machete1120x220

Há muita vida dentro das estações do metropolitano de Lisboa, mas “zonas comerciais precisam de ser renovadas”

Há muita vida dentro das estações do metropolitano de Lisboa, mas “zonas comerciais precisam de ser renovadas”

Nas lojas instaladas nas estações de metro do Campo Grande, Alameda e Marquês de Pombal, há centenas de pessoas a comprarem, todos os dias. A Metrocom, responsável pela gestão das 200 lojas da rede metropolitana, quer, agora, tornar estas áreas “mais agradáveis” e arrendar novos espaços a pop-up stores, quiosques, escolas de línguas, centros clínicos, entre outros. Os comerciantes aplaudem a iniciativa, mas não deixam de fazer reparos.
/

Polémico projecto imobiliário de luxo previsto para a Damasceno Monteiro, na Graça, será viabilizado pelo PSD

Polémico projecto imobiliário de luxo previsto para a Damasceno Monteiro, na Graça, será viabilizado pelo PSD

Em Dezembro passado, CDS, PCP e BE garantiram que votariam contra o projecto imobiliário Terraços do Monte e a decisão final ficou, então, nas mãos do PSD, que estaria indeciso na apreciação do mesmo. Agora, o vereador laranja João Pedro Costa avança a O Corvo que o seu sentido de voto será positivo. Segundo um estudo geológico favorável à construção, não haverá deslizamento dos terrenos.
/
Moradores e comerciantes do Bairro Alto dizem que EMEL está, cada vez mais, a dificultar-lhes vida e negócios

Moradores e comerciantes do Bairro Alto dizem que EMEL está, cada vez mais, a dificultar-lhes vida e negócios

Para acederem ao bairro histórico, por pouco tempo, para ajudarem os pais, muito deles idosos com mobilidade reduzida, ou apenas descarregarem compras, os residentes têm de comprar um cartão com saldo de 25 euros. Já os comerciantes estão incrédulos com o aumento, no mês passado, do valor anual do Dístico de Cargas e Descargas, de 19 para 320 euros.
/

Apesar de confirmar a colocação da vedação, Medina nega que a sua intenção seja privatizar o Adamastor

Apesar de confirmar a colocação da vedação, Medina nega que a sua intenção seja privatizar o Adamastor

A Câmara Municipal de Lisboa apresentou, durante a noite desta quarta-feira (13 de Fevereiro), o projecto de requalificação do Jardim de Santa Catarina, também conhecido como Miradouro de Adamastor. A sessão, ocorrida no Liceu Passos Manuel e aberta ao público, contou com a presença do presidente da autarquia, Fernando Medina, e terminou num acalorado deabte. "Não assumo qualquer sentido de orientação para o processo que não seja para o bem-estar dos moradores”, disse Medina, ante a contestação vinda da assistência ao projecto de vedação do espaço público.
/
No Areeiro, abrem e fecham lojas em poucos meses, mas nas avenidas principais o comércio consolida-se

No Areeiro, abrem e fecham lojas em poucos meses, mas nas avenidas principais o comércio consolida-se

Diversos comerciantes da freguesia dizem que nunca assistiram a uma volatilidade “tão grande” das lojas. Em poucos meses, abrem e fecham espaços comerciais, por não conseguirem suportar as rendas - que, no último ano, subiram nas zonas históricas e no centro de Lisboa. No Areeiro, os valores pedidos terão aumentado “consideravelmente”, diz-se. Mas há quem, como a associação de comerciantes do bairro, até considere estar-se perante uma dinâmica positiva.
/

Portfólio.  Muitas vezes, o que se passa na cidade pode ser melhor descrito em fotografias. Ei-las

Portfólio

As muitas formas da água na arquitectura da freguesia da Misericórdia, bem no centro de Lisboa

As muitas formas da água na arquitectura da freguesia da Misericórdia, bem no centro de Lisboa

O livro “Arquitectura da Água na Freguesia da Misericórdia”, lançado há poucas semanas pela junta de freguesia daquela área da zona central de Lisboa, recorda a importância da distribuição e do fornecimento do precioso líquido na forma como se foi construindo ao longo dos séculos na capital. Da autoria de Paulo Figueiredo e de distribuição gratuita, a publicação tem o mérito de nos fazer voltar a olhar para infraestruturas tão importantes para a cidade, como o Reservatório da Patriarcal, no Príncipe Real, concluído em 1864, mas também para equipamentos de uso mais localizado, como o Chafariz de São Paulo (1849) e o Lago da Praça das Flores (1859). ...

Galeria de Vídeos. 

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com