O aspecto é decadente, desde há muito. Mais que isso, o crónico mau estado de conservação chegou a um ponto tal que, no ano passado, partes da fachada caíram, obrigando ao encerramento temporário da via pública. Depois disso, o mais que se viu no prédio com os números 42-46 da Rua dos Remolares, ao Cais do Sodré, foi a substituição dos velhos taipais que, há anos, tentam prevenir os efeitos do avançado estado de ruína nos pisos superiores. Um cenário que está prestes a acabar, promete o fundo de investimento Sete Colinas, detido pela Caixa Geral de Depósitos e dono do imóvel.

 

Questionada pelo Corvo sobre este assunto, fonte oficial da instituição financeira detida pelo Estado explicou que o referido edifício “tem um projeto de reabilitação aprovado na Câmara Municipal de Lisboa, o qual foi objeto de uma análise para melhor o enquadrar na procura atual de mercado, prevendo-se que, a curto prazo, possam iniciar-se as obras de requalificação e, na sequência, a sua comercialização”. Poderá estar, assim, para breve o início da recuperação de um prédio que, de tantos anos de abandono, tem já frondosos arbustos no topo da fachada.

 

O edifício foi adquirido, em 2008, pelo Fundo de Investimento Imobiliário Sete Colinas, que na altura valia 90 milhões de euros e pertencia à Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário (Fundimo), da Caixa Gestão de Activos. O fundo passou, porém, a designar-se de Fundger, na sequência do processo de averiguações aberto, no final de de 2011, pela própria Caixa e da queixa-crime que esta fez ao Ministério Público pela suspeita de ilegalidades em processos de compra e venda de imóveis em 2007 e 2008. O caso foi noticiado em Julho de 2013 pelo jornal PÚBLICO.

 

Texto: Samuel Alemão

 

Comentários
  • Helena Galamba
    Responder

    A zona do Cais do Sodré tem prédios quase a cair, especialmente na rua do Arsenal.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com