Para além da já muito falada criação da taxa de turismo, a grande novidade do orçamento da Câmara Municipal de Lisboa para 2015 – de 698,5 milhões de euros -, apresentado nesta segunda-feira (10 de Novembro), pelo seu presidente, António Costa, reside no surgimento da Taxa Municipal de Protecção Civil (TMPC). A nova fonte de receita, que substituirá a Taxa de Conservação de Esgotos (TCE), deverá render aos cofres do município cerca de 18,9 milhões de euros e será financiada por “actividades ou usos de risco acrescido”. A Associação Lisbonense de Proprietários (ALP) já contestou a sua criação.

 

O surgimento da TMPC significa que, para além do agravamento das contribuições para “usos específicos” de um conjunto alargado de edifícios, recintos e equipamentos – como as redes de gás e electricidade, as bombas de gasolina ou os parques de estacionamento -, se dá também o “agravamento para edifícios, recintos e equipamentos com risco acrescido”. “Haverá com esta taxa um agravamento para dissuadir e penalizar comportamentos de risco para a cidade”, disse António Costa, assegurando que a mesma “será neutra para os residente”, pois terá o mesmo valor que a agora extinta TCE, a integrar na taxa de saneamento.

 

“Tal como já fizemos com o IMI para os prédios devolutos, visando a criação de um incentivo à sua colocação no mercado, serão considerados prédios em risco aqueles que estejam degradados, devolutos ou em ruínas”, afirmou o presidente da autarquia da capital. Costa salientara, momentos antes, e em jeito de justificação para a nova taxa, o papel desempenhado tanto pelo Regimento de Sapadores Bombeiros (RSB), como pelo Departamento Municipal de Protecção Civil, tendo o primeiro respondido, em 2013, a mais de 18.000 ocorrências e o segundo a 1.281.

 

No documento entregue aos jornalistas com as principais linhas orientadoras do orçamento municipal para 2015, não se quantifica o valor expectável de colecta de receita através da oneração de prédios “degradados”, “devolutos” ou em “ruínas”. Mas explica-se que a TMPC incidirá sobre o “valor patrimonial tributário (VPT) dos prédios urbanos, no valor de 1/8 de 0,3% do VPT”. “Exactamente o mesmo da actual TCE (que será extinta), não onerando assim os munícipes”, garante o documento.

 

A anunciada taxa causou já uma manifestação de forte desagrado por parte da Associação Lisbonense de Proprietários (ALP). Através de comunicado, esta disse repudiar a “criação de impostos encapotados e taxas ilegais”. O documento acusa: “Ao contrário do que tem vindo a ser afirmado, o executivo camarário ainda liderado por António Costa não pretende extinguir, mas sim reconverter a taxa de esgotos. A mesma passará a ser paga diluída nas taxas de saneamento e de resíduos (que são pagas na conta da água). Mais gravosa ainda é a criação ilegal de uma Taxa de Protecção Civil, com a qual a Câmara de Lisboa pretende encaixar quase 19 milhões de euros em 2015”.

 

Os representantes dos proprietários dizem que “a protecção civil é uma função geral do Estado e não pode ser financiada por taxas”. Por isso, a ALP – que recorda que “a cidade de Lisboa foi a mais afectada pelo injustificado congelamento de um século das rendas”, que causou “a degradação e o abandono a que foi votado o seu centro urbano e o seu edificado” – promete “bater-se contra a criação de quaisquer impostos encapotados e taxas ilegais nas instâncias judiciais competentes, prestando apoio aos seus associados que venham a ser sujeitos à cobrança destas taxas ilegais”.

 

Mais informação sobre o orçamento municipal: http://www.cm-lisboa.pt/fileadmin/Noticias/ficheiros/Apresentacao_Orcamento_2015.pdf

 

Texto: Samuel Alemão

  • eu
    Responder

    “18.000 ocorrências”, muito bem escrito. Viva o analfabetismo.

  • Zé Miguel
    Responder

    Vinha mesmo a calhar um terramotozito!

  • Gerardo Lima
    Responder

    toda taxa para prédios devolutos é pouca; ter prédios devolutos no centro de Lisboa é especulação, uma vergonha que sai caro a todos os contribuintes

  • GuestPT2012
    Responder

    RT @tuga_news: [O Corvo] Prédios devolutos e em ruínas vão financiar nova taxa de protecção civil http://t.co/zifR35LGGx

  • Helena Rodrigues
    Responder

    Pois, mas há processos de partilhas que se arrastam anos em tribunal.

  • Mónica Amaral Ferreira
    Responder

    Nem só os devolutos e em ruínas constituem um perigo para a população. Esquecem-se de todos os que não têm resistência sísmica, por ex.

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com