Acabou de ser inaugurado, mas já tem uma zona interdita, porque o terreno sobre o qual assenta está a ceder. O Corvo passeou ontem pelo Jardim da Cerca da Graça, o qual abriu ao público na quarta-feira da semana passada (17 de Junho), e encontrou uma área do pavimento partida e atravessada por uma grande fissura numa das suas entradas, junto ao Caracol da Graça. Num dos canteiros adjacentes, são visíveis pedaços soltos deste revestimento, que podem ser levados para casa como recordação.

 

DSCN0388

 

Aquele local, que serve também de miradouro sobre a cidade, tem agora o acesso vedado ao público. Não é possível, por isso, a aproximação ao varandim metálico, nem a utilização dos bancos de jardim ali existentes. O facto de um dos candeeiros instalados no recinto, mesmo ao lado, estar colocado num plano inclinado poderia deixar adivinhar a ausência de um fio de um prumo, que, por certo, detectaria um efeito visual ao jeito da Torre de Pisa, às portas da Mouraria. Mas tal dever-se-á também ao mesmo problema de indevida compactação dos terrenos.

 

DSCN0384

 

 

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Poucos dias após inauguração, Jardim da Cerca da Graça já tem obras de reparação http://t.co/CbPpGKbOBg

  • Man Next Door
    Responder

    Poucos dias após inauguração, Jardim da Cerca da Graça já tem obras de reparação http://t.co/WZ3RauLi2l

  • Ana Barreto
    Responder

    É o costume…..!!!

  • Filomena Oliveira
    Responder

    uma tristeza!

  • Agostinho Pissarreira
    Responder

    É bem verdade, infelizmente. Fui lá no sábado passado e, para surpresa minha, deparei-me, mal entrei, com grandes brechas no chão.

  • carlos guimarães
    Responder

    Na origem destas anomalias está sempre o uso de materiais de baixo custo mas que são pagos como se fossem de primeira. É tudo a “gamar”……

  • Adelaide dos Anjos
    Responder

    Primeiro inaugura-se, depois desinaugura-se ! O habitual em tempos de eleições. Vereador Sá Fernandes e seus jardins e esplanadas…

  • José
    Responder

    Este pavimento foi usado, na avenida Luisa Todi, em Setúbal(ciclovia), e já foi substituído várias vezes(GARANTIA DA OBRA).
    Este pavimento consiste em pedritas coladas umas ás outras(NÃO PRESTA).
    Passado algum tempo, vão criar buracos e fica em terra.
    A melhor ideia, é substituir por cimento ou outro tipo de pavimento, fica mais feio mas é pratico.

  • José
    Responder

    Vejam noticias na GOOGLE,sobre este género de pavimento na ciclovia em Setúbal.

  • José
    Responder

    É tão triste ver estas noticias .
    Copiem o melhor, gasta-se dinheiro em tipos de piso que não duram tempo nenhum.
    Será que andam a dormir, será que ninguém terá a responsabilidade. Isto é BURRICE.

    • António Martins
      Responder

      Não José. Não é burrice.

  • José
    Responder

    Vários troços do pavimento da ciclovia da Avenida Luísa Todi estão a ser reparados numa operação iniciada no dia 4, sem custos para a Câmara Municipal, com trabalhos realizados pelo empreiteiro responsável pela execução original.

  • Ricardo Conceição
    Responder

    Poucos dias após inauguração, Jardim da Cerca da Graça já tem obras de reparação http://t.co/gIYlPmTE0P

  • JoaoCao
    Responder

    Uma amiga me mostrou também fotos que tirou de trabalhadores da câmara todos tapadinhos com fatos especiais e cara coberta a aspergir qualquer coisa, mesmo na véspera da abertura deste jardim. Seria glifosato? Espero que não… Tem havido muita discussão pública sobre esse herbicida e seu potencial dano a humanos.

  • Responder

    AGORA A RECONSTRUCAO, E PARA MAMAR. SAI AJUSTE DIRETO.

  • joao
    Responder

    Espero que o empreiteiro page na sua totalidade, para isso existem garantias…caso contrario tribunal, mas ai o jardim vai estar ao abandono..o que preferimos? Agora devíamos tentar perceber o que aconteceu, mal concebido, mau projecto, mal executado, mal fiscalizado, não deveria ter sido aceite a obra…o que aconteceu?…isto não é normal, mas por acontecer quase sempre em todo o lado, já é o novo normal…a anormalidade, entenda-se assim ou não, é pactuada por todos quando não sabemos o que aconteceu e não exigimos reposta…já não moro ali, mas os que moram deviam exigir respostas que deviam ser dadas…falta informação, muita informação…

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com