Os impactos negativos negativos em termos arquitectónicos, ambientais, estéticos e a nível de trânsito que terá a construção de um estacionamento subterrâneo no Jardim do Príncipe Real foram, na tarde desta quinta-feira, divulgados por diversos especialistas numa conferência de imprensa realizada no centro do próprio jardim, convocada pela Plataforma Contra a Construção do Parque.

Tal projecto, a concretizar-se, será “um erro que se vai pagar muito caro”, sublinhou José Calisto, dos Amigos do Príncipe Real, uma das associações que integram a Plataforma, da qual fazem parte ainda o Fórum Cidadania Lisboa, a Liga dos Amigos do Jardim Botânico, a Associação Lisboa Verde e Árvores de Portugal.

Margarida Rua, antiga directora do Museu da Água, falou na “impossível convivência” de semelhante projecto com o Reservatório da Patriarcal e o conjunto de galerias que dela emanam, prejudicando ou até inviabilizando a candidatura do Aqueduto das Águas Livres a património mundial.

Segundo a última versão do projecto, o estacionamento terá quatro andares e 12 metros de altura, e ficará debaixo não do jardim propriamente dito, mas do passeio em volta. No entanto, as consequências serão igualmente nefastas para o coberto vegetal.

“Será necessário construir uma cofragem que irá alterar substancialmente algo consolidado, que é o subsolo de um jardim antigo. Não se pode andar a mexer debaixo dum jardim com mais de cem anos. A drenagem vai ser muito alterada, as árvores começam a secar e a seguir vêm os serviços camarários e dizem que é preciso abatê-las”, sublinhou Margarida Cancela de Abreu, arquitecta paisagista.

Carlos Gaivoto, especialista em transportes, considerou o projecto de construção do estacionamento subterrâneo no Príncipe Real como “um exemplo muito concreto daquilo que não se deve fazer” no centro histórico de uma cidade.

 

Principe real 1

 

O comunicado distribuído à comunicação social chama a atenção para o “brutal aumento de tráfego viário no eixo Chiado-Rato” decorrente das alterações ao trânsito na Avenida da Liberdade e da “recente explosão do comércio” na zona, situação que se irá agravar muito se o projecto do parque de estacionamento subterrâneo avançar.

O facto de os promotores do projecto terem falado em que 90 dos lugares do projectado estacionamento serão destinados a moradores na zona não convence Jorge Teixeira Pinto, dos Amigos do Príncipe Real. “Outros tantos lugares serão retirados à superfície, com as entradas e saídas para o parque”.

O projecto que tanta celeuma está a causar já sofreu diversas alterações desde que foi pela primeira vez apresentado à Direcção-Geral do Património Cultura (DGPC), na esperança de que este organismo venha a dar-lhe luz verde. Mas tal ainda não aconteceu, estando agora a DGPC a aguardar os resultados de um estudo hidro-geológico encomendado à empresa Geocontrol.

“A Direcção-Geral do Património Cultural tem todos os instrumentos legais para dizer não a este projecto. Estamos a contar que haja bom-senso”, sublinhou José Calisto, dos Amigos do Príncipe Real.

 

* Texto corrigido às 23h35 de 17 de Julho.

 

Texto: Isabel Braga

 

  • Tiago Dias
    Responder

    Parece a invasão de Gaza. Parque subterrâneo no Príncipe Real será “erro que se vai pagar muito caro” http://t.co/kWxJVaumvu

  • Mr. Malcontent
    Responder

    Quais serão as questões que separam a associação “Amigos do Príncipe Real” do “Grupo de Amigos do Príncipe Real”? http://t.co/85Uz58vL95

  • Vascodcm
    Responder

    RT @_mr_malcontent: Quais serão as questões que separam a associação “Amigos do Príncipe Real” do “Grupo de Amigos do Príncipe Real”? http:…

  • Maria Amélia Rodrigues Cabaça
    Responder

    Contra.

  • Catarina Correia de Sampaio
    Responder

    Está tudo doido!

  • Pedro Hébil
    Responder

    É óbvio que o estacionamento é para rentabilizar e para mais facilmente aceder a esta zona de carro. Porque não reforçar o horário dos transportes e fazer o estacionamento no Monsanto onde teem muito por onde escavar! É de uma inteligência atroz pensar que o subterrâneo é a solução de todos os problemas de uma cidade, já para não falar nas consequências gravíssimas de construir neste local emblemático e de um valor patrimonial único.

  • Nuno Rebelo
    Responder

    Parque subterrâneo no Príncipe Real será “erro que se vai pagar muito caro” http://t.co/r6QRpyALy6

  • Ana
    Responder

    Se os Portugueses andassem mais a pé, menos de carro, vivessem a cidade, ou em ultimo caso se o transito nestas zonas so fosse permitido a moradores e transportes publicos acabavam-se estas ideias megalomanas!…. Funciona na maioria das cidades da Europa civilizada. Não entendo pq nao funcionaria cá!

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com