Pastelaria Sul América fechou ao fim de 56 anos de existência em Alvalade

REPORTAGEM
Fernanda Ribeiro

Texto & Fotografia

VIDA NA CIDADE

Alvalade

25 Fevereiro, 2016

Nem mesmo o facto de manter a esplanada quase sempre cheia, sobretudo em dias de sol, e de continuar a ser, 56 anos depois de ter aberto na Avenida de Roma, uma extensão da Escola Secundária Rainha D. Leonor, impediram que a pastelaria Sul América fechasse.

Domingo, 21 de Fevereiro, foi o último dia de actividade deste velho café pelo qual passaram várias gerações de estudantes e de moradores do bairro. E, na passada segunda-feira, a pastelaria já não serviu bolos.


Nos vidros da porta, revestidos a papel branco, lia-se apenas: “Estabelecimento encerrado”. Foi mais um velho café de Alvalade a fechar as portas – que não se sabe ainda quando reabrirão ou com que funções.

Alfredo Lopes, detentor do quiosque de jornais situado mesmo em frente da pastelaria, partilha a tristeza de ver a Sul America de portas fechadas. Mais do que tristeza, até, a preocupação de perder a clientela que a antiga pastelaria lhe trazia. “Muitos eram também meus clientes”, salienta.

“Estou aqui na Avenida de Roma há 44 anos e a Sul América já existia quando vim para cá. Agora, resta-me esperar que abra outra pastelaria que venha substitui-la…porque isto só dá para ser um estabelecimento deste tipo. Mas sabe-se lá quando é que isso irá acontecer”, questiona-se.

“Ao que me disseram, os donos tiveram um contratempo com o senhorio, que lhes aplicou um aumento de renda muito grande e eles viram-se obrigados a fechar”, diz ao Corvo Alfredo Lopes. Esta explicação para o encerramento não está, porém, confirmada pelos proprietários da Sul-América, que O Corvo tentou ontem contactar mas sem êxito.

No interior da pastelaria, na passada terça-feira estavam ainda dois empregados, envolvidos em limpezas do estabelecimento, mas ambos remeteram qualquer esclarecimento para os proprietários.

No bairro de Alvalade – onde, a cada dia, surgem novos estabelecimentos mais modernos, embora alguns deles com vida demasiado breve -, fechara igualmente, há cerca de um ano, a pastelaria Nova Lisboa, que já tinha 65 anos de existência.

Mas, meses depois, em Julho de 2015, a Nova Lisboa reabriu com uma nova gerência e num formato diferente, em que os bolos deixaram de ser a grande atracção. Manteve, porém, o balcão da cervejaria e o restaurante que lhe estava associado, que foram ambos alvo de obras, e, pouco tempo depois, muitos dos velhos clientes, quase todos com a mesma idade da antiga pastelaria, regressaram.

No caso da Sul-América, porém, não se sabe que tipo de estabelecimento poderá surgir. “A pastelaria fechou de vez”, assegura o dono do quiosque, que, privado da clientela habitual, também já não sabe por quanto tempo se irá ali aguentar.

MAIS REPORTAGENS

COMENTÁRIOS

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Pastelaria Sul América fechou ao fim de 56 anos de existência em Alvalade https://t.co/2xOc4Nk8cd #lisboa

  • Teresa Capela
    Responder

    Mais uma padaria do Dias Loureiro . Eles ficam com as lojas todas e nós comemos plástico

    • FGR
      Responder

      No caso da Sul América não se perde grande coisa. Muito fraca pastelaria e o interior (inclui-se tudo, desde os móveis aos funcionários) era de fugir. A ver vamos no que se vai tornar.

  • Lourdes Piedade Patacas
    Responder

    Há muitos mais !!! Estabelecimentos que não suportam as despesas e os impostos aplicados, é o país que temos, agora ficam estabelecimentos para os RATOS……

  • Paulo Ramos
    Responder

    Infelizmente mais uma decerto vai ser substituída por uma pastelaria fast tão na moda perdendo-se tudo

  • Ricardo Sousa
    Responder

    Vamos ver o que se segue, depois da Suprema, e da Sul América, creio que o Vá Vá será o próximo e vamos ver como se aguenta o Luanda, que por agora está bem, mas o anúncio da sua venda (por milhão e meio) pode indicar que algo poderá mudar…

    A Av. de Roma não está a morrer, está a reinventar-se, quer gostemos ou não…

  • Martim Silva
    Responder

    Pastelaria Sul América fechou ao fim de 56 anos de existência em Alvalade https://t.co/oUe4QMJUaC

  • Ana Cravo
    Responder

    certamente pagavam uns míseros euros de renda mensal, certamente o dono deste espaço andou a subsidiar do seu bolso durante décadas o funcionamento da pastelaria enquanto os donos se enchiam… agora finalmente as rendas foram alteradas e como iriam pagar o que qualquer pessoa normal paga por um espaço… já não dá lucro???

    • Cristina
      Responder

      E que tal se não se fizessem conjecturas do que se desconhece? Sabe falar do alegado lucro que deixou de existir. E dos encargos que aquela ou qualquer outra casa com as mesmas dimensões têm? É tão fácil criticar gratuitamente….

    • Helena
      Responder

      Cara sra.as contas e a manutenção da pastelaria eram pagas pelos donos que a sra.se refere que enchiam os bolsos,e pagavam rendas já atualizadas, não comente o que não sabe.

    • jose
      Responder

      Não se deve falar do que não se conhece .a senhora se tivesse vergonha nem sequer dava palpites .a senhora deve ser daquelas que só quer falar da vida dos outros tenha vergonha e cale-se para não dizer asneiras

    • João
      Responder

      Eu conheço a situação e é verdade que pagavam uma renda ridícula e que obviamente dava muito mais lucro do que pagando uma renda quase simbólica. Mania de criticar gratuitamente e cair em cima das pessoas sem saber ler nem escrever…

  • Rita Santos
    Responder

    Pastelaria Sul América fechou ao fim de 56 anos de existência em Alvalade https://t.co/CFDuV3iZoZ

  • Miguel Frazão
    Responder

    O Aristides!

    • marta
      Responder

      🙂 ehpá, já nem me lembrava do aristides…

      • Tiago
        Responder

        O Aristides!!!!

  • Ana Isabel Fernandes
    Responder

    O Grupo Ibersol comprou o trespasse… é provável que surja um burguer king :/

    • Helena
      Responder

      Como sabe?

      • Beatriz
        Responder

        Também ouvi essa versão, alegadamente como sendo informação da própria senhoria….

  • Inês Carvalho
    Responder

    Aí cala te!! Nunca mais os intervalos no rainha vão ser os mesmos

    • Helena
      Responder

      Meu amor vai ser igual bjs da tia Lena

  • Joao Mateus
    Responder

    Dantes, iria abrir um balcão de um qualquer banco. Hoje nem isso…

  • Fonseca
    Responder

    Varias respostas a este encerramento haverá!..
    Mas por certo com 56 anos de atividade, podemos deduzir que os proprietários já serão ou estão na idade da reforma, como os filhos por norma nunca querem seguir os passos dos Pais, neste tipo de negócios!. principalmente, por que se trabalham muitas horas por dia e 7 dias por semana, Decidiram por fim a uma vida cheia de muito trabalho e poucas férias,e descanso, falo isto por que sou conhecedor deste tipo de situações e por elas passei, tendo o mesmo desfecho, quanto a rendas e lucros que aqui já alguém sublinhou, não será por aí decerto, mas respeito a vossa opinião.
    Desejo que Alvalade possa ter de regresso a Sul América e que o Senhor do Quiosque volte a ter clientes, pois o pior para um negocio é não ter clientes
    Obrigado a todos e não tirem conclusões precipitadas.

  • Rogério Corrêa
    Responder

    É mais um sinal que os tempos são outros… Tudo muda e na realidade ainda bem… De facto a sociedade é outra e ainda bem. Esperemos apenas que possa reabrir em breve e que não aconteça como à Suprema.

  • Gonçalo Guerreiro
    Responder

    Tssssh que perda!

  • José Martins
    Responder

    Vai reabrir transformada num Burger King ….

  • Manuel Cabral
    Responder

    Tinha nos anos 70 o melhor Bolo-Rei de Lisboa! Depois não sei, pois saí do Bairro…

  • Francisco Armando
    Responder

    Se for um Burguer King, menos mal. Prefiro de longe o Burguer King ao MacDonalds.

    De qualquer dos modos, é bom lembrar que outras pastelarias com tradição na Av. Roma já fecharam há bem mais tempo, como é o caso da Pastelaria ROMA, perto da Pç. de Londres.

  • anonymous
    Responder

    Gente, tudo fecha, até as portas do céu… no sétimo dia! 🙂

  • Paulo Meira
    Responder

    Tristeza de ver desaparecer uma das referências dos meus tempos de estudante no Rainha D. Leonor… https://t.co/H5Pvj2uXbb

  • Mara
    Responder

    Segundo o que consta aqui na zona, eles fecharam porque o senhorio não quiz renovar o contrato e a renda já tinha sido actualizada.
    🙁

  • ambrosio chevalier
    Responder

    Pastelaria Sul América fechou ao fim de 56 anos de existência em Alvalade https://t.co/y4AUIdciMV

  • Nico-e-eu
    Responder

    RT @ambrosiocheval1: Pastelaria Sul América fechou ao fim de 56 anos de existência em Alvalade https://t.co/y4AUIdciMV

  • Joao Brandao
    Responder

    Bem feito, esses otarios de merda que tinham a mania de tratar mal os clientes e obrigar todas as pessoas a consumir mais que uma vez por dia quando um gajo tinha intervalo. Nao tenho pena nenhuma

    • nuno
      Responder

      Neste momento a unica pessoa que esta a tratar mal alguem e que esta a ser “otaria” és tu…..

    • Cristina
      Responder

      Em primeiro lugar, haja educação!!!!!

      Em segundo lugar, caso nao esteja infomado, este tipo de estabelecimentos existem para que as pessoas os frequentem para consumo dos produtos disponibilizados.

      Para “fazer sala” devia ficar no vasto espaço de convívio que o liceu sempre proporcionou às inúmeras gerações de alunos (felizmente mais educadas).

      Para finalizar, já ponderou que aquilo que considera “tratar mal” talvez não tenha sido mais do que uma reacção à altura do comportamento de alguém com tanta falta de educação?…

    • jose
      Responder

      És mesmo estúpido só tens cocó na cabeça

  • Nico-e-eu
    Responder

    Pastelaria Sul América fechou ao fim de 56 anos de existência em Alvalade https://t.co/wIUaUMiYqU

  • Iberi/n Wolf
    Responder

    Quero chorar!
    https://t.co/YVuI9TJpsN

Deixe um comentário.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend