As obras de reconstrução do prédio do número 42 do Largo Luís de Camões, na esquina com a Rua das Gáveas, decorrem desde o Verão passado – isto apesar das telas publicitárias cobrindo a fachada do edifício serem uma constante desde o início da década. Com o começo dos trabalhos, o passeio contíguo foi ocupado pelo estaleiro do empreiteiro, delimitado a toda a largura por tapumes metálicos. Em teoria, estes constituir-se-iam como uma barreira intransponível pelos peões, para os quais é sugerido através de sinalização a circulação pela placa central da praça. Isto em teoria.

 

100_7255

 

Porque aquilo a que se assiste, todos os dias, naquela zona é um inusitado jogo de alternância na ocupação de parte da faixa de rodagem. Ignorando as regras de segurança, e até da comodidade, muitas centenas de pessoas passam rente aos tapumes, sujeitando-se às rasantes dos automóveis e, sobretudo, dos eléctricos da linha 28 em direcção à Calçada do Combro. A cada vez que um vagão amarelo da mais famosa carreira se aproxima, ouve-se o tinir frenético da sua campainha, alertando as pessoas do perigo que correm – e muito em especial os que possam não se aperceber da vinda do eléctrico pelas suas costas. O risco de esmagamento ou arrastamento é grande, embora poucos dos que optam por ali passar pareçam se aperceber disso.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • herman
    Responder

    RT @tuga_news: [O Corvo] Peões arriscam todos os dias ao contornar estaleiro no Largo Camões http://t.co/rtZxDx0TPo

  • fernando
    Responder

    Para além do problema exposto na noticia e muito bem, acresce o atrevimento dos condutores dos elétricos em apertar os peões contra o taipal sem os considerar, é certo que os peões arriscam demasiado mas também é certo que os condutores devem e têm que ter cuidados acrescidos perante qualquer obstáculo

  • Felipe
    Responder

    E para completar hoje um turista acabou ferido. Levou com uma tijolada na cabeça, que caiu da obra.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com