Aproveitando a boleia na liberalização do licenciamento turístico criada pelo Governo, uma nova vaga de empresas de veículos motorizados tenta apanhar todos os turistas. As ruas da cidade encheram-se de tuk tuk. Os taxistas não gostam e falam em falta de regras. Até as deslocações para o aeroporto são disputadas, queixam-se. Por isso, a autarquia está a preparar um regulamento específico.

 

Texto: Samuel Alemão

 

São cada vez mais e estão por todo o lado. Os tuk tuk implantaram-se em Lisboa de tal forma, e tão rápido, que os taxistas se sentem ameaçados pela sua concorrência. Dizem que as empresas que exploram o meio de transporte originário das cidades indianas operam de forma desregrada e, por isso, lhes roubam clientes. Depois de terem manifestado ao Governo e à Câmara Municipal de Lisboa (CML) a sua preocupação, aguardam com ansiedade a apresentação do regulamento que a autarquia da capital está a preparar para enquadrar o novo sector. Até lá, é o vale tudo. Ou quase.

“Precisamos de saber as regras do jogo. Não temos nada contra a existência de outros meios de transporte, sobretudo em certas zonas, como em muitas ruas do centro histórico, em que os táxis não circulam com facilidade. Mas não podemos admitir que as coisas sejam feitas desta maneira, em que os tuk tuk estão a apanhar pessoas em qualquer sítio e a levá-las a qualquer lugar, como o aeroporto”, queixa-se ao Corvo Carlos Ramos, presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT), defendendo a rápida criação de um regulamento municipal que enquadre a actividade das motos-táxi de inspiração asiática.

O desejado regulamento estará a ser preparado pela Direcção Municipal de Mobilidade e Trânsito da edilidade lisboeta, tornou público, numa recente reunião de executivo, o vereador Manuel Salgado – que, além do Urbanismo e Reabilitação Urbana, gere ainda o pelouro do Planeamento. Sem mais adiantar sobre o andamento do processo, Salgado admitia assim a relevância do problema, após sobre ele ter sido interpelado pelo vereador Carlos Moura, do PCP. A própria câmara desconhece o número exacto de veículos destes em circulação.

O eleito comunista criticara o facto de os tuk tuk operarem em quatro circuitos predefinidos, “mais um que poderão realizar discricionariamente”. Uma realidade confirmada por Carlos Ramos, da FPT, e que estará na origem do aparente “caos” instalado na forma como é realizado o negócio. “Como esse quinto percurso é indiferenciado, abre-se a porta para se realizar qualquer trajecto. Eles fazem o que querem, pois não existe limite”, explica Carlos Ramos, adiantando que “a própria PSP não sabe o que fazer” ante este buraco legal. Para todos os efeitos, os tuk tuk funcionam em roda livre no que aos trajectos se refere.

O dirigente associativo dos taxistas garante que fez chegar o descontentamento não apenas junto da câmara como do Governo. “Perguntámos ao IMT qual a autorização que haviam concedido, e com que enquadramento, para o funcionamento deste tipo de transporte, mas eles responderam-nos que nem sequer haviam sido consultados sobre isto”, diz Carlos Ramos, considerando que “a cidade de Lisboa não tem condições para que se verifique uma situação destas”.

 

fotografia-309

 

 

O mesmo pensa o vereador Carlos Moura (PCP), que já reuniu com a FPT para debater este assunto. “Os tuk tuk deveriam ser um instrumento de acesso a determinados locais, mas de forma completamemte clara e regrada. O que se verifica, porém, é que estão desvirtuados em relação à sua finalidade inicial e transformados num sistema de transportes, que faz qualquer tipo de serviço, mas sem as condições requeridas, como o seguro ou a carteira profissional”, afirma. “Neste momento, não se sabe muito bem qual o tipo de serviços e em que condições são prestados. Dá a ideia que quem quer explorar este negócio pode fazê-lo”.

De facto, tal não anda muito longe da verdade, pois o licenciamento para este negócio está dependente, não do IMT, mas do Turismo de Portugal, sob a alçada do Ministério da Economia. A tutela aprovou, há um ano, um novo quadro legal que liberalizou o acesso à animação turística, como forma de dinamizar a economia e promover o emprego. E é sob esse chapéu legal que, entre outros negócios, tem proliferado a actividade dos operadores de tuk tuk. Segundo dados revelados, na semana passada, só no primeiro semestre deste ano registou-se um aumento de 18% em relação ao ano passado de empresas de animação turística.

Satisfeito com este resultados, em declaração ao Dinheiro Vivo, o secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita Nunes, disse: “A liberalização da economia resulta. Quando o Estado dá espaço às empresas, as empresas respondem, e respondem com criação de emprego e crescimento”. Mas o “espírito liberal” face à actividade turística em geral, e também neste caso concreto, não é praticado apenas pelo Governo.

Apesar de estar a preparar um regulamento, implicitamente reconhecendo a inexistência de um quadro legal claro, a câmara municipal não teve problemas em estabelecer parceria com uma das empresas para os Casamentos de Santo António deste ano. E foi ao ponto de a promover na sua página institucional. “Tuk Tuk é uma empresa de circuitos turísticos que tem como objetivo exceder as expetativas dos clientes, através de um serviço de excelência e eficácia. Meio de transporte inovador de possível utilização na cidade de Lisboa, que proporciona conforto e segurança, tranquilidade e ao mesmo tempo inovação, todos necessários para disfrutar da cidade”, lê-se.

  • Manuela Costa Dias
    Responder

    Primeiro…disparam, depois, perguntam quem vem lá!!! 3:)

  • AdrnDgmr SylMłck
    Responder

    um absurdo…são serviços diferentes que podem conviver

  • Paulo Ferrero
    Responder

    Entre os táxis e os tuk tuk, 1.000 vezes os 2ºs.

    • puto
      Responder

      Ó tonho do Castelo de S. Jorge ao Martim Moniz de taxi pagas 5,00 euros de tuk tuk pagas 15 euros e não levas factura pois eles não têm. Deves ser rico.

  • Luís Paixão Martins
    Responder

    Pressionados pelos tuk tuk, CML vai pôr ordem nos taxistas.

  • Luís Brântuas
    Responder

    🙁

  • Bruno
    Responder

    Os tuk tuk só fazem barulho na cidade, especialmente na rua onde fica a garagem..é insoportável! As vezes fazen cargas e descargas de tuk tuk até a meia-noite!

    Os tuk tuk estão a entrar e sair da “garagem” o dia tudo e há um barulho contínuo. A rua é só residencial e mesmo estreita. Não tem consideração nenhuma com a vizinhança. A garagem deveria estar numa zona onde não incomode aos moradores e não numa rua estreita no centro histórico.

    Onde é que poderia fazer uma queixa? A gente já tentou falar com o propietário para eles ter mais consideração mas ele disse que “somos pessoas complicadas” e não quer mudar nada.

    • Manuel João
      Responder

      Existem Tuks electricos…

    • Manuel Almeida
      Responder

      Tente ver os tuks eléctricos…

  • Bruno
    Responder

    Os taxistas queixam-se que os Tuk-tuk lhes roubam clientes… Muito bem. E os clientes que os taxistas roubam??!?!? Não têm direito a ser recebidos na Câmara tambem?!? Os “pobres” dos taxistas, que com o seu lobby retardaram ao maximo a construção da linha de Metro até ao aeroporto para poderem roubar os turistas ao maximo e em maior parte dos casos escaparem com impunidade…
    Falaram,no texto, de carteira profissional… E os taxistas têm estas carteiras??!? Da forma que eu vejo a maioria deles a conduzir pela cidade, pergunto-me muitas vezes se eles sequer têm carta de condução.
    Os Tuk-tuk são concorrência, e na sociedade em que vivemos tal não é proibido e em grande parte das vezes até é mesmo estimulado por isso aguentem que se os taxistas se sentem roubaados tambem centenas de passageiros tambem ja assim se sentiram por taxistas… Alem de que o Tuk-tuk é um transporte sazonal… em Outubro ja não se queixaram tanto.

    • Bruno 2
      Responder

      O Tuk-tuk não é sazonal…estiveram o ano todo a circular no 2013-2014. Só param quando há chuva..ainda bem!!!

  • Lili Oliveira
    Responder

    Para quem não trabalha no ramo, realmente pode até parecer algo mesquinho, mas um turista que visita é portugal na sua primeira vez é esta a imagem de país de 3mundo que leva, espero que esta historia de abrir o turismo a tudo e a todos termine rapidamente, para o bom nome de portugal, e para que o terramoto de 1755 volte a sua data original, que o marquês de pombal, volte a ser Sebastião de Carvalho e Melo e outras tantas barbaridades acabem de uma vez e deixem o turismo para os profissionais da área e não para meros curiosos!

  • Responder

    A Federação Portuguesa do Táxi está para os tuk-tuk como a Associação da Hotelaria em Portugal está para o AIRBNB …
    É necessária e indispensável um regulação que leve ao equilíbrio de ocupação e actividades no Espaço Público e contrarie a saturação caótica …
    Nesse sentido vale a pena darmos atenção à notícia de hoje : “Governo catalão quer bloquear Airbnb”
    O Governo regional da Catalunha anunciou hoje que está a estudar impedir o acesso na região à plataforma de partilha de quartos Airbnb, um êxito da “economia colaborativa”, por considerar ilegal a oferta desta empresa.

    ou ainda : “A boa gestão do Turismo está intrísecamente e necessáriamente interligada com o Planeamento Urbanístico e Gestão do Espaço Público. Alojamentos alternativos sobem em flecha. Why Hotel Industry Lobbyists Want A Global Crac kdown On Airbnb.”

  • silvia
    Responder

    O que realmente me incómoda é o que refere o Bruno, o barulho! ! É realmente insuportável. Para mim é poluição sonora. Não sou contra a sua circulação mas deveriam controlar e deveria ser proibido fazerem tanto barulho! !!!

    • Manuel Almeida
      Responder

      Silvia, experimente os tuks electricos e verá a diferença. Aí sim, concordo que a CML deveria agir porque há muita gente a queixar do ruido

    • Motard
      Responder

      barrulho de um tuk tuk !!! esse mal menos para resto do barulho que a nas zonas históricas!!!

      muda.te para o Alentejo assim sou ouves o som das vacas

  • Rui Santos
    Responder

    O senhor secretário de estado do turismo que me explique porque razão as empresas ja seniores no turismo estão a encerrar portas e as novas a prosperar? Pagamos todos os devidos impostos? Temos qualificações para desempenhar funções de informação turística fidigna ao cliente?
    Acho que assim a galinha dos ovos de ouro não vai durar muito…

  • Miguel Tomás
    Responder

    Pressionada pelos taxistas, Câmara de Lisboa vai pôr ordem nos tuk tuk http://t.co/QNTAOCO54T

  • Infotaxi.net
    Responder

    Pressionada pelos taxistas, Câmara de Lisboa vai pôr ordem nos tuk tuk http://t.co/Nbq4WSYcL4

  • Autonomos Unidos
    Responder

    RT @infotaxinet: Pressionada pelos taxistas, Câmara de Lisboa vai pôr ordem nos tuk tuk http://t.co/Nbq4WSYcL4

  • João Daniel
    Responder

    Pressionada pelos taxistas, Câmara de Lisboa vai pôr ordem nos tuk tuk http://t.co/w9iyDlGhsa

  • Adélia Da Fonseca Ries
    Responder

    Digo, por expriência, que se deve pôr EM PRIMEIRO LUGAR, ordem em alguns -muitos!_ taxistas que exercem em Lisboa. Felizmente ha-os excelentes. MAS deixem os tuk-tuk em paz!! Sao serviços diferentes!! que existem em variadissimas cidades pelo mundo fora. Lisboa tem um clima propicio aos tuk-tuk e mais, muito mais. Haja variedade na oferta!!!

    • Bruno
      Responder

      Sim, haja variedade. Mas controlada. Acho que a Adélia não mora numa das ruas onde contínuamente 7 dias por semana estão circular tuk tuks que fazem barulho o dia tudo e tem de estar dentro de casa com as janelas fechadas…. O primeiro numa cidade são os moradores.

  • Miguel de Sepúlveda Velloso
    Responder

    Os taxis atiram-se a qq serviço. No domingo passado pré-reservei um táxi para ir para o aeroporto. A coisa era para as seis da manhã. como vivo em Santos, a central não tinha táxis disponíveis. Estavam todos à cata dos noctívagos que enxameiam a zona depois do Urban fechar.

