Por que há quase sempre uma escada rolante parada no metro do Chiado?

DICAS
Samuel Alemão

Texto

MOBILIDADE

Misericórdia

Santa Maria Maior

31 Dezembro, 2015


A questão não é nova. Muito pelo contrário. E, por isso, ainda mais incompreensível a sua persistência. Para quem sai na Baixa, o problema acaba por ser relativizado pela curta distância a percorrer entre o átrio da estação e a rua. Afinal, são só dois lanços de escadas. O problema maior é para quem sobe ou desce do lado que dá acesso ao Chiado. Desde há alguns anos, são raros os momentos em que pelo menos uma das quatro escadas rolantes não está parada – isto quando não são duas em simultâneo. As justificações do Metropolitano de Lisboa para tal cenário apontam para frequentes problemas técnicos. Os incómodos causados por tal situação, numa ligação pedonal tão extensa, são óbvios.

As escadas convencionais acabam, em alguns dos lanços, por ter de ser usadas pelos milhares de utentes diários, em detrimento da solução mecânica. O que, dada a distância entre o átrio da estação e o Largo do Chiado, se pode revelar uma prova de elevada exigência física – para muita gente, como os mais idosos, até descer o é. O grau de dificuldade varia consoante o número de troços parados. O Corvo questionou o Metro sobre esta questão. E recebeu a seguinte resposta: “Os equipamentos mecânicos encontram-se fora de serviço por motivos técnicos, relacionados com a sua utilização regular intensiva. Por outro lado, em alguns casos, atendendo à idade do equipamento, pode ser necessário proceder-se ao fabrico de peças para sua reposição, fazendo com que os tempos de paragem sejam um pouco mais prolongados”.

MAIS DICAS

Dicas

Não foram encontrados artigos.

COMENTÁRIOS

  • Carlos Lopes
    Responder

    Se fosse só essa estação…
    E uma empresa de merda só pode dar uma resposta de merda.

  • Paulo Ferrero
    Responder

    A explicaçäo é simples: é uma maneira de pouparem uns cobres 🙂

  • Martha Tavares
    Responder

    Moro na zona, uso essa estação quase que diariamente e desde 1999 que isso acontece , já escrevi para o metro e já fiz diversas reclamações no livro de reclamações as respostas são sempre vagas tipo avariou uma peça e tem de do exterior.. No entanto acho inadmissível isso acontecer quase que diariamente, mesmo sendo uma das estações mais utilizadas pelo turista e Lisboa sendo considerada a capital com mais turistas atualmente! Continuarei a reclamar ao Metro de Lisboa.

  • Ana
    Responder

    Se fosse só na Baixa Chiado! Em praticamente todas as estações há uma ou mais escadas paradas. Na estação das Olaias há duas escadas paradas há mais de um ano! Agora optaram por por as outras a subir e temos que descer a pé. Pessoas idosas ou com dificuldade de locomoção têm que descer degraus e degraus! Na Alameda a passadeira rolante também! Muitos mais! Não se entende a falta de manutenção de um meio de transporte que até há algum tempo considerava o mais eficaz em Lisboa.

  • Vasco Coelho
    Responder

    Mas não seria mais inteligente inverterem o sentido de funcionamento da escada que desce quando existem avarias na escada que soube? é penoso ver idosos a subir aqueles lanços de escadas…

    • Mónica Lopes Alfredo
      Responder

      Já sugeri isso uma vez, responderam que não podiam por causa dos invisuais. Sugeri, à falta de melhor opção, anunciarem a inversão pelos altifalantes, mas também não era possível. Ficámos assim.

    • Vasco Coelho
      Responder

      Mas os invisuais estão mais que habituados a obstáculos. A desculpa nem merece o nome…tristeza

    • Marie-Thérèse Faidherbe
      Responder

      pois ha mais invisuais que idosos e pessoas com problemas cardiacos, é completamente logico como resposta. (sarcasm).

  • José António Estorninho
    Responder

    O argumento da idade do equipamento até que pode ter algum cabimento mas então alguém me explique porque razão uma das escadas da estação da Encarnação, que tem 3 anos e meio, está frequentemente parada.

  • André Bravo Ferreira
    Responder

    Por que há quase sempre uma escada rolante parada no metro do Chiado? https://t.co/oolUMKkrME

  • Rui Marques
    Responder

    Será preciso alguém morrer ao subir a escada rolante?

  • Carlos Nery
    Responder

    Há que fazer exercício, sobretudo numa quadra em que se come muito… Mas já me aconteceu pior. Estarem TODAS as escadas rolantes do Chiado paradas! Isso é que é bom para o coração!

  • Bibiana Vasconcellos
    Responder

    Catiele Lima lembrei de ti!

    • Catiele Lima
      Responder

      Lembrou pelo sedentariamente ou pela lógica de funcionamento? Hahaha
      Saudade bibizoca!

    • Bibiana Vasconcellos
      Responder

      Hahahahhaha não foste tu que uma vez subiu quase todas as escadas pela escada normal e depois a última rolante não funcionou?

  • Ginka Guerreira
    Responder

    é verdade!

  • Edward Clinton
    Responder

    Um dos troços que desce está parado desde Agosto, talvez desde Julho. O estado do troço fica cada dia pior, com mais sujidade.

    • João Tabarra
      Responder

      As paredes/tectos do tunel das escadas rolantes NUNCA foram limpas…

      • Responder

        As pessoas querem subir e descer, as paredes não interessam para nada

  • Ricardo Conceição
    Responder

    Por que há quase sempre uma escada rolante parada no metro do Chiado? https://t.co/IjaFaW4IQu

  • João Tabarra
    Responder

    Já reclamei N vezes jà chamei a policia para obrigar os empregados do Metro a ajudarem um casal de idosos a subir quando todas as escadas estavam paradas em ascendente… esta estação é uma boa merda desenhada pelo siza… a saida da mesma no Chiado engoliu uma praça ridiculo.

  • Lourenço Jose
    Responder

    E mais uma na estação da Ameixoeira

  • Canenista
    Responder

    Por que há quase sempre uma escada rolante parada no metro do Chiado? https://t.co/vfOAQV9MEC

  • tecnico
    Responder

    ó meu amigo samuel, isso só é mistério se for anjinho. fale com um engenheiro em obras publicas, um técnico de manutenção das empresas de ascensores, ou um funcionario das estruturas que eles lhe dizem. essas escadas e outros muitos equipamentos que voce nao vê como cliente foram lá metidas por um sub sub sub empreiteiro e nao pelo representante. nessa negociata e noutras meteram-se equipamentos em fim de ciclo de produto (deixa de haver peças) com uma suposta garantia, mas depois o instalador fecha as portas e não há nada para ninguém. ora, o dinheiro extra pela garantia já lá ficou. e quanto desses equipamento nao vierem já usados recondicionados (os motores, que nao se vê que é velho). e vai ver ainda foram mais caros que comprar novo ao representante. é o filme do costume, alguém ficou rico, e quem se f é o mexilhão. agora acha que a administracao do metro lhe ia dizer isto?

    olhe outra, as cancelas automaticas. em todo o lado do mundo, quando há portas automáticas é só para validação à entrada. para a saída a solução mais económica são portas de sentido único (só deixam sair, não deixam entrar). isto porquê. porque a entrar as pessoas aparecem a conta gotas na cancela. a sair é às centenas duma vez. vá ver a muitas estacoes as filas que se fazem para sair. para quê que em Portugal é diferente? porque assim em vez de se comprar 4 cancelas automaticas para uma estação, compram-se 14. dá para espalhar mais umas comissões em offshores. tudo a chupar.

    vou parar que ja me estou a irritar. investigue!

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend