Os impactos negativos negativos em termos arquitectónicos, ambientais, estéticos e a nível de trânsito que terá a construção de um estacionamento subterrâneo no Jardim do Príncipe Real foram, na tarde desta quinta-feira, divulgados por diversos especialistas numa conferência de imprensa realizada no centro do próprio jardim, convocada pela Plataforma Contra a Construção do Parque.

Tal projecto, a concretizar-se, será “um erro que se vai pagar muito caro”, sublinhou José Calisto, dos Amigos do Príncipe Real, uma das associações que integram a Plataforma, da qual fazem parte ainda o Fórum Cidadania Lisboa, a Liga dos Amigos do Jardim Botânico, a Associação Lisboa Verde e Árvores de Portugal.

Margarida Rua, antiga directora do Museu da Água, falou na “impossível convivência” de semelhante projecto com o Reservatório da Patriarcal e o conjunto de galerias que dela emanam, prejudicando ou até inviabilizando a candidatura do Aqueduto das Águas Livres a património mundial.

Segundo a última versão do projecto, o estacionamento terá quatro andares e 12 metros de altura, e ficará debaixo não do jardim propriamente dito, mas do passeio em volta. No entanto, as consequências serão igualmente nefastas para o coberto vegetal.

“Será necessário construir uma cofragem que irá alterar substancialmente algo consolidado, que é o subsolo de um jardim antigo. Não se pode andar a mexer debaixo dum jardim com mais de cem anos. A drenagem vai ser muito alterada, as árvores começam a secar e a seguir vêm os serviços camarários e dizem que é preciso abatê-las”, sublinhou Margarida Cancela de Abreu, arquitecta paisagista.

Carlos Gaivoto, especialista em transportes, considerou o projecto de construção do estacionamento subterrâneo no Príncipe Real como “um exemplo muito concreto daquilo que não se deve fazer” no centro histórico de uma cidade.

 

Principe real 1

 

O comunicado distribuído à comunicação social chama a atenção para o “brutal aumento de tráfego viário no eixo Chiado-Rato” decorrente das alterações ao trânsito na Avenida da Liberdade e da “recente explosão do comércio” na zona, situação que se irá agravar muito se o projecto do parque de estacionamento subterrâneo avançar.

O facto de os promotores do projecto terem falado em que 90 dos lugares do projectado estacionamento serão destinados a moradores na zona não convence Jorge Teixeira Pinto, dos Amigos do Príncipe Real. “Outros tantos lugares serão retirados à superfície, com as entradas e saídas para o parque”.

O projecto que tanta celeuma está a causar já sofreu diversas alterações desde que foi pela primeira vez apresentado à Direcção-Geral do Património Cultura (DGPC), na esperança de que este organismo venha a dar-lhe luz verde. Mas tal ainda não aconteceu, estando agora a DGPC a aguardar os resultados de um estudo hidro-geológico encomendado à empresa Geocontrol.

“A Direcção-Geral do Património Cultural tem todos os instrumentos legais para dizer não a este projecto. Estamos a contar que haja bom-senso”, sublinhou José Calisto, dos Amigos do Príncipe Real.

 

* Texto corrigido às 23h35 de 17 de Julho.

 

Texto: Isabel Braga

 

  • Tiago Dias
    Responder

    Parece a invasão de Gaza. Parque subterrâneo no Príncipe Real será “erro que se vai pagar muito caro” http://t.co/kWxJVaumvu

  • Mr. Malcontent
    Responder

    Quais serão as questões que separam a associação “Amigos do Príncipe Real” do “Grupo de Amigos do Príncipe Real”? http://t.co/85Uz58vL95

  • Vascodcm
    Responder

    RT @_mr_malcontent: Quais serão as questões que separam a associação “Amigos do Príncipe Real” do “Grupo de Amigos do Príncipe Real”? http:…

  • Maria Amélia Rodrigues Cabaça
    Responder

    Contra.

  • Catarina Correia de Sampaio
    Responder

    Está tudo doido!

  • Pedro Hébil
    Responder

    É óbvio que o estacionamento é para rentabilizar e para mais facilmente aceder a esta zona de carro. Porque não reforçar o horário dos transportes e fazer o estacionamento no Monsanto onde teem muito por onde escavar! É de uma inteligência atroz pensar que o subterrâneo é a solução de todos os problemas de uma cidade, já para não falar nas consequências gravíssimas de construir neste local emblemático e de um valor patrimonial único.

  • Nuno Rebelo
    Responder

    Parque subterrâneo no Príncipe Real será “erro que se vai pagar muito caro” http://t.co/r6QRpyALy6

  • Ana
    Responder

    Se os Portugueses andassem mais a pé, menos de carro, vivessem a cidade, ou em ultimo caso se o transito nestas zonas so fosse permitido a moradores e transportes publicos acabavam-se estas ideias megalomanas!…. Funciona na maioria das cidades da Europa civilizada. Não entendo pq nao funcionaria cá!

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com