Quando estacionar um automóvel é mais importante que um Monumento Nacional

DICAS




Samuel Alemão

Texto

MOBILIDADE

Misericórdia

O topo do Ascensor da Bica era, a meio da tarde desta terça-feira (12 de setembro), palco de uma inusitada cena, motivo de espanto para os passantes, sobretudo os muitos turistas que dali tiram fotografias a uma vista magnífica, com o aliciante de se observar o Tejo na linha do horizonte. Um automóvel particular estacionado no fim da linha, junto ao Largo do Calhariz, impedia o elevador, que, desde 1892, sobe e desce a Rua da Bica de Duarte Belo, de completar os últimos metros do seu percurso. Mas se tal não parecia incomodar o trabalho do guarda-freio, com os passageiros a entrarem e saírem do ascensor, a bizarria de tal quadro não deixava de suscitar comentários. E constituir-se como evidência da persistência, por parte de alguns automobilistas, de uma atitude de óbvio desprezo pelo espaço público.

ocorvo_13_09_2017

O Ascensor da Bica, que desde 1914 passou a utilizar um sistema eléctrico para o locomover desde a Rua de São Paulo – substituindo assim a tracção com motores a vapor –, foi classificado como Monumento Nacional em 2002 e aparece descrito no sítio oficial da Carris como “o ascensor com o roteiro mais pitoresco” dos três existentes em Lisboa. Razão, aliás, do sempre renovado interesse dos turistas. Que ontem eram obrigados a incluir aquele carro estacionado de forma ilegal no enquadramento das fotografias dali tiradas ou, em alternativa, a descer uns quantos metros para conseguir uma imagem expurgada do parasitário veículo. Um funcionário de uma empresa turística que ali se encontrava a distribuir panfletos promocionais disse a O Corvo que o automóvel seria de um morador. “Dá uma imagem um bocado estranha deste cenário, de facto”, comentou. A Rua da Bica de Duarte Belo foi mencionada, no início deste ano, em vários jornais, como sendo “a rua mais bonita do mundo”.

MAIS DICAS

COMENTÁRIOS

  • Cátia Mendes
    Responder

    Nota técnica e artística: 10

  • Mariana Mi
    Responder

    E foi multado, bloqueado e rebocado?
    Ou ninguém se importou?

    • Luis Salzedas
      Responder

      Provavelmente não. Mas ao lado, na rua Marechal Saldanha, o tipo da EMEL, responsável por levantar e baixar o pino de acesso àquela rua, provocou mais umas quantas filas na Calçada do Combro por teimosamente não deixar passar um carro que ía para o estacionamento da ANF, devidamente identificado.

      • Sérgio Serra
        Responder

        Tive um problema parecido, no Castelo de S. Jorge. Eu habitava lá e não tinha carro, portanto desconhecia a maior parte das regras da EMEL para esse local.
        No dia em que me ia embora de casa, contratei o serviço de um senhor que me ia fazer a mudança da mobilia. Imagine o cenário. Domingo, chuva, praticamente zero turistas, e nós a pedir ao senhor para baixar o pino, seriam apenas 30 minutos e não se voltava. “Não sabe as regras? tem de pedir dístico.” Meia hora assim a pedir. Chamámos a policia, que nos disse que a EMEL é que teria razão ali, pois é o seu espaço concessionado. Ao lado do pino há um sinal “Proibido excepto cargas e descargas/x horas”. já passavam dessas x horas, e dissémos isso ao policia. O policia lá falou com o senhor que disse “não vou baixar na mesma”, desobedecendo. O policia disse que assim sendo, não podia fazer nada. Nisto passou-se uma hora, fila de transito enorme com os moradores a querer chegar a casa mas a dizer-me “não tire daí o carro, porque temos de mostrar que quem manda aqui não é a EMEL”. E passado duas horas, um simpático senhor deu-me o seu cartão de acesso, que devolvi antes de sair, pois o pino costuma baixar para saídas sem ser necessário o distico. à saída a mesma coisa… “não baixo o pino, vá pedir o cartão ao outro senhor a quem pediu à bocado.” mas aí os moradores começaram a bater no pino e o gajo lá baixou.

        os ditadores de poder limitado…

        • João P Ferreira
          Responder

          O caro Sérgio, como habita na selva lusa, acha que pode entrar com a sua lata em zona reservada quando lhe aprouver. Venha aqui para a Holanda, até pode berrar, lataria em zona reservada tem horas para entrar e apenas devidamente identificada.