    Resultado, ia perdendo o avião e um dia de trabalho. haja mais tuk-tuks e menos táxis arrivistas que o querem é serviço e não profissionalismo.

    • Bruno
      Responder

      hahaha! Sim, serviço de tuk tuk às 6 da manhã…são tão silenciosos….eu gostaria que o Sr. Miguel tivera as janelas ao pé das ruas por onde eles passam

  • Miguel Oliveira
    Responder

    Nos tuk tuks tal como nos táxis é preciso separar quem está de forma séria e cumpre com as regras e quem não está. O problema da poluição atmosférica e sonora é cada vez mais grave na cidade, se queremos uma cidade limpa, faz sentido que sejam os veículos motorizados a circular na zona histórica? Corram tudo a veículos eléctricos que não fazem qualquer tipo de poluição.

    • Bruno 2
      Responder

      E a poluição sonora? Os tuk tuk fazem um barulho horrível todos os dias e tenho certeza que não cumprem com as regras da lei do ruído. Já nem sequer em casa podemos descansar.. é uma vergonha!

  • tuketequeixas
    Responder

    Oedem! Si, ordem é bom!
    Mas vejamos…
    Roubam trabalho aos taxistas? Sim e não. Roubam na medida em que normalmente as pessoas preferem condutores com meçhor aspecto. Roubam pq ai contrário dos taxistas, os tukers nao passam o dia a cortar as unhas dentro do taxi, onde esperam q caia ocliente… Roubam alguns pequenos trajectos sim, mas os taxis tb! Nos terminais de cruzeiros os taxis lá estão…Sempre. A fazer serviços de turismo. Quem rouba quem? Falsa questão.Aqui os numeros sao residuais pois serão 2 ou 3 por cento dos seus seviços.. taxis transportam e tuks fazes tours.
    Normalmente é a questão de anti-corpos ao q é novo!
    Ordem si,. mas creio q só mesmo no numero de tuks q andam em Lx. Deveria haver um limite, claramente!
    quem procura um táxi procura transporte , quem procura um tuk, procura simpatia e diversão.
    E diga-se…há taxistas que sao verdadeiros bichos… E os aceleradores de taximetro? e as facturas ilegais? e de resto tb o numero de taxistas que sao policias na reforma… Enfim…. mudam-se os tempos..Srs Taxistas aguentem-se…Evoluam, seja simpáticos e tenham “bom ar”!!
    bem-haja! 😉

  • Carlos Santos
    Responder

    Eis uma interessante questão.
    vistas bem as coisas os senhores taxistas têm toda a razão , os tuk tuk deviam , como ja li algures ” serem todos queimados” ou “atirados ao rio”..
    Das duas uma , ou obrigavam os turias todos a andar de taxi , ou acabavasse de vez com os tuk tuk para não aver escolha ( aproveitavasse e acabava tambem os autocarros “sigthseeing” e e proibia o acesso de turistas ao metropolitano e aos eletricos da carris .
    Era uma excelente ideia pois assim os autocarros andavam mais leves e não poluiam tanto.
    Para tornar Lisboa uma cidade mais ecologica deviam proibit tambem os navios de cruseiro , são muito grandes e poluem muito .
    Os turistas que nos quisessem visitar deveriam ser obrigados a vir de caravela , meio de transporte muito mais ecologico.
    Agora lembreime de uma outra ideia que iria acabar com muita da poluição , proibiam-se os taxis , os taxistas deveriam trabalhar obrigatóriamente de carroça , um meio de transporte mais ecologico.
    Agora a sério , já pensaram bem que se viajar ( passear ) de tuk tuk é , como dizem , bem mais caro do que andar de taxi , porque será que os turistas teimam em andar de tuk tuk ?
    Haverá alguma lei que proiba um taxista de comprar um tuk tuk e dedicarse a essa actividade ? pelo que parece ha demasiada oferta desses veiculos em Lisboa , e pelo bem de todos deve ser regulada a sua utilisação “exclusivamente para passeios e actividades turisticas” .
    As proprias empresas de Tuk Tuk sabem bem que não podem fazer “serviço de taxi” e deviam ser elas mesmo a nunca cederem á tentação de fazer esses serviços que alem de ilegais servem para que os taxistas fiquem com provas de que realmente os fizeram.
    Se não houvessem turistas a gostar de vir a Lisboa o caso não se punha sequer , pois sem turistas não ha tuk tuk que resistam e os taxistas “orientavam-se” na mesma com os “serviços publico de transporte ” que é o seu ramo de actividade e não o ramo do turismo .
    Vão com calma que ha lugar para todos.

