O cenário é desolador. Uma pernada de grandes dimensões de uma árvore jaz sobre uma decadente área do espaço público, em Santa Catarina, freguesia da Misericórdia, há quase dois meses, inviabilizando o uso da zona de descanso – que apresenta cadeiras e mesas danificadas e com frequência está repleta de lixo. A parte de uma árvore situada junto ao número 31 da Calçada de Salvador Correia de Sá, na intersecção com o Largo São João Nepomuceno, caiu no final da tarde de 8 de Maio, por causas desconhecidas. Talvez tenha sido uma rajada de vento mais forte, conjugada com a fragilidade estrutural daquela pernada, aventam os moradores da zona, que desesperam para que as entidades competentes façam o que deve ser feito. E temem que alguém lhe pegue fogo, sobretudo agora que a madeira se apresenta ressequida.

O que até já poderia ter acontecido, pois a área em redor constituiu-se como cenário das recentes celebrações de Santo António. Foram ali montadas estruturas para os comes e bebes, assadores incluídos, por parte da Junta de Freguesia da Misericórdia – um dos seus núcleos, aliás, fica mesmo em frente, na antiga sede da extinta Junta de Freguesia de São Paulo. Mas nenhum funcionário mexeu na ramagem. “Acho muito mal a árvore estar neste estado. Qualquer miúdo passa aí e pode atear um fogo”, diz a moradora Maria Alice Santos, queixando-se de os cantoneiros da junta “passarem, varrerem o lixo à volta e não fazerem nada para acabar com isto”. Quando o Corvo visitou o local pela primeira vez, há aproximadamente duas semanas, os detritos acumulados junto da área de recreio e da pernada ali caída eram muitos. Os mesmo foram removidos, entretanto, sem que se tivesse tocado no mono vegetal.

“Já faz parte da paisagem”, ironiza, por isso, Ana Maria Fernandes, outra das moradoras, que vive num prédio situado mesmo ao lado da árvore em causa. Ana considera que tal situação é não só estranha como perigosa. E não apenas pela possibilidade de alguém se lembrar de foguear os despojos da árvore, mas também porque o lugar serve de ponto de concentração de fumadores. A moradora diz que, poucos dias após a ocorrência, e como ninguém fazia nada, o seu marido decidiu ligar para o Departamento de Higiene e Resíduos Sólidos da Câmara Municipal de Lisboa. “Disseram que iam resolver, mas até hoje….”, afirma, lamentando também a ausência de resposta por parte da junta. “Pensámos em partir a pernada, mas ela é muito grossa”, confessa.

O Corvo ligou ontem, ao final da tarde, para os serviços da Junta de Freguesia da Misericórdia, para tentar saber a razão da inacção. Uma funcionária anotou a ocorrência e disse que a iria transmitir aos membros do executivo daquele órgão autárquico.

 

Texto: Samuel Alemão               Fotografia: Luísa Ferreira

  • Fernando D. Limão
    Responder

    O sr. António Costa está mais interessado em desestabilizar o PS , do que preocupado com o bem estar das pessoas que o elegeram.

  • Maria de Morais
    Responder

    Nao compete aos cantoneiros “cuidarem” dos jardins lisboetas, mas sim a uma entidade privada, que a CML contratou para “deixar tudo ao abandono” . Prova é o jardim dos Martires da Patria lixo arvores no chao desde o inverno, animais com ninhadas sem agua, Prova é, a arvore seca ja la vao dois anos na frente da livraria Fabula Urbis, prova é, a arvore seca em Santa Catarina, prova é etc etc etc

  • Fernando Lopes Correia
    Responder

    Efeitos colaterais da guerra civil dos Antónios! Ou então o Sá Fernandes estava muito ocupado com o piquenicão e não tem tido tempo para coisas de somenos importância: É a vida!

  • Maria Amélia Rodrigues Cabaça
    Responder

    Parece impossível!

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com