A Porta Norte do Castelo de São Jorge está, há alguns meses, a ser alvo de uma obra de reabilitação, iniciada de urgência, após se ter percebido que estava em risco de ruína estrutural devido à frequente circulação automóvel sob o arco desta secção da fortificação. O problema foi detectado em Setembro passado e, logo de imediato, decretado o encerramento desta entrada no castelo, pelos técnicos da Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC) – empresa municipal que gere este e outros edifícios culturais de Lisboa. “O fluxo de automóveis causou um grande desgaste e aquela parte da muralha estava mesmo em risco de ruir”, confirmou ao Corvo uma fonte desta entidade, a qual ordenou a realização urgente de uma peritagem depois da descoberta dos sintomas de ruína. Os trabalhos de recuperação começaram pouco depois e ainda duram.

 

A Porta Norte do Castelo de São Jorge – construção fundamental na criação da nação e que é Monumento Nacional desde 23 de Junho de 1910 – dava acesso a carros vindos da Travessa Açouge a São Vicente e da Rua de São Tomé, através de uma rampa. “A partir de 1996, com a realização das escavações arqueológicas dentro das muralhas, o tráfego aumentou imenso”, afirma a mesma fonte. Os trabalhos de escavação terminaram e, encontrados vários vestígios de um bairro islâmico, abriu-se o actual núcelo museológico. Ao seu lado, existe agora um parque de estacionamento com capacidade para meia-centena de veículos, criado pela Empresa Pública Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) e destinado aos moradores da zona do Castelo. A ele acede-se, actualmente, pelo Largo da Santa Cruz do Castelo. O Corvo não conseguiu confirmar se o acesso ao parque terá sido feito, durante algum tempo, pela porta agora danificada.

fotografia-27

O aviso da intervenção da Egeac está afixado junto aos andaimes da obra.

 

Texto e fotografia: Samuel Alemão

  • Nuno Rebelo
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Porta norte do Castelo de São Jorge em risco de ruína devido à circulação automóvel – http://t.co/PZFIqsD6B3

  • fernando Lucas
    Responder

    eu julgo que a maioria desse castelo é construido em 1938 pelo estado novo, que o verdadeiro estará em ruínas por baixo do atual.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com