  • MIGUEL
    Responder

    EU ACHO ENGRAÇADO ESSA DOS SENHORES TAXISTAS DISEREM QUE OS TUK TUK ROUBAM SERVIÇO AOS TAXIS PODE ATE ROUBAR MAS O CLIENTE PAGA TEM OPÇAO DE ESCOLHA ,MAIS GRAVE É OS TAXISTAS FAZEREM TRANSPORTE DE DOENTES E AINDA FAZEREM BARULHO PORQUE OS BOMBEIROS LHES TIRAM OS SERVIÇOS DE HEMODIALIZE E ESTA HEIIIII

  • amadeus
    Responder

    de facto os tuk tuk sao a diferença…pontuam pela cidade..oferecendo um serviço diferenciado..os taxistas ..perdao os srs taxistas reclama do que? cobram o mesmo que os tuk? prestam o mesmo serviço? em vez de estarem nos terminais de cruzeiro …coisa para a qual nao tem atribuiçao deviam deixar a jogatana..e de facto focarem-se naquilo que é verdadeiramente importante…darem uma boa imagem de lisboa

  • amadeus
    Responder

    surpreende-me os comentarios do sr bruno…que passa a vida inteira…a filmar os tuk tuk…como se tivesse o fetiche do voyeurismo…

  • Andre
    Responder

    Para quem nao tem a minima ideia dos custos e da burocracia constante no mundo dos taxis é facil falar.

    O problema aqui nao sao os tuk tuk a “roubarem” clientes aos taxistas, o problema é que nao têm qualquer tipo de controle. Estacionam onde querem, apanham clientes em qualquer lugar e preçarios completamente loucos…

    Empregados maus ha em todo o lado, infelizmente no mundo dos taxis ha demasiados mas isso é outra questao.

  • Motard
    Responder

    Estavam habituados a mama de enganar os turistas !!!

    Tenho uma pena do caraças dessa raça são ordinários sem educação grande parte a noite andam todos drogados, e digam la como que falam com os turistas que nem português sabem falar !!!!

    Eu moro mesmo na zona histórica de lisboa acho muito bem os tuk tuk dá muita alegria a esta zona e com a quem diga aqui do barulho que fazem !!!

    fazem muito mais barulhos os eléctricos e ninguém reclama os carros o transito que esta cada vez pior esse sim devia ser retirado desta zona e ficar só para quem mora …

    Entre outras coisas que devia ser mudado por estas zonas ,

    Boas Curvas

  • joao ROQUE
    Responder

    Bom dia a todos ! Visitei em 2013 e 2014 varias vezes apos 30 anos a viver no estrangeiro , deixei o meu pais para fugir a pobresa , apos varias visitas encontrei o meu pais renovado e as geracoes recentes com uma grande aberture de espirito , tolerancia e fertilidada de espirito para inovar e contruir deversidade na oferta e qualidade a propor a touristas e a os que visitao o nosso pais , rico em diversidade , cultura e gastronomia, agora vou dar o meu ponto de vista sobre o pseudo problema dos tuks , em realidade a atividade deve ser enquadrada , mas sem ditadura e sem exagero , existe lugar para todos mas sem anarquia , a diversidade e inovacao cria riquesa e rende o nosso pais mais acolhente , recetivo e moderno.pessoalmente o meu pais me surprendeu pela qualidade de vida ,e o modernismo que encontrei , desejo voltar para portugal ,porque hoje tenho orgulho do meu pais , e volto agora para investir e trabalhar , se o meu pais o permitir , e ninguem me impedir , falo da burocracia , ate breve a todos , viva o modernismo e a abertura de espirito .

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com