Depois de muitas atribulações, o há muito esperado Plano de Urbanização de Alcântara (PUA) será finalmente apresentado ao público, ao final da tarde (18h30) desta terça-feira, 23 de Setembro. A sessão, que se realizará nas instalações da Junta de Freguesia de Alcântara, e contará com a presença do vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, e ainda com Daniel Campelo, chefe da Divisão de Planeamento Territorial da Câmara Municipal de Lisboa, terá também espaço para um período de debate.

O plano, que implicará uma profunda reformulação paisagística de uma zona da cidade bastante descaracterizada, tem a ambição de conferir outra dignidade a um dos antigos pólos industriais da capital. Para além de intervenções no espaço público, no edificado, na circulação automóvel, nos equipamentos e nos espaços verdes, a consequência mais notória da execução do PUA será a do enterramento do canal ferroviário que ainda liga as linhas de Cascais e de Cintura de Lisboa – uma obra há muito prometida e que, a realizar-se, será executada pela Refer. Em paralelo, abrir-se-á a porta ao avanço de projectos imobiliários de grandes dimensões.

O caminho percorrido até aqui por este plano, que tem como pressuposto essencial a criação de uma nova centralidade de Lisboa, foi longo e atribulado. Na verdade, o essencial do que será agora apresentado com pompa, e alvo de discussão, foi já aprovado em reunião de câmara em 28 de Setembro de 2011. Nos últimos três anos, o processo complicou-se depois de, numa fase inicial, se ter percebido que poderiam existir discrepâncias entre o PUA e o, entretanto revisto, Plano Director Municipal (PDM). Depois, já em Outubro de 2013, foi aprovado pela Direcção-Geral do Território um novo conjunto de plantas da área feitas com base no mais recente ortofotomapa – elaborado com imagens áreas e de satélite. O que obrigou a novas correcções.

A versão final do plano agora apresentado, já depois de feitos todos os ajustes, foi aprovada na reunião de executivo municipal de 26 de Março último.

O plano encontra-se disponível para consulta em: http://www.cm-lisboa.pt/viver/urbanismo/planeamento-urbano/planos-com-termos-de-referencia-aprovados/plano-de-urbanizacao-de-alcantara

 

Texto: Samuel Alemão

Comentários

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com