Piscina da Penha de França fechada há mais de três anos

ACTUALIDADE
Fernanda Ribeiro

Texto

VIDA NA CIDADE

Penha de França

14 Abril, 2014


Ainda não há um horizonte definido para a reabertura da Piscina Municipal da Penha de França, fechada há mais de três anos, mas a Câmara Municipal de Lisboa espera ter, “brevemente, um acordo fechado com a Associação Estrelas de São João de Brito”, à qual vai entregar a gestão da piscina, disse ao Corvo o vereador responsável pelo Desporto.

Jorge Máximo não quis adiantar uma data para o arranque das obras de requalificação a realizar na piscina, alegando que o novo acordo terá ainda de ser discutido e aprovado pela Assembleia Municipal de Lisboa – que avaliará amanhã um parecer da Comissão Permanente de Cultura, Educação, Juventude e Desporto sobre este assunto.

Já Nuno Marçal Lopes, presidente da direcção da Associação Estrelas de São João de Brito, diz que, “numa perspectiva muito optimista, a piscina da Penha de França poderá reabrir em Junho de 2015”. Isto depois de realizadas as obras que serão parcialmente custeadas por este clube sediado em Alvalade – pagará 45 por cento.

Mas a data de Junho de 2015 só será possível cumprir “se tudo correr bem”, frisa o próprio Nuno Lopes. E se, “nos próximos três meses”, for aprovado pela Câmara e pela Assembleia Municipal de Lisboa o novo acordo a que chegaram, na semana passada, as partes envolvidas na tentativa de melhorar a piscina e colocá-la de novo ao serviço da população de Lisboa.

Terça-feira passada, numa reunião realizada entre o Departamento de Desporto da CML e a Associação Estrelas de São João de Brito, “houve luz ao fundo do túnel e chegou-se a um acordo que, penso, é bom para todos”, diz Nuno Lopes, presidente da entidade que se candidata a gerir a piscina municipal da Penha de França até 2020.

Esta associação, que treina nadadores federados e mantém protocolos de colaboração com a Câmara Municipal na natação curricular, na piscina do Casal Vistoso, tinha estabelecido, em 2013, um contrato com a autarquia para a requalificação e gestão da piscina da Penha de França. Mas esse acordo não chegou a surtir efeito.

O contrato, que foi aprovado em Julho de 2013 pela Assembleia Municipal de Lisboa, previa um apoio financeiro da câmara no valor de 775 mil euros, a transferir para a Associação Estrelas – à qual a Câmara cedia também o plano de água e as instalações desportivas existentes no edifício da piscina, que é contíguo à Biblioteca Municipal e à Junta de Freguesia da Penha de França.

Mas o acordo firmado em 2013 pela autarquia lisboeta foi colocado em causa pelo Tribunal de Contas, “que questionou diversos aspectos do documento e colocou uma série de questões a que a câmara tem vindo a responder”, disse ao Corvo o vereador do Desporto, Jorge Máximo.

Aquele contrato também não previa que a piscina passasse para a tutela da junta de freguesia, o que veio a suceder por via da reforma administrativa e tendo em conta que não foi considerado pela câmara um equipamento estruturante. “Estamos em processo de negociações com o Clube Estrelas, para salvaguardar as questões colocadas pelo Tribunal de Contas e também para salvaguardar que a junta de freguesia terá intervenção neste processo”, acrescentou Jorge Máximo.

“Devemos ter o acordo fechado brevemente, mas ele terá de voltar a ser submetido à Assembleia Municipal de Lisboa, uma vez que há uma alteração a um contrato”, salientou.

Grandes expectativas mantém a Associação Estrelas, que tem não um, mas dois projectos para a reabilitação da piscina: “Um que repõe a piscina nas condições anteriormente existentes e outro que já traduz um investimento para o futuro”, diz Nuno Marçal Lopes. “Um é um Fiat e o outro um Ferrari. Cabe à câmara escolher o que quer. E a diferença nos custos não é muita, ronda os 100 mil euros a mais”, afirma o presidente da Associação Estrelas.

A opção pelo segundo projecto – que, segundo o presidente do Estrelas, inclui um ginásio, cria melhores acessos para deficientes e melhores condições de segurança – permitiria recuperar mais depressa o investimento, sustenta. “Porque, para ser rentável, a piscina terá de ter bastante mais do que os 900 alunos que antes a frequentavam e com um ginásio ela atrairia mais gente”, acrescenta Nuno Lopes. “Os preços a praticar serão idênticos aos das restantes piscinas municipais, até porque continuará a ser um equipamento público”, esclarece.

A presidente da Junta de Freguesia da Penha de França, Maria Elisa Madureira (PS), garante que “a junta vai exercer os seus direitos”. Considera que não está a receber da câmara nenhum presente envenenado – herdando uma piscina fechada e com a gestão já comprometida a terceiros -, até porque só receberá a tutela daquele equipamento “quando a piscina estiver a funcionar”.

Além disso, sublinha, no anterior mandato, votara favoravelmente o contrato estabelecido com a Associação Estrelas de São João de Brito. Mas isto não significa, em seu entender, que a junta está a entregar a piscina a privados. “A junta nem pode fazer isso. A piscina não é nossa. O que vai ser nosso é a gestão”, afirma a autarca. Mas se o novo acordo for aprovado, nem a gestão será da junta. Pelo menos até 2020.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

Comentários
  • Dina Paulista
    Responder

    Aprendi a nadar nesta piscina…

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend