Procissão mais antiga de Lisboa encheu Martim Moniz

REPORTAGEM
Carla Rosado (Fotografia)

Fotografia

Fernanda Ribeiro

Texto

VIDA NA CIDADE

Santa Maria Maior

12 Maio, 2014

Nem todos seriam devotos, mas muitas centenas de pessoas encheram domingo o Martim Moniz e a Avenida Almirante Reis para acompanhar a procissão mais antiga de Lisboa, em honra de Nossa Senhora da Saúde, na qual participou também a brigada a cavalo da GNR.

 

No percurso, ainda se viram colchas e estandartes pendurados nas varandas e na rua vendiam-se velas e molhos de rosmaninho, como antigamente. Mas, à passagem da procissão, também houve quem da janela saudasse a imagem da Virgem, acenando uma faixa rubra e gritando “SLB!”, o que irritou alguns devotos.

 

O culto a Nossa Senhora da Saúde é muito antigo e foi a ela que a população crente de Lisboa se dirigiu, pedindo clemência, quando em 1570 a peste assolava a cidade. Hoje, os pedidos feitos pela população serão outros e na zona do Intendente e Martim Moniz, onde há muita população idosa, a saúde estará provavelmente entre os bens mais solicitados à Virgem.

 

Interrompida em 1910, com a implantação da República, a procissão foi retomada em 1940, para voltar a ter um hiato nos anos que se seguiram ao 25 de Abril de 1974, vindo a ser retomada em 1981.

 

A procissão, que sai da ermida de Nossa Senhora da Saúde, no Martim Moniz, sobe a Rua do Benformoso até ao Intendente, para depois descer a Almirante Reis, Rua da Palma, passando ainda pela Praça da Figueira e Poço do Borratém, antes de regressar de novo à capela.


 

cr_PNossaSraSaude_110514_01

cr_PNossaSraSaude_110514_03

cr_PNossaSraSaude_110514_04

cr_PNossaSraSaude_110514_05

cr_PNossaSraSaude_110514_06

cr_PNossaSraSaude_110514_08

cr_PNossaSraSaude_110514_09

cr_PNossaSraSaude_110514_10

MAIS REPORTAGEM

COMENTÁRIOS

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend