A prevista instalação de várias bacias de retenção de águas ao longo do vale e a construção, pela SimTejo, de dois emissários, retirando caudal à ribeira encanada, deverão pôr fim às cheias que ciclicamente alagam Alcântara.

Foi este um dos argumentos do vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, para defender as virtualidades do Plano de Urbanização de Alcântara (PUA), debatido ao final da tarde desta terça-feira (23 de Setembro), nas instalações da Junta de Freguesia. Estas obras, para as quais não foram apresentadas datas, “são essenciais para acabar com o flagelo das cheias”, disse.

Da assistência, que chegou a andar pelas cem pessoas, viera a queixa de que as repetidas cheias em Alcântara são um factor negativo para a desejada vinda de mais moradores e mais negócio para a freguesia. “Alcântara pode vir a ter lindíssimas zonas verdes mas, se não se resolver o problema das cheias, vai continuar a ter um problema de integração no resto da cidade”, avisou um morador.

Na assistência, Carlos Gaivoto, especialista em transportes e política territorial, pôs água na fervura, duvidando da promessa, ao garantir que actualmente não há dinheiro para garantir a impermeabilização do Vale de Alcântara.

A identidade da freguesia tem mudado, como foi sublinhado por vários participantes na sessão. A começar pela perda de fregueses, em resultado da Lei da Rendas aprovada pelo actual Governo. “A Alcântara que existia há cinco anos atrás já não existe”, comentou um responsável da Assembleia de Freguesia. A freguesia tem hoje 12.800 eleitores.

Outros participantes – como o deputado municipal Vítor Gonçalves (PSD) – lamentaram a “guetização” do bairro face ao resto da cidade, manifestando esperança que o plano de urbanização, em apreciação na Assembleia Municipal de Lisboa, combata essa tendência.

Manuel Salgado contrapôs que o grande objectivo do PUA é criar mais áreas residenciais e mais áreas de emprego. O plano permite uma área total de construção de 220.000 metros quadrados, ocorrendo as maiores concentrações nos terrenos da Refer, da refinaria da Sidul e da Carris. Será este o principal destino dos espaços devolutos que caracterizam a freguesia.

As expectativas em termos de construção de imobiliário na zona parecem suficientemente positivas para Vítor Gonçalves comentar que há aqui um “Triângulo Dourado” para o negócio. E que, por isso, será preciso acompanhá-lo de equipamentos e infra-estruturas que respondam aos novos residentes.

A ideia de que Alcântara “tem que levar uma volta” pareceu ser consensual. Por isso, será bem-vindo um instrumento “que desfaça a ideia de que Alcântara está ao abandono”, nas palavras do morador Vítor Sarmento.

A versão agora abordada é uma variante “minimal” do PUA, documento que começou a ser trabalhado em tempos menos difíceis e hoje visto por alguns como “megalómano”.

Mesmo assim – disse o chefe da Divisão de Planeamento Territorial da CML, Daniel Campelo –, vai ser possível investir 23 milhões de euros em operações urbanísticas, de um total de 53 milhões previstos.

Uma das críticas apresentadas no encontro foi a de o bairro do Alvito não ter sido integrado no PUA de Alcântara, por estar em elaboração um plano de pormenor para ele. Alguns dos moradores de Alcântara temem que a melhoria dos acessos àquele bairro muito isolado venha a complicar a restante circulação automóvel.

O vereador disse que não tem problemas em propor à Assembleia Municipal que atrase a votação do PUA, caso o plano para o Alvito seja concluído a tempo de receber propostas de melhoria por parte da Junta de Freguesia de Alcântara e assim minimizar os impactos no trânsito.

O PUA pode ser consultado em: http://www.cm-lisboa.pt/viver/urbanismo/planeamento-urbano/planos-com-termos-de-referencia-aprovados/plano-de-urbanizacao-de-alcantara

 

Texto e fotografia: Francisco Neves

 

  • António Costa
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Plano de Urbanização de Alcântara pode acabar com flagelo das cheias – http://t.co/1uFz9hdv0w

  • Paulo Ferrero
    Responder

    Ah, gosto imenso de Júlio Verne 🙂

  • Nuno Rebelo
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Plano de Urbanização de Alcântara pode acabar com flagelo das cheias – http://t.co/1uFz9hdv0w

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com