Polícia Municipal irrita moradores…que querem estacionar em cima do passeio

DICAS
Samuel Alemão

Texto

MOBILIDADE

Cidade de Lisboa

11 Outubro, 2016


O código da estrada é claro: não se pode estacionar em cima dos passeios, a não ser que alguma sinalização exceptue a proibição. Um pouco por toda a cidade de Lisboa, porém, persistem os casos de vias destinadas aos peões tomadas pelos automóveis, transformando numa missão nem sempre fácil a sua circulação nessas áreas – para não falar na destruição de largas superfícies de calçada, incapazes de resistir à agressão dos pneus. O problema é mais grave nos bairros históricos ou em zonas com passeios estreitos, como na Graça.

Ali, como em vastas áreas da capital onde a Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) ainda não actua – o que deverá vir a acontecer, num futuro próximo, como defende a câmara municipal -, cabe à Polícia Municipal agir para tentar pôr ordem no estacionamento abusivo. Mas a aparente dualidade de critérios na aplicação da lei, através de multas e de bloqueamentos de veículos infratores, está a irritar alguns moradores da Rua da Bela Vista à Graça. “Porquê só esta rua?”, perguntam, num cartaz improvisado, em que contestam o excesso de eficácia da força policial.

MAIS DICAS

Dicas

Não foram encontrados artigos.

COMENTÁRIOS

  • Igor Damasceno
    Responder

    Aqui no Bairro Alto o descaso da Emel e CML me fazem querer deixar uma mensagem destas também, já que os moradores daqui só encontram vaga de estacionamento em Santos. Ainda na Rua Luz Soriano nos tiraram duas vagas e as destinaram para motociclos, o que é uma medida inútil e injusta numa área com deficit de estacionamento enorme. Já agora vejam o que estas vagas para motos tem servido para este propósito:

    • Bartolomeu Goldin
      Responder

      Tanto vinagre Igor! Precisas de azeite

    • Paulo Magalhães
      Responder

      Actualmente os passeios servem para tudo e todos, são para peões, automóveis, motociclos, ciclomotores, e (os mais «verdes» de todos) bicicletas.
      Tudo ao molho e fé em Deus !

    • Igor Damasceno
      Responder

      Preciso é de ser respeitado. Eu e todos os moradores do Bairro que possuem carro.

    • RF
      Responder

      Não muito longe da rua Luz Soriano, na Calçada do Combro, há um parque de estacionamento que só deve esgotar a sua capacidade em algumas noites de Sexta ou Sábado. Porque não estaciona ali?

      • João Pimentel Ferreira
        Responder

        Porque é pago, e o tuga acha que estacionamento gratuito é direito constitucional.

  • Carlos Garcia
    Responder

    A versão adulta (e supostamente com vergonha na cara) de: “Mas o Manelinho também faz!!?”

  • Frederico Raposo
    Responder

    Ter carro não é um direito, Igor. Quem decide viver no meio da cidade e ainda assim andar de carro, tem de arcar com as consequências dessa decisão. Encontrar lugar para o seu automóvel é um dever seu, não da CML. E parar em cima de passeios não vale.

  • Nuno Cândido Vieira
    Responder

    Sim, uma perseguição sem qualquer critério. É vergonhoso que a policia persiga cidadãos exemplares que apenas querem estacionar em cima do passeio. Quem pretende circular pelo mesmo, como pessoas da terceira idade, portadores de deficiência física, assim como peões em geral, é que não têm a decência patriótica de andarem pela estrada. Qualquer dia a policia vai obrigar os moradores da Rua Da Bela Vista à Graça (assim como aquela em que resido, Rua Damasceno Monteiro) a apanhar os dejectos caninos, ou a multar quem deixa lixo nas ruas! Só mesmo em Portugal…

    • João Pimentel Ferreira
      Responder

      Um cidadão exemplar não estaciona no passeio. O seu comentário revela que a sua bússola moral está demasiadamente descalibrada.

    • João Pimentel Ferreira
      Responder

      Sarcasmo 🙂

  • Rui dos Santos
    Responder

    Morar dentro da cidade (especialmente zonas históricas ou próximas do centro) , em zonas sem estacionamento é um caso sério. Em especial para quem não tem garagem. Já passei por isso e percebo. Ou tem de se gastar um valor extra para adquirir estacionamento, ou deixar o carro bem longe. É a grande desvantagem de residir na cidade.

    • João Pimentel Ferreira
      Responder

      Mas quem disse que ter carro era um direito fundamental? O direito fundamental é o direito à mobilidade. Não falta na cidade transportes públicos incluindo táxis e ubers.

  • PFE Portugal
    Responder

    https://t.co/N3CdHKzs2t …é preciso investigar porque a PM está a fazer isto e dualidade de critérios. Quem mora ali? o que pretende a CML?

Responder a Carlos Garcia Cancelar resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend