A Praça da Figueira e o Parque Tejo, junto à Ponte Vasco da Gama, são dois dos mais reconhecidos lugares de reunião da crescente comunidade de praticantes de skate na capital portuguesa. Há outros locais, claro, mas estes serão os mais visíveis, pelo menos para quem se limita a observar de fora, como fez para O Corvo a fotógrafa Paula Ferreira. Na verdade, e dando expressão à contingência demográfica resultante de esta ser uma actividade praticada sobretudo pelos jovens, os pontos onde se concentram mais skaters até são mais numerosos e importantes na periferia de Lisboa. Mas, tal como noutras coisas, quando se querem encontrar, muitos deles descem à cidade. Algumas vezes, serpenteando entre o trânsito automóvel, como acontece na Avenida Almirante Reis.

 

Se o espaço do Parque Tejo foi o primeiro a ser concebido de raiz na capital – depois do skate park de Pedrouços (1996) – para que os praticantes da modalidade pudessem dele usufruir em pleno, já na Praça da Figueira a presença dos skaters nem sempre foi bem aceite pelas autoridades. Apesar de o embasamento poente da estátua equestre de Dom João I ser, há muito, local de prática e encontro da comunidade, ainda há poucos anos a Polícia Municipal a importunava, com justificações legalistas. Esses dias já lá vão e é agora pacífica a presença desta espécie de surfistas das superfícies urbanas. Por moda, por convicção espiritual, por mero comportamento grupal ou sem pensar muito sobre isso, eles continuam a tornar mais estimulante o cenário que é Lisboa.

 

Fotografias: Paula Ferreira

 

14 P1040601

 

15 P1040099

 

16 P1040095

 

1 P1020817

 

17 P1030928

 

6 P1040307

 

3 P1040121

 

2 P1040111

 

10 P1040637

 

8 P1040298

 

4 P1020825

 

13 P1040640

 

9 P1040201

 

11 P103

 

7 P1040304

 

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Os skaters de Lisboa https://t.co/ob4a2SSyYW #lisboa

  • Paulo Ferrero
    Responder

    piso escavacado. vão brincar para a porcalhota!

  • Ana Botelho
    Responder

    Os skaters de Lisboa https://t.co/UfiTdBsL8m

  • Manuel De Campos Pinto
    Responder

    Nada me move contra esta prática de desporto urbano e até elogio as autarquias que se dignaram construir infraestruturas para o efeito. O local acima retratado, já se tornou um ponto de encontro destes jovens praticantes e já fazem parte do ambiente local.

    No entanto, há situações que merecem o reparo da comunidade e, especificamente, o meu, no caso que passo a relatar:

    Ontem, cerca das 18:30 fui passear junto da Torre de Belém e, ao passar junto do Monumento aos Combatentes, deparei-me com quatro jovens skaters cujo entretenimento era lançarem-se sobre a placa triangular que se pode ver em primeiro plano.

    Não me restringindo ao facto de poderem danificar as letras que são salientes, obviamente que o que mais me incomodou foi a falta de respeito pelo local e o significado que o mesmo tem para toda uma geração que é a minha.

    Ali, estão gravados nomes de alguns amigos, no meio de milhares que não tiveram a oportunidade de sobreviver a uma guerra que lhes ceifou a vida com a mesma idade destes skaters que, provavelmente, não sabem que os únicos “brinquedos” que, à data, tinham era uma enxada com que amanhavam os campos e uma G-3 que lhes puseram nas mãos…

    Repito, e que fique bem claro, que nada tenho contra esta prática desportiva, apenas apelo a que haja mais respeito pela nossa memória colectiva e por aqueles que, jovens como estes skaters, morreram pela Pátria.

    • ze
      Responder

      E a guarda de honra que lá costuma estar, nada fez?

  • MPinto
    Responder

    Nada me move contra esta prática de desporto urbano e até elogio as autarquias que se dignaram construir infraestruturas para o efeito. O local acima retratado, já se tornou um ponto de encontro destes jovens praticantes e já fazem parte do ambiente local.

    No entanto, há situações que merecem o reparo da comunidade e, especificamente, o meu, no caso que passo a relatar:

    Ontem, cerca das 18:30 fui passear junto da Torre de Belém e, ao passar junto do Monumento aos Combatentes, deparei-me com quatro jovens skaters cujo entretenimento era lançarem-se sobre a placa triangular que se pode ver em primeiro plano.

    Não me restringindo ao facto de poderem danificar as letras que são salientes, obviamente que o que mais me incomodou foi a falta de respeito pelo local e o significado que o mesmo tem para toda uma geração que é a minha.

    Ali, estão gravados nomes de alguns amigos, no meio de milhares que não tiveram a oportunidade de sobreviver a uma guerra que lhes ceifou a vida com a mesma idade destes skaters que, provavelmente, não sabem que os únicos “brinquedos” que, à data, tinham era uma enxada com que amanhavam os campos e uma G-3 que lhes puseram nas mãos…

    Repito, e que fique bem claro, que nada tenho contra esta prática desportiva, apenas apelo a que haja mais respeito pela nossa memória colectiva e por aqueles que, jovens como estes skaters, morreram pela Pátria.

  • José António Estorninho
    Responder

    «… é agora pacífica a presença desta espécie de surfistas das superfícies urbanas” ? Se é não devia ser. Vão lá ver bem o estado em que está o piso da base da estátua do D. João I, aproveitem e vão até ao Terreiro do Paço ver o que estão a fazer ao piso e aos bancos. Qualquer dia tomam conta dos Restauradores (também já lá os vi), da Sé e dos Jerónimos e depois quero ver se dizem a mesma coisa. Querem praticar skate, estejam à vontade, mas pratiquem-no em sítios adequados, não junto a monumentos nem em zonas históricas.

    • Miguel Nozolino
      Responder

      Realmente as pessoas continuam a dizer mal de tudo o que podem.
      Se em x de se preocuparem com os “danos” que os skaters fazem ao piso das ruas de Lisboa, porque não preocuparem se antes em saber a razão pela qual pagamos todos taxas de saneamento elevadíssimas e as ruas estão sempre sujas? Porque razão não cobra a CML uma taxa per diem aos turistas, esses sim, que usam e abusam acabando por desgastar mais a nossa cidade?
      Se todos os nosso problemas fossem os “danos” causados pelos skaters!!!
      Cambada de Velhos do Restelo.

  • José
    Responder

    Estes tipos partem o pavimento.
    É UMA VERGONHA O ESTADO DO PISO.

  • Atlas Lisboa
    Responder

    Excellent photos of Lisbon #skateboarders by @PaulaFerreira on @ocorvo_noticias https://t.co/ZQ9olkOEMz

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com