Perdidos no tempo?

DICAS
Samuel Alemão

Texto

VIDA NA CIDADE

Arroios

24 Maio, 2014


Uma fotografia pode servir como exemplo. São bem conhecidas as dificuldades que o estado português sempre teve em administrar o que é seu. Ao ponto de serem frequentes os relatos de esquecimentos vários, negligência grosseira e abandono continuado das propriedades que, afinal, a todos pertencem. Um cenário recorrente, pelo menos, nas duas últimas décadas, desde que se começaram a encerrar e a centralizar serviços em nome da eficácia administrativa e das contas. Fechadas as portas de uma qualquer dependência da administração central, os edifícios rapidamente se convertem na mera evidência física de um registo predial. Uma espécie de activo inactivo. Até que novo imperativo de redução do défice dite a sua eventual venda.

Veja-se o caso das instalações da tesouraria das Finanças que outrora funcionava no 113 B da Rua Damasceno Monteiro, no bairro dos Anjos, agora pertencente à freguesia de Arroios. Foi ali que funcionou, até 31 de Dezembro de 1994, o 1º Serviço de Finanças de Lisboa. Dois dias depois, mudava-se para o número 11 da Avenida General Roçadas, na zona de Sapadores, na freguesia da Penha de França. A informação foi colocada em folhas A4 impressas, na altura, por algum funcionário. Entretanto, passaram duas décadas. O edifício mantém-se fechado, sem uso aparente. No interior, vêem-se caixas de cartão e pouco mais. Este aviso (no fotografia) lá continua, visível nas traseiras, viradas para a Rua Maria da Fonte, ali mesmo ao lado do Mercado do Forno do Tijolo. As pessoas, ao longo de um contínuo quotidiano de quase vinte anos, foram passando. A folha ficou lá.

MAIS DICAS

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend