Cada vez mais, a identidade de alguns bairros históricos de Lisboa começa a estar marcada pelo trabalho dos modernos artesãos que escolheram ser fiéis às artes tradicionais. O Corvo foi à Mouraria, para descobrir o trabalho da ceramista Maria Caetano.

 

Texto: Rui Lagartinho         Fotografias: Paula Ferreira

 

A Calçada de Santo André é um local estratégico, de passagem dos turistas que gostam de enfrentar as colinas de Lisboa. Antes de virarem à esquerda e seguirem para o Castelo, irem em frente, para Alfama ou para a Feira da Ladra, ou enfrentarem outra calçada que os deixa no Miradouro da Graça, muitos – para recuperarem o fôlego ou movidos pela curiosidade – detêm-se a meio do arruamento. É lá que está o atelier-loja da ceramista Maria Caetano.

 

Lá dentro, mergulham num mundo de sardinicos (sardinha + manjerico) e de sardinhas vendedoras de balões, alguns dos azulejos mais icónicos desta artesã ceramista formada na Escola António Arroio, com mestres como Aldina Costa, Susana Barros e, claro, Querubim Lapa.

 

“Às vezes, à hora do almoço, o mestre Querubim deixava-me ficar, sem ninguém saber, nas oficinas da escola e dizia: ‘experimenta, diverte-te’. E essa postura foi fundamental na forma como desenvolvi o meu trabalho”, explica-nos, enquanto se mostra disponível para os ocasionais visitantes, prestando-se a interromper o seu trabalho. No dia em que o Corvo a visitou, terminava um painel abstracto de cores fortes, encomendado por uns noivos que queriam que os pequenos azulejos que o formavam fossem, depois, repartidos por cada um dos convidados do seu casamento no Alentejo. Bate certo, afinal os azulejos sempre fizeram a sua história virados para o sol e para o sul.

 

MARIA CAETANO SET 2015 (13)

 

 

As paredes do espaço exíguo da oficina exibem as várias experiências com moldes imaginados e depois enchidos, em peças mais tradicionais onde brinca com a tradição dos anjos papudos na azulejaria portuguesa ou em trabalhos mais experimentais – onde o resultado é sempre decidido pelo fogo, “que é quem resolve e determina o sucesso, a identidade de qualquer trabalho.”

 

Maria Caetano sente que, cada vez mais, há um interesse em relação ao trabalho dos ceramistas artesanais e um apurar do gosto pelo regresso ao azulejo como forma de revestimento de fachadas. Mas, depois, “há tanta burocracia por parte da autarquia e tanta exigência, que se distancia da realidade prática, que as pessoas desistem.”

 

MARIA CAETANO SET 2015 (15)

 

 

A ceramista tem participado e dinamizado várias oficinas em que gere o trabalho de vastas equipas de gente dos bairros populares que se unem pelo prazer de fazer. Foi assim que nasceu a escultura-árvore que dá identidade à fachada do Café do Largo no Intendente ou o painel da Nossa Senhora da Saúde, num primeiro andar da Rua do Benformoso, na Mouraria: “Estas acções, que parecem pontuais, prolongam-se no tempo. As pessoas ganham consciência do valor do património incrustado na parede e podem contribuir para estancar a destruição selvagem desta riqueza”, diz.

 

MARIA CAETANO SET 2015 (30)

 

 

Até ao fim do ano, o espaço contíguo ao seu local de trabalho será transformado numa oficina aberta a quem quiser aprender a técnica da azulejaria e logo ali passar à prática, imaginando, pintando e cozendo o seu próprio azulejo.

 

Ateliê-Loja de Maria Caetano

Calçada de Santo André, 91

 

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com