Os deputados do PCP na Assembleia Municipal de Lisboa (AML) entregaram um requerimento naquele órgão, na passada terça-feira (3 de Março), para que a Câmara Municipal de Lisboa (CML) esclareça que medidas tomou para fiscalizar e impedir a barbearia Figaro’s, na Rua do Alecrim, de barrar a entrada a mulheres. O referido estabelecimento abriu portas no Verão passado e tem-se notabilizado, para além da inspiração vintage, pela sua política de proibir a entrada a mulheres, permitindo apenas “a homens e a cães”, prática devidamente anunciada na porta de entrada.

 

Lembrando que “cabe à Câmara Municipal de Lisboa a fiscalização dos estabelecimentos comerciais em tudo quanto não seja matéria da ASAE (Autoridade de Segurança Alimentar e Económica), que é o caso”, os comunistas dizem ser “de toda a urgência – cívica e social – que se apure junto do executivo se efectou alguma diligência no sentido de impedir que tal prática persista”. “Tal é um imperativo constitucional e, sobretudo, um sinal de que o Município não aceita, sob nenhuma circunstância, a violação do direito à igualdade e práticas discriminatórias em função do sexo”, dizem, após recordarem a recente acção encetada por um grupo de activistas feministas que invadiu a loja em protesto contra a sua político discriminatória.

 

No referido requerimento à CML, o PCP lamenta “que, estando a referida barbearia aberta ao público há vários meses, continua a funcionar no pressuposto da legalidade desta prática que, mais do que conforme ou não à lei, representa um retrocesso absolutamente inaceitável naquele que é o trilho de muitas lutas pela emancipação das mulheres e pela igualdade”.

 

Por isso, os eleitos comunistas na AML querem que a Câmara Municipal de Lisboa responda com urgência a duas questões: “Que diligências efectuou para apurar a prática denunciada? Que medidas irá adoptar para garantir que em nenhum estabelecimento comercial, designadamente a Barbearia Figaro’s, impeça seja quem for de entrar no seu espaço, nomeadamente mulheres, sendo tal prática violadora dos mais básicos direitos fundamentais e absolutamente atentatória aos direitos das mulheres?”.

 

Texto: Samuel Alemão

  • Paulo Ramos
    Responder

    Estes tipos da CML fazem tudo para desviar atenções

  • José Miguel Gama
    Responder

    Será que os ginásios Gofit, Vivafit, Maxwomen estão a ser fiscalizados?
    Acho uma piroseira fazer segregação de género “só pr’ó estilo”, mas esta conversa é anedótica.

  • Ana Paula Cardoso
    Responder

    É simplesmente mentira! Eu entrei e tirei fotos e tudo XD

  • Liliana Lavado
    Responder

    Luis Lavado 😀

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com