suscitar comentários. E constituir-se como evidência da persistência, por parte de alguns automobilistas, de uma atitude de óbvio desprezo pelo espaço público.

ocorvo_13_09_2017

O Ascensor da Bica, que desde 1914 passou a utilizar um sistema eléctrico para o locomover desde a Rua de São Paulo – substituindo assim a tracção com motores a vapor –, foi classificado como Monumento Nacional em 2002 e aparece descrito no sítio oficial da Carris como “o ascensor com o roteiro mais pitoresco” dos três existentes em Lisboa. Razão, aliás, do sempre renovado interesse dos turistas. Que ontem eram obrigados a incluir aquele carro estacionado de forma ilegal no enquadramento das fotografias dali tiradas ou, em alternativa, a descer uns quantos metros para conseguir uma imagem expurgada do parasitário veículo. Um funcionário de uma empresa turística que ali se encontrava a distribuir panfletos promocionais disse a O Corvo que o automóvel seria de um morador. “Dá uma imagem um bocado estranha deste cenário, de facto”, comentou. A Rua da Bica de Duarte Belo foi mencionada, no início deste ano, em vários jornais, como sendo “a rua mais bonita do mundo”.

MAIS DICAS

Dicas

Não foram encontrados artigos.

COMENTÁRIOS

  • Cátia Mendes
    Responder

    Nota técnica e artística: 10

  • Mariana Mi
    Responder

    E foi multado, bloqueado e rebocado?
    Ou ninguém se importou?

    • Luis Salzedas
      Responder

      Provavelmente não. Mas ao lado, na rua Marechal Saldanha, o tipo da EMEL, responsável por levantar e baixar o pino de acesso àquela rua, provocou mais umas quantas filas na Calçada do Combro por teimosamente não deixar passar um carro que ía para o estacionamento da ANF, devidamente identificado.

      • Sérgio Serra
        Responder

        Tive um problema parecido, no Castelo de S. Jorge. Eu habitava lá e não tinha carro, portanto desconhecia a maior parte das regras da EMEL para esse local.
        No dia em que me ia embora de casa, contratei o serviço de um senhor que me ia fazer a mudança da mobilia. Imagine o cenário. Domingo, chuva, praticamente zero turistas, e nós a pedir ao senhor para baixar o pino, seriam apenas 30 minutos e não se voltava. “Não sabe as regras? tem de pedir dístico.” Meia hora assim a pedir. Chamámos a policia, que nos disse que a EMEL é que teria razão ali, pois é o seu espaço concessionado. Ao lado do pino há um sinal “Proibido excepto cargas e descargas/x horas”. já passavam dessas x horas, e dissémos isso ao policia. O policia lá falou com o senhor que disse “não vou baixar na mesma”, desobedecendo. O policia disse que assim sendo, não podia fazer nada. Nisto passou-se uma hora, fila de transito enorme com os moradores a querer chegar a casa mas a dizer-me “não tire daí o carro, porque temos de mostrar que quem manda aqui não é a EMEL”. E passado duas horas, um simpático senhor deu-me o seu cartão de acesso, que devolvi antes de sair, pois o pino costuma baixar para saídas sem ser necessário o distico. à saída a mesma coisa… “não baixo o pino, vá pedir o cartão ao outro senhor a quem pediu à bocado.” mas aí os moradores começaram a bater no pino e o gajo lá baixou.

        os ditadores de poder limitado…

        • João P Ferreira
          Responder

          O caro Sérgio, como habita na selva lusa, acha que pode entrar com a sua lata em zona reservada quando lhe aprouver. Venha aqui para a Holanda, até pode berrar, lataria em zona reservada tem horas para entrar e apenas devidamente identificada.

    • João P Ferreira
      Responder

      Pode usar a APP do Passeio Livre para reportar carros mal estacionados:
      https://play.google.com/store/apps/details?id=com.form.parking.violation
      Parece que funciona junto da PM Lisboa!

  • Manuel Guedes
    Responder

    Esta página ainda existe?
    Pensei que se tivesse esfumado, depois de se terem vendido ao BE!

  • Nuno Taborda
    Responder

    Como não vai em excesso de velocidade, a polícia nem apareceu !!

  • São Lopes
    Responder

    Como é que ele entrou para ali?

  • Ana Gomes
    Responder

    Tudo isto porque as autoridades pura e simplesmente não estão interessadas minimamente em sair dos seus locais habituais, sentadinhos nas esquadras ou passeando nos carros como bando de pardais aos ninhos, infelizmente é o que temos.

  • Rui Franco
    Responder

    Enquanto não arranjarem um “crime” de “comportamento antissocial” que implique uma multa mínima de €500 (exemplo) e derem à polícia uma percentagem sobre a dita multa, isto não vai lá.

    • Paulo Fonseca
      Responder

      O mal é a PSP ser um bando de gatunos com uniforme. Têm de ter comissão para fazer alguma coisa. Sempre que é preciso alguma coisa nunca podem fazer nada.
      Na Penha de França é fácil encontrá-los no café em amena cavaqueira, fardados a dizer palavrões. Parecem taxistas!
      Mais valia acabar com a PSP e meter a GNR em todo o lado. Com a GNR pia mais fininho. O treino militar é de facto uma mais valia.

  • Hugo
    Responder

    E o estado em q está essa rume termos de sujidade e poluição visual?
    Ninguém reparou?

  • Sebastião Melo
    Responder

    No país do sagrado direito ao carro, a sua posse confere um direito inalienável sobre o espaço público que permite, obstruir, conspurcar, atropelar, etc e tal. Cenas semelhantes ocorrem por toda a Lisboa onde o automóvel é rei do espaço publico. Mas o mais grave, é o sucessivo incumprimento impune, do dever de parar nas passadeiras de peões permitindo a passagem aos transeuntes. Eu nunca vi um agente de autoridade a multar um alarve que assim procede, algum de vocês já viu?

  • São Pinto Da Costa
    Responder

    LISBOA PRECISA DE TOLERANCIA 0, E NÃO DE LICENCIAMENTO 0

    • Joaquim Xavier Lopes
      Responder

      Mais tolerância? Por parte de quem? Para os automobilistas prevaricarem aind mais?

      • André Cardoso
        Responder

        Tolerância zero, está lá bem explícito

      • Sérgio Serra
        Responder

        não. tolerancia 0 (zero).

  • Julio Lima
    Responder

    E hoje parece que estacionou outro. Será que vai virar habito?
    https://www.instagram.com/p/BY-dfP-nfK_/

  • Cláudia Raquel
    Responder

    João Nascimento

  • Jaime Päivä
    Responder

    havia de lhe crescer um pinheiro no…

  • Marcos Sobral
    Responder

    Várias vezes estaciona lá, não foi vez única…. Vejo-o lá regularmente estacionado

  • Ana Paula Pereira
    Responder

    Eu não acredito !

  • Luís Martins
    Responder

    Será curioso descobrir a quem pertence esse carro…… digo eu, talvez tenha algum ligação a alguma autoridade ou tenha alguma isenção para poder ali estacionar

  • Antonio Madeira
    Responder

    O elevador não pode passar por cima?

  • Helena Gonçalves Pinto
    Responder

    O estado caótico avança na cidade de Lisboa, entre o egoísmo e o desrespeito de alguns cidadãos e a ausência vigilância e fiscalização.

  • Joao Pedro Almendra
    Responder

    Vai é tudo á braviantes !

  • Armando
    Responder

    Estacionam todos os dias no passeio dessa rua em frente son 55 impedindo passagem pessoas
    A psp bairro alto não multa porquê?
    Já houve quem a chamasse e informasse desta ocorrência mas continua a acontecer todos os dias

  • João P Ferreira
    Responder

    Usem a APP do Passeio Livre para reportar carros mal estacionados:
    https://play.google.com/store/apps/details?id=com.form.parking.violation
    Parece que funciona junto da PM Lisboa!

Responder a Helena Gonçalves Pinto Cancelar resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend