As passadeiras servem para ajudar os peões. Mas na freguesia dos Prazeres nem sempre é assim. Veja-se o que se passa nas ruas Joaquim Casimiro e do Alto da Cova da Moura, sobre a arriba nascente da Av. Infante Santo. Em ambas estão pintadas passadeiras a meio destes arruamentos inclinados, longe de quaisquer das suas entradas.

Ninguém as usa pois não faz sentido percorrer meia rua para mudar de passeio, ainda mais numa zona residencial onde o tráfego automóvel é diminuto e o pedonal ainda menor. Dizem as regras – e o senso comum – que a “imposição de um local de atravessamento muito afastado do trajecto mais curto é de difícil aceitação por parte dos peões, principalmente se o perigo não for elevado”. A passadeira absurdamente pintada na Joaquim Casimiro liga um passeio que não serve quaisquer habitações a outro que acompanha um bloco de moradias embargado e devoluto há mais de sete anos.

Mais acima, no Alto da Cova da Moura, o tracejado, que a câmara municipal regularmente pinta, liga o muro de uma polémica urbanização implantada no antigo gasómetro da Infante Santo ao muro das traseiras de outro prédio. Peão que aqui passe é um verdadeiro acontecimento. Logo a seguir, junto ao Aqueduto das Águas Livres, na Trav. do Chafariz das Terras, o esbanjamento de tinta vai mais longe, desta vez com a devida sinalização vertical instalada: propõe o atravessamento entre o minúsculo passeio do monumento do séc. XVIII e o portão de entrada de um palacete particular…Sabe-se lá para quê.

F.N.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com