Os passeios de Lisboa, apesar da óbvia beleza que lhes é conferida pela utilização da calçada, padecem de vários males. Das dificuldades em mantê-los devidamente conservados, passando pela ocupação abusiva do espaço – seja pelo estacionamento ilegal de automóveis ou por esplanadas e mobiliário urbano limitando a circulação de peões -, até à sujidade do piso, são muitas as situações a merecer reparo. Os excrementos caninos contam-se entre as mais irritantes e persistentes. Tanto que obrigaram a Câmara Municipal de Lisboa (CML), há alguns anos, à compra do motocão, motorizada equipada com um equipamento de sucção das fezes dos animais. Mas a PSP da capital não as quer a operar em cima dos passeios. E já passou multas.

 

Apesar de terem a função específica de limpeza dos pavimentos – quaisquer que eles sejam – emporcados pelos excrementos dos cães, a polícia tem feito uma leitura estrita do Código da Estrada (CE) e não abre excepções. Tanto que, nos últimos meses, a Junta de Freguesia de Arroios viu, por três vezes, os seus funcionários que operavam os motocães serem interpelados e multados por agentes da PSP, porque estariam a infringir o CE. Os veículos foram entregues às juntas de freguesia pela Câmara Municipal de Lisboa, no início de 2014, na sequência da concretização do processo de descentralização de competências – resultante da reforma administrativa da cidade.

 

A informação sobre estes incidentes foi dada ao Corvo pela presidente da junta de Arroios, Margarida Martins (PS), que se queixa desta situação como mais um obstáculo na missão de manter a freguesia limpa. “Tivemos os nossos motocães multados por três vezes pela PSP. Eles mandavam parar os nossos funcionários, que estavam a limpar os passeios, e diziam-lhes que estavam a violar o CE”, conta a autarca, que tentou resolver a situação, primeiro, falando com os responsáveis por aquela força da autoridade, e, depois, através da emissão de uma credencial autorizando a operação de tais motociclos em cima do passeio.

 

Agora, tal documento acompanha sempre os funcionários da junta que saiam para as ruas de Arroios conduzindo um motocão. Mas não está ainda claro se a Junta de Freguesia de Arroios, bem como as restantes da capital que operam tal veículo de limpeza, pode fazê-lo sem receio de multas. Isto porque, em resposta escrita ao Corvo, através do seu núcleo de relações públicas, o Comando Metropolitano de Lisboa (COMETLIS) da PSP recordou que, “segundo o código da estrada em vigor, os veículos só podem utilizar as bermas e os passeios desde que o acesso aos prédios assim o exija, quem infringir estará em contravenção ao Artº.17, n.1, coima de €60 a €300”.

 

A mesma fonte da polícia disse, porém, não ser possível confirmar se os motociclos ao serviço da junta de Arroios ou de outras foram autuadas pelos seus agentes. “As contraordenações levantadas em contravenção a este artigo do CE são registadas de acordo com a matrícula e o tipo de veículo. Para fins estatísticos, não nos é possível saber se estes motociclos que eventualmente foram autuados serão ou não os motociclos” em causa, diz o mesmo comunicado da PSP.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Rui Correia
    Responder

    Portugal no seu melhor

  • Rute
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Polícia multa motocães das juntas de Lisboa por andarem em cima do passeio – https://t.co/CrwVGIoCdo

  • Paulo Ramos
    Responder

    Anedota de país

  • Responder

    que tipo de policia é esta ? Quem pode ser mesmo capaz de pensar em multar um «equipamento de limpeza» ? é surrealista.

    • JES
      Responder

      Bom dia,
      Apenas uma rectificação: pode ser um “equipamento de limpeza”, mas não deixa de ser um motociclo, e não pode deixar de estar sujeito ao código da estrada.
      Eu e mais 2 pessoas quase fomos atropelados por um desses veículos, quando o seu condutor decidiu entrar no passeio para apanhar um cocó.
      Inaceitável.

  • José Miguel Gama
    Responder

    Para tratar deste assunto é melhor chamar os moto-ratos de marte

  • Joao Agostinho
    Responder

    é Natal, presente é presente

  • Dina Carvalho
    Responder

    Custa a acreditar! Há certeza?

  • Herminia Pedro
    Responder

    Nem sabia que havia tal equipamento, este país tem cada anedota

  • Graziano Stanziani
    Responder

    Faria muito mais sentido se a polícia multasse os donos dos cães que sujam, não quem limpa.

  • João Miguel Mesquita
    Responder
  • Bruno Ribeiro
    Responder

    Economia paralela, mais uma vês o povo a pagar, porquê porquê, donos de cachorros que só tem caca na cabeça, Vejamos CM compra motocões e divide pelas suas freguesias para em conjunto manter o município limpo, completamente de acordo, mas por sua vês, são multadas pela PSP que digamos de passagem que no transito são a força de autoridade mais desordeira em estacionar os veículos de serviço sem estar a serviço e vão dai que multa os desgraçados que estão a operar os motocões e acabam por receber um premio, uma multa porque estava a trabalhar para o bem estar da sociedade, o impacto que tem essa multa na vida desse trabalhador, então depois disto tudo nada muda porque nada esta errado aqui, porque o Zé Povinho continua a pagar .

  • Marisol
    Responder

    E se a PSP multasse os donos dos cães que não limpam os excrementos ????

  • Pedro Aires
    Responder

    Pelo que assisti uma vez no café Rodeia o Sr. da mota estava a comer e uma pessoa de mobilidade reduzida queria passar na sua cadeira e não podia porque a mota estava no meio do passeio… mas isso fui eu que vi…

  • Pedro Quartin Graça
    Responder

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com