    • João P Ferreira
      Responder

      Pode usar a APP do Passeio Livre para reportar carros mal estacionados:
      https://play.google.com/store/apps/details?id=com.form.parking.violation
      Parece que funciona junto da PM Lisboa!

  • Manuel Guedes
    Responder

    Esta página ainda existe?
    Pensei que se tivesse esfumado, depois de se terem vendido ao BE!

  • Nuno Taborda
    Responder

    Como não vai em excesso de velocidade, a polícia nem apareceu !!

  • São Lopes
    Responder

    Como é que ele entrou para ali?

  • Ana Gomes
    Responder

    Tudo isto porque as autoridades pura e simplesmente não estão interessadas minimamente em sair dos seus locais habituais, sentadinhos nas esquadras ou passeando nos carros como bando de pardais aos ninhos, infelizmente é o que temos.

  • Rui Franco
    Responder

    Enquanto não arranjarem um “crime” de “comportamento antissocial” que implique uma multa mínima de €500 (exemplo) e derem à polícia uma percentagem sobre a dita multa, isto não vai lá.

    • Paulo Fonseca
      Responder

      O mal é a PSP ser um bando de gatunos com uniforme. Têm de ter comissão para fazer alguma coisa. Sempre que é preciso alguma coisa nunca podem fazer nada.
      Na Penha de França é fácil encontrá-los no café em amena cavaqueira, fardados a dizer palavrões. Parecem taxistas!
      Mais valia acabar com a PSP e meter a GNR em todo o lado. Com a GNR pia mais fininho. O treino militar é de facto uma mais valia.

  • Hugo
    Responder

    E o estado em q está essa rume termos de sujidade e poluição visual?
    Ninguém reparou?

  • Sebastião Melo
    Responder

    No país do sagrado direito ao carro, a sua posse confere um direito inalienável sobre o espaço público que permite, obstruir, conspurcar, atropelar, etc e tal. Cenas semelhantes ocorrem por toda a Lisboa onde o automóvel é rei do espaço publico. Mas o mais grave, é o sucessivo incumprimento impune, do dever de parar nas passadeiras de peões permitindo a passagem aos transeuntes. Eu nunca vi um agente de autoridade a multar um alarve que assim procede, algum de vocês já viu?

  • São Pinto Da Costa
    Responder

    LISBOA PRECISA DE TOLERANCIA 0, E NÃO DE LICENCIAMENTO 0

    • Joaquim Xavier Lopes
      Responder

      Mais tolerância? Por parte de quem? Para os automobilistas prevaricarem aind mais?

      • André Cardoso
        Responder

        Tolerância zero, está lá bem explícito

      • Sérgio Serra
        Responder

        não. tolerancia 0 (zero).

  • Julio Lima
    Responder

    E hoje parece que estacionou outro. Será que vai virar habito?
    https://www.instagram.com/p/BY-dfP-nfK_/

  • Cláudia Raquel
    Responder

    João Nascimento

  • Jaime Päivä
    Responder

    havia de lhe crescer um pinheiro no…

  • Marcos Sobral
    Responder

    Várias vezes estaciona lá, não foi vez única…. Vejo-o lá regularmente estacionado

  • Ana Paula Pereira
    Responder

    Eu não acredito !

  • Luís Martins
    Responder

    Será curioso descobrir a quem pertence esse carro…… digo eu, talvez tenha algum ligação a alguma autoridade ou tenha alguma isenção para poder ali estacionar

  • Antonio Madeira
    Responder

    O elevador não pode passar por cima?

  • Helena Gonçalves Pinto
    Responder

    O estado caótico avança na cidade de Lisboa, entre o egoísmo e o desrespeito de alguns cidadãos e a ausência vigilância e fiscalização.

  • Joao Pedro Almendra
    Responder

    Vai é tudo á braviantes !

  • Armando
    Responder

    Estacionam todos os dias no passeio dessa rua em frente son 55 impedindo passagem pessoas
    A psp bairro alto não multa porquê?
    Já houve quem a chamasse e informasse desta ocorrência mas continua a acontecer todos os dias

  • João P Ferreira
    Responder

    Usem a APP do Passeio Livre para reportar carros mal estacionados:
    https://play.google.com/store/apps/details?id=com.form.parking.violation
    Parece que funciona junto da PM Lisboa!

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend