Uma imagem de décadas mudada no espaço de uma semana. Foram necessários apenas alguns dias para que o lugar onde, desde o início dos anos 1980, funcionou o Mercado da Praça de Espanha mudasse radicalmente de aspecto. O terreno está agora livre para a Câmara Municipal de Lisboa (CML) fazer ali o prometido novo espaço público de qualidade que obrigou ao encerramento do espaço comercial, no final de Setembro. Depois de concretizado o despejo dos 69 comerciantes que ali operavam – indemnizados com um total de 821 mil euros -, numa operação aprovada em reunião de câmara no início desse mês, a estrutura metálica que albergava o conjunto dos postos de venda manteve-se expectante durante o mês de Outubro.

 

IMG_4741

 

Na semana passada, as máquinas contratadas para demolir aquele espaço deram conta do trabalho em pouco tempo. A superfície encontra-se desimpedida e limpa de qualquer estrutura. Está assim removido o maior obstáculo para que a CML possa levar por diante aquilo que já se defendia, em 2012, num estudo de reabilitação urbanística da Praça de Espanha, encomendado ao Instituto Superior Técnico e que serve de base ao plano da autarquia: “Criação de uma proposta global de praça pública e/ou parque urbano, espaço público de qualidade de grande escala, integrada na malha urbana da cidade de Lisboa, com expressão relevante para a fixação de atividades de lazer, estruturado por percursos pedonais de continuidade com a malha urbana envolvente, bem servida de transportes coletivos”.

 

IMG_4725

 

O avanço agora conseguido surge após a assinatura, em Julho passado, de um contrato de permuta de terrenos entre a CML e a Caixa Económica Montepio Geral e a seguradora Lusitânia. Estas duas entidades cederam à câmara as parcelas onde estava instalado o mercado entretanto encerrado, tendo em troca a autarquia oferecido um terreno municipal, situado entre a Praça de Espanha, a Avenida de Berna e a Avenida Santos Dumont, no qual deverão construir a sua sede e que estaria avaliado em 12 milhões de euros. A edilidade espera também a saída da Praça de Espanha do terminal de autocarros suburbanos, que se deverá mudar para Sete Rios, junto ao Jardim Zoológico de Lisboa.

 

Texto: Samuel Alemão

Comentários

